Painel – Quarta-feira, 7 de agosto

155

Marcelo Barbieri vai para a disputa em 2020…
Marcelo Barbieri falou como candidato a prefeito durante a convenção do MDB local que elegeu o novo diretório do partido em Araraquara. Realizada nas dependências da Câmara Municipal no último domingo, 4, a reunião do MDB passou longe de um encontro partidário convencional, normalmente fechado aos seus pares e onde se costuma enaltecer as próprias virtudes e debater dores internas. Muito pelo contrário! Marcelo não se lançou candidato, mas se comportou como tal, escolheu um discurso de candidato, e admitiu que está trabalhando nos bastidores para construir uma frente única em Araraquara para a disputa o pleito de 2020 contra Edinho Silva, do PT.

Negociações envolvem altos escalões
No encontro do MDB até se falou de algumas feridas internas, é verdade, mas a grande verdade, mesmo, é que o encontro deu a largada para a sucessão municipal, com recados, sinalizações, revelações e até avisos. Muitos deles nem tão subliminares. Ou seja: a corrida eleitoral começou em Araraquara e as negociações envolvem São Paulo e Brasília. A conversa não vai ser só por aqui….

Reunião do MDB se transformou em uma grande frente partidária
Com a presença de 10 dos partidos que militam na oposição ao atual governo municipal, a reunião teve forte peso político, mas também teve algumas surpresas. Estiveram na Câmara Municipal o PSDB, de Edna Martins, o PSB, de Nino, o PSD, de Coca, o DEM, de Leandro Cortez, o Urso, o PDT, de Pedro Baptistini, o PC do B, de Mauro Bianco, o PV, de Galo e, “bingo”, o PSL, de Bolsonaro também estava lá e seus membros subiram na mesa de trabalhos!!!

Partido do Bolsonaro estava lá
O caso do PSL de Araraquara chama a atenção já há muito tempo. Historicamente ligado ao ex-prefeito Marcelo Barbieri em Araraquara, seja participando das coligações que o elegeram, ou mesmo integrando seus governos, o PSL local conta em seus quadros diretivos, assim como entre seus militantes, com nomes também historicamente ligados ao ex-prefeito. Há de se considerar também a excelente relação política e pessoal que Barbieri mantém com um dos maiores articuladores do partido em São Paulo, o Major Olímpio, hoje senador, e deputado federal até outro dia.

PSL foi reorganizado em São Paulo
Foi Olímpio, aliás, quem comandou a reorganização do PSL em todo o estado de São Paulo, tudo, para viabilizar um partido sólido e com musculatura política suficiente para garantir apoio e respaldo ao presidente Bolsonaro no principal estado da União. E para tal empreitada, Olímpio destituiu praticamente todas Executivas Provisórias do partido em São Paulo, e as entregou a pessoas ou grupos de confiança, muitos deles integrados por militares com lastro eleitoral e, ou, a agentes com comprovada liderança e que dominem a boa prática da negociação e da lealdade política.

Todo mundo junto
A dupla do PSL, o presidente Marcos Custódio e o Cel. Brito, parecia um pouco constrangida, mas não quiseram, ou não puderam declinar do convite. Foram lá, subiram, ocuparam lugar na mesa de trabalhos e manifestaram interesse em uma “união” de forças em prol da cidade. Durante sua fala, Custódio foi direto: “O momento é de união para ganharmos as eleições”. Ou seja: se Barbieri for cabeça de chapa em uma eventual frente de oposição criada em Araraquara, o PSL, de Bolsonaro, estará junto.

Ausência 1
A surpresa do encontro foi a barulhenta ausência do PRB, de João Farias, homem forte do partido do Bispo Edir Macedo no governo de Bruno Covas, na capital. Protagonista há pouco mais de 60 dias de uma reunião partidária – também realizada na Câmara municipal -, e onde se anunciou a intenção de viabilizar uma frente de oposição em Araraquara contra Edinho Silva, do PT, o PRB simplesmente não apareceu no encontro. É verdade que o próprio Barbieri explicou ao microfone a ausência, afirmando ter recebido ligação de Farias, ele que estaria cumprindo importante agenda na capital, ok. Mas não se pode deixar de registrar que ninguém do partido foi visto pelos corredores da Câmara.

Ausência 2
Outro nome de peso da política local que não foi visto na Câmara Municipal foi Lapena, do Patriotas. O partido, aliás, nem deu as caras no Palácio São Bento. Barulhentos, e muitas vezes agressivos nas redes sociais, os membros da agremiação costumam atirar para todos os lados e na maioria das vezes, na direção dos caciques da política local dos últimos 20 anos, leia-se, Massafera, Dimas, Barbieri e Edinho. Lapena não é um dos atiradores, é verdade. Mas, não apareceu….

