Polícia Civil fica sem serviço de guincho durante a noite

150

Desde quarta-feira (9), a Polícia Civil do Estado de São Paulo não conta mais com o serviço de guincho durante a noite e a madrugada. As delegacias de todo estado receberam um comunicado avisando que o serviço será disponibilizado apenas entre as 9 e 21h. Entre o final da noite e a madrugada, os policiais ficarão à mercê da sorte caso a viatura seja danificada durante uma ocorrência.

Na avaliação da presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (SINDPESP), Raquel Kobashi Gallinati, a suspensão do serviço durante a noite e madrugada piora as já frágeis condições de trabalho da classe. “Essa medida é mais um exemplo da falta de comprometimento do Governo do Estado com a segurança pública. O que acontece se a viatura do policial, durante uma ocorrência fora deste horário, sofrer uma pane? Mais uma vez, a falta de condições de trabalho expõe o policial a riscos”, afirma.

Raquel observa que os policiais civis já operam com uma frota de veículos sucateada e a suspensão do serviço vai agravar essa situação. “Para combater o crime e proteger a população, os policiais civis de São Paulo têm que contornar a falta de profissionais, que atinge mais de 30% dos quadros, o sucateamento das delegacias e viaturas, a falta de equipamentos de segurança e agora ainda têm que lidar com mais essa situação de risco”, afirma a presidente do SINDPESP.

Um relatório divulgado pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, em Julho deste ano, mostrou que muitas unidades não possuem quantidade suficiente de viaturas para o trabalho policial e que as existentes necessitam de reparos constantes ou estão inoperantes.

Além disso, cerca de 40% dos policiais trabalham sem coletes balísticos. “O governo do estado precisa urgentemente investir na segurança pública, não só em benefício da segurança dos policiais, mas em nome de toda a sociedade”, finaliza Raquel.