Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã

15
Homenagem às vítimas do incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo antes da partida da semifinal da Taça Guanabara entre Flamengo e Fluminense, no Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro.

O governo do Estado do Rio de Janeiro anunciou hoje (18) que vai decretar no Diário Oficial de amanhã (19) a caducidade do contrato de concessão do Estádio Jornalista Mário Filho, o Maracanã. O governador Wilson Witzel disse que a decisão foi tomada por descumprimento do contrato por parte da concessionária Complexo Maracanã Entretenimento S.A.

Segundo o governo estadual, a concessionária não paga as parcelas de outorga previstas no contrato de concessão desde maio de 2017, o que gerou uma dívida de R$ 38 milhões com os cofres públicos.

Além disso, a concessionária não renovou a garantia, que deveria cobrir os pagamentos ao estado em caso de falta. O governo também decidiu punir a concessionária e suas controladoras com dois anos de inidoneidade, o que impede que elas assinem outros contratos com o poder público.

“Estão usando um equipamento do estado, não estão pagando e, pior, os clubes estão reclamando. Tudo errado”, disse o governador.

Com a publicação da caducidade amanhã, a concessionária terá que deixar o estádio em até 30 dias, e a administração será assumida pelo estado por meio de uma Comissão Consultiva com sete membros.

O governo trabalha na elaboração de uma permissão de uso para que o estádio possa ser administrado enquanto um novo modelo de parceria público-privada é preparado.

Entorno do estádio pode ser revitalizado

A intenção do estado é que o próximo contrato abarque a revitalização do entorno do Maracanã, incluindo a construção de uma laje de 160 mil metros quadrados sobre os trilhos da Supervia, para que o espaço possa ser ocupado por estacionamento, shoppings e até hotéis.

O projeto, segundo Witzel, vai preservar as estruturas do entorno do Maracanã, como o Parque Aquático Júlio Delamare, o Estádio de Atletismo Célio de Barros e o antigo Museu do Índio. A demolição dos três chegou a ser planejada nos preparativos para a Copa do Mundo, mas sofreu forte oposição popular e foi descartada.

Por meio de nota, a concessionária disse que foi surpreendida ao receber a informação pela imprensa. “A empresa informa que não teve acesso a nenhum ato oficial do Governo do Estado do Rio de Janeiro e se manifestará oportunamente”.

Fluminense e Flamengo se manifestam

O Fluminense também se manifestou: “O Fluminense Football Club avalia como positiva a decisão do Governo do Estado do Rio de Janeiro e espera que, a partir de agora, os clubes passem a ter participação mais ativa na concessão e administração do estádio”.

O Flamengo também comemorou a decisão de Witzel e parabenizou o governo.

“Esperamos que a nova licitação corrija um dos grandes problemas do edital passado, contemplando agora a possibilidade de os clubes do Rio de Janeiro participarem da administração daquele que é um verdadeiro templo do futebol mundial”, disse o Flamengo.

Ao anunciar a medida, o governador do Rio afirmou que a mudança no controle do Maracanã não vai prejudicar jogos de futebol já agendados, incluindo a Copa América e a Copa Libertadores da América.

(Com informações da agência Brasil)