Radical, mas nem tanto
Aparentemente sólida, a situação política de Lapena, pode-se dizer, é até curiosa e não parece estar fechada. Apresentado nas redes sociais como “o candidato da direita” em Araraquara, o médico conta com uma barulhenta tropa de choque nas redes sociais. Uma tropa que não aceita negociar com ninguém. Para eles, é Lapena na cabeça e não tem acordo. O discurso do grupo, porém, não parece tão alinhado com o do ex-vereador, que já declarou algumas vezes estar disposto a abrir mão de seu nome caso surja alguém com potencial para derrotar O PT em Araraquara.

Araraquara é para profissionais
A presença do PC do B e do PDT, partidos de esquerda e de oposição aos atuais governos estadual e federal – ambos apoiados integralmente pelo MDB de Marcelo Barbieri -, não chama atenção e não é de se estranhar. Mauro Bianco, do PC do B é historicamente ligado à vida política de Barbieri, assim como Pedro Baptistini, este com longa história de parceria e militância política com o ex-prefeito. É verdade, que imaginar alianças onde estejam na mesma cumbuca partidos alinhados a Ciro Gomes e a Bolsonaro parece algo fora da realidade. Mas, isso só para os politicamente puros. Araraquara não é para amadores….

Pelos corredores do poder
O PV, de Fernando Cesar Câmara, o Galo, esteve no encontro do MDB. O partido, que na segunda administração de Barbieri foi responsável pela, hoje extinta Secretaria do Meio Ambiente, esteve representado pelo próprio Galo, mas não ocupou lugar na mesa de trabalhos e não permaneceu no plenário. O dirigente ficou nos corredores por algum tempo e depois não foi mais visto no local.

Abraçando a causa 1
O PSD, de Coca, foi um dos partidos que mais abraçaram Marcelo Barbieri durante o encontro. Em sua fala, o ex-secretário de Trânsito de Araraquara lembrou que desde 1973, quando Clodoaldo Medina assumiu a Prefeitura da cidade, o MDB já elegeu quatro prefeitos por aqui. Coca lembrou Quércia, de quem Barbieri foi fiel escudeiro até o fim, elogiou o ex-prefeito por sua influência em Brasília e como gestor, e lembrou dos investimentos obtidos pelas duas administrações do emedebista, criticando o que ele chamou de isolamento político que Araraquara atravessa atualmente. “Araraquara é uma ilha, sem apoio dos governos estadual e do governo federal”.

Abraçando a causa 2
Nino, do PSB, elogiou o ex-chefe e não declinou de participar de uma frente política de oposição na cidade. O partido do ex-secretário da Educação de Araraquara, e ex-assessor de Marcelo Barbieri na Câmara Federal, em Brasília, fez ainda mais: ainda antes da reunião do MDB na Câmara, o PSB divulgou um “manifesto em defesa de Araraquara”, propondo a união de forças para que a cidade retome o seu protagonismo. Em resumo: os discursos estão alinhados, com Marcelo Barbieri como timoneiro da nau…

Rei leão
Um grande evento político e pré-eleitoral. Foi isso que se viu no último domingo na sede do legislativo local. Em outros tempos, é verdade, teríamos na pauta nomes como Massafera e Dimas Ramalho, mas desta feita Marcelo foi sozinho o centro das atenções. E ele aproveitou o protagonismo e bateu forte em sua fala.
Marcelo, entre outros pontos, citou o filme Rei Leão, e disse que Araraquara é o Reino de Scar. “O problema do governo são as hienas. Elas mataram todos os rebanhos, comeram tudo, nem grama nasce”, falou. Segundo Marcelo, isso acontece porque “eles (o PT)” se preocupam apenas com eles, fazem gestão só pensando no time deles. “Por isso todo mundo sofre”, afirmou, arrancado risos e aplausos da plateia de lideranças políticas e partidárias presentes.

Dória, Edna, Marcelo e Araraquara 1 
Edna Martins, do PSDB, não abraçou o nome de Marcelo para “puxar” uma frente em 2020, mas também não se eximiu de elogiar o antigo chefe. O caso dela parece ser a maior dificuldade que a costura deflagrada por Marcelo terá pela frente pela construção de uma frente única em Araraquara contra o PT. Até segunda ordem, sabe-se que o governador Dória quer o PSDB na cabeça de chapa na cidade e abraçou o nome de Edna para a disputa. A costura, portanto, passa por convencê-lo de abrir mão da cabeça de chapa.

Dória, Edna, Marcelo e Araraquara 2
Marcelo, por sua vez, não se faz de rogado e falou sobre o assunto PSDB-Edna com bastante desenvoltura durante sua fala no evento. Hábil negociador e acostumado com as costuras de bastidores, Marcelo revelou durante o evento que procurou Marcos Vinholi, presidente estadual do PSDB, para interpelá-lo sobre quais seriam os planos do partido para Araraquara. As palavras de Marcelo foram bastante diretas: “…se todos olharem para seus próprios umbigos nós perderemos a eleição”…… Ou seja: tudo pelo bem de um projeto comum: ganhar em Araraquara.

