Henrique Rosseti quer mais incentivo à cultura e à zeladoria da cidade

O empresário, atuante na área da cultura, acha que haverá uma mudança significativa na Câmara Municipal em novembro

142

José Augusto Chrispim

Dando continuidade as entrevistas com os pré-candidatos ao Legislativo araraquarense, O Imparcial conversou com o empresário Henrique Rosseti, que é coordenador de Cultura do PL (Partido Liberal). Ele é conhecido pelo seu segmento de trabalho na cultura e foi presidente do Conselho do Orçamento Participativo (COP). Atualmente é presidente da Associação dos Amigos do Parque Infantil e integrante do Conselho do Turismo e Desenvolvimento.

Henrique foi candidato a vereador nas eleições de 2016, obtendo 467 votos. Henrique falou sobre suas expectativas para as eleições que acontecem em novembro.

Veja a entrevista na íntegra.

O Imparcial: Qual é a sua expectativa para essas eleições, em Araraquara?

Henrique: “Acompanhando os índices de votação nas últimas eleições, acredito que seguindo esta linha neste ano continuaremos com baixo índice de comparecimento de eleitores. Neste contexto, não posso afirmar que tenho uma expectativa positiva em âmbito geral, no entanto, eu acredito que teremos mudanças significativas no Legislativo de Araraquara”.

O Imparcial: Qual é a sua principal motivação para se candidatar a uma vaga no Legislativo?

Henrique: “Com mandato ou não, nossa luta sempre foi e sempre será por uma cidade com melhorias significativas. Este trabalho é constante, estando ou não na Câmara. Hoje, sou pai e avô e, isso, me mobiliza a construir uma cidade melhor para as novas gerações”.

O Imparcial: Qual é o seu principal projeto, caso se eleja vereador? E quais bandeiras você defende?

Henrique: “Além da Cultura, que precisa de atenção e incentivo constantes, a zeladoria de nossa cidade também sempre esteve no meu radar. Nos últimos três anos, participei de inúmeros conselhos, trabalhando firmemente em segmentos como o Turismo, Desenvolvimento e Orçamento Participativo. Aprendi muito nesse período e tivemos algumas conquistas. No entanto, nossa cidade ainda necessita de zeladoria nas praças e espaços públicos. Sempre atento ao Plano Diretor, pois a cada interesse político, ele está sendo mudado. Observem o que aconteceu na Zona Norte com o Vale Verde e bairros ao seu redor, com as novas casas os mananciais foram prejudicados e as represas próximas estão sumindo. Neste sentido, precisamos de desenvolvimento, sou a favor de construção de moradias

populares, no entanto, as Leis voltadas ao Meio Ambiente devem ser mais rígidas onde possamos aliar a ampliação da cidade com a preservação da natureza”.

O Imparcial: Devido à pandemia do novo Coronavírus, o corpo a corpo da campanha eleitoral nas ruas da cidade deve ser menos intenso este ano. Você acha que isso vai favorecer os candidatos que possuem mandatos ou a disputa vai se concentrar mais nas redes socias?

Henrique: “Chegou a hora de nos reinventarmos! Esta eleição será desafiadora para todos, pois devido ao contexto de pandemia, devemos tomar todos os cuidados e trabalhar com sabedoria as Redes Sociais”.

O Imparcial: Você acredita que aconteça uma grande renovação na Câmara Municipal nestas eleições? Ou acha que os grandes partidos devem manter a maioria das cadeiras, devido ao final das coligações proporcionais?

Henrique: “O contexto atual favorece os que já estão com mandato, mas eu também vejo uma participação maior do eleitorado em acompanhar o trabalho da Câmara, pela facilidade da internet. O povo tem visto quem está votando a favor dos interesses da população. Eu acredito em uma renovação”.

O Imparcial: Como você, que é ligado à área da cultura, acredita que poderia ajudar a classe dos artistas sendo vereador? Você tem algum projeto voltado para essa área?

Henrique: “Há muitos anos atuo nesta área, através de realizações de feiras culturais e liderando a Associação dos Amigos do Parque Infantil, além de diversos eventos no Espaço Cultural Arte & Bola. A dificuldade do segmento vem de antes da pandemia, pois sempre foi uma luta intensa para conseguir incentivos juntos para a classe. Com a pandemia, este contexto ficou mais difícil e intenso. Teremos as atividades culturais pós-pandemia sem aglomerações, somente via streaming, mas depende do orçamento da cultura e da vontade de inovar. O candidato que disser que tem a solução pronta e que resolverá este desafio está mentindo. Este é um trabalho a

ser feito em conjunto com os artistas da cidade, a Secretaria de Cultura e o

próximo líder do Executivo”.

O Imparcial: Em sua opinião, quais são os principais desafios para a próxima legislatura na pós-pandemia?

Henrique: “Os desafios são muitos! Tudo é novo e a cidade ainda passará por grandes mudanças de comportamento. O novo Legislativo de Araraquara precisa de pessoas que tenham vontade para solucionar e não apenas fazer média. Mesmo com a cidade em desenvolvimento, há muito o que fazer. Vou citar apenas dois exemplos: políticas públicas para a população idosa, precisamos avançar nestas ações; sobre trânsito e transporte, é urgente o planejamento de ciclovias em vias públicas, além de melhorar o transporte público, pois quem usa está encontrando

muitas dificuldades com horários e número de ônibus neste período de pandemia”.

O Imparcial: Dê uma mensagem aos eleitores e diga por que merece o voto do araraquarense.

Henrique: “Quem me conhece e sabe do meu trabalho à frente de conselhos e associações, sabe que sou objetivo nas causas para a melhoria de Araraquara. Minha meta, esteja onde eu estiver, é desenvolver ações que melhorem o coletivo. Tudo o que já fizemos como, por exemplo, as melhorias no Parque Infantil, o incentivo à cultura, a fiscalização da zeladoria e os trabalhos sociais que desenvolvemos na Rádio Comunitária do Selmi Dey poderá ser ampliado estando à frente de um mandato na Câmara. E, independente do resultado das urnas, estaremos sempre atentos às políticas públicas de Araraquara”, finalizou.