QUEBRA QUEIXO

32

Dinheiro à mineira

A Polícia Federal (PF) cumpriu na manhã de ontem (20) mandados de busca e apreensão em endereços ligados à família do senador Aécio Neves (PSDB-MG). Segundo a polícia, o objetivo da operação é esclarecer uma possível indicação de lavagem de dinheiro. A PF também cumpriu mandado em empresa de comunicação da família Neves.

É a segunda vez neste mês que parentes do senador – e futuro deputado federal – são alvos de operação da polícia, só não foi informado se a operação dessa quinta tem alguma relação com as buscas realizadas no início do mês. As buscas de ontem foram determinadas pelo ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Tratamento a sexo

A Polícia Civil de Goiás concluiu a primeira investigação sobre o caso João de Deus e o indiciou sob a suspeita de violência sexual mediante fraude. O relatório final do inquérito diz que ele cometeu uma espécie de estelionato, ou seja, propôs um tratamento de cura espiritual com o intuito de cometer uma violação.

A vítima neste inquérito é uma mulher de cerca de 40 anos, que alega ter sido molestada em 24 de outubro. O caso agora será analisado pelo Ministério Público de Goiás, que decidirá se denuncia o médium. Se condenado pelo crime, ele pode pegar entre dois e seis anos de prisão em regime fechado. Com informações da Folhapress.

Motim judicial

O PT (Partido dos Trabalhadores) afirmou ontem (20) que o ministro Dias Toffoli, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), cedeu a um “verdadeiro motim judicial” ao suspender a liminar do ministro Marco Aurélio de Mello que determinava a libertação de presos em segunda instância, como o ex-presidente Lula.

“Ao revogar, de forma sem precedentes, a liminar do ministro Marco Aurélio, o presidente do STF, Dias Toffoli, cedeu a um verdadeiro motim judicial, com um claro viés político-partidário”, disse o partido em nota. “A decisão tomada às pressas e com precária base institucional demonstra claramente o alinhamento da presidência do Supremo, desde Cármen Lúcia, com soluções autoritárias que atendem ao objetivo de calar a voz de Lula.