Dória, Edna, Marcelo e Araraquara 3
Ainda sobre a abordagem ao presidente do PSDB, Marcelo disse, e com todas as palavras, que o MDB está com Dória em São Paulo e já abraçou o projeto do governador de disputar a eleição presidencial em 2022. “Estamos juntos!”, disse ele, cobrando explicitamente apoio para o projeto local. Portanto, amigo leitor, cá entre nós: o discurso de todos pode até ser o de que não há um nome de consenso ainda, e que a escolha dele deve ser pauta de conversas e negociações posteriores. Porém, se o nome desejado pela frente de oposição liderada por Barbieri fosse o de Edna Martins, não teria o menor sentido procurar o presidente estadual do PSDB para negociar apoio na construção dela.

Marcelo X Edinho
A notícia não surpreende quem acompanha a política da cidade há tempos. Edinho e Marcelo protagonizaram grandes embates pela Prefeitura da cidade em duas ocasiões, e Edinho saiu vencedor nas duas. Marcelo venceu o PT por duas vezes também, e ambas na disputa pelo 6º andar, mas em nenhuma oportunidade Edinho esteve do lado de lá. As derrotadas foram duas mulheres, Edna Martins e Márcia Lia. Também é muito falado pelas ruas da cidade que a política local não foi capaz de formar um nome para enfrentar e vencer Edinho no pleito do ano que vem. Claro: isso, porque ninguém imaginava a possibilidade de Marcelo decidir disputar o pleito….

É a hora do troco?
Antes de conquistar a Prefeitura, em 2008, o líder do MDB já tinha disputado e perdido três eleições pela prefeitura. Perdeu para De Santi (96), Edinho (2000) e Edinho novamente (2004). Em 2008, quando finalmente conseguiu se eleger, Marcelo não só derrotou Edna Martins, na época ainda no PT, como também o lendário De Santi, então já vivendo o seu ocaso na política. O único que Marcelo ainda não derrotou em Araraquara foi Edinho. Mas, agora parece que ele quer resolver isso…

O “Partido de Araraquara” estaria de volta? – 1
Em sua fala, o deputado federal Baleia Rossi, maior nome do MDB de São Paulo na atualidade, foi bastante direto e esclarecedor: o líder não economizou elogios a Marcelo Barbieri, agradeceu a parceria entre os dois em São Paulo e em Brasília, revelou estar constantemente com o governador e com o vice-governador de São Paulo tratando de assuntos de interesse do estado, e cumprimentou as lideranças presentes ao evento do MDB pelo desprendimento….

O “Partido de Araraquara” estaria de volta? – 2
O tom, na verdade, não poderia ter sido mais revelador. Baleia Rossi falou que Araraquara está de parabéns. Na mesma toada dos discursos que Dimas, Massafera, Marcelo e até mesmo Edinho Silva fizeram nos últimos 20 anos, Baleia disse que a cidade deu “uma aula de civilidade e democracia” durante a reunião, mostrando que quando as pessoas de bem querem o melhor para sua cidade “elas se unem em torno de um projeto”. Finalizando sua fala, Baleia disse ter “certeza de que esse processo será bem alicerçado, bem construído e será vitorioso”, colocando seu mandato a disposição da cidade e do projeto de união de forças na política local. Falou isso olhando para Marcelo, que como dono do evento e “pai” do projeto lançado ali, agradeceu e se levantou para cumprimentá-lo.

Soldado do partido e diretor do IAMSPE
Reeleito presidente do MDB local, o ex-vereador, ex-presidente da Câmara Municipal e ex-secretário de governo, Aluizio Brás, o Boi, é o novo diretor regional do IAMSPE. Boi chegou ao cargo por indicação do deputado federal do MDB, Baleia Rossi. O ex-presidente da Câmara municipal também tomou a palavra, e tocou em algumas feridas internas do partido, afirmando que a agremiação está desunida na cidade e conclamando a todos a se unirem para a construção de um MDB mais forte. “Precisamos conversar mais, nos unir. Precisamos fazer novas filiações”, afirmou. Saído da última eleição como o nome natural do partido para a disputa do 6º andar do Paço, Boi vai disputar uma cadeira na Câmara Municipal em 2020.

Vai para deputado
Responsável pelo cerimonial da convenção, Marcos Daniel parece ter saído fortalecido do evento. Eleito 1º vice-presidente do diretório local, Daniel foi o dono da palavra na Câmara Municipal, apresentou um a um dos presentes, conduziu os trabalhos e passou a palavra a todos. Ele será o nome do partido para a disputa de uma vaga no Palácio 9 de Julho, sede da Assembleia Legislativa, em 2022. Para federal, o MDB de Araraquara já abraçou Baleia Rossi, de Ribeirão Preto.