Tio é condenado a 40 anos de prisão por morte de Hemilly

3
O enterro da estudante foi marcado pela comoção. No detalhe, a jovem Hemilly que foi morta de forma violenta

José Augusto Chrispim

 

Washington Samuel Gonçalves de Oliveira, de 28 anos, foi condenado nessa terça-feira (28), pelo Tribunal do Júri de Araraquara, a uma pena de 40 anos de prisão em regime fechado. Washington é acusado de matar a sobrinha, a adolescente Hemilly Brenda Gonçalves de Oliveira, de 14 anos, em março de 2018.

Segundo o apurado, durante o julgamento, o promotor do Ministério Público, Dr. Herivelto de Almeida, qualificou o crime como cruel e motivado por razões da condição do sexo feminino. Os advogados de defesa alegaram que o cliente não teve a intenção de matar Hemilly, porém o júri, formado por cinco mulheres e dois homens, entendeu que o réu era culpado da acusação de homicídio triplamente qualificado.


Relembre o caso

A estudante Hemilly morreu na tarde do domingo, 11 de março de 2018, na Santa Casa, depois de ser brutalmente espancada pelo tio no dia anterior, na casa onde os dois moravam junto da avó da adolescente. O enterro da adolescente foi marcado pela comoção de familiares e alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental “Ruth Villaça Correia Cardoso”, localizada no bairro Jardim Maria Luiza, onde ela estudava, que fizeram um ato pelo fim da violência pelas ruas do bairro, onde o crime foi cometido. Logo depois um coletivo da Prefeitura Municipal realizou o transporte das crianças até o velório. Com cartazes nas mãos, os estudantes homenagearam a colega.

Segundo o apurado, Washington teria espancado a sobrinha por não aceitar o envolvimento dela com um rapaz do bairro. O acusado já havia sido preso antes por violência doméstica contra sua esposa e sua mãe, motivo pelo qual sua pena que havia sido fixada antes em 25 anos, acabou sendo aumentada para 40 anos.

O réu, que cumpre pena na Penitenciária de Pirajuí, deverá permanecer preso em regime fechado e sem direito de recorrer em liberdade.