Deputado Estadual Douglas Garcia, um jovem conservador

599
O deputado eleito Douglas Garcia pretende defender pautas conservadoras na ALESP

Suze Timpani

Eleito pelo PSL como deputado estadual mais novo na ALESP, Douglas Garcia tem 24 anos, é da capital paulista e faz parte da Direita São Paulo onde fará parte da bancada conservadora.

Em Araraquara ele obteve 614 votos, contando com a ajuda de sua milit√Ęncia na cidade. Dentre elas a Direita S√£o Paulo – Araraquara, comandada por Rodrigo Ribeiro que a partir do pr√≥ximo ano ser√° assessor parlamentar do deputado na cidade. Garcia entende que √© necess√°rio ter pessoas comprometidas com suas pautas nos locais onde teve vota√ß√£o, ‚Äúum deputado Estadual pode ter de 16 a 32 assessores, eu terei cerca de 20, para que consiga representar as cidades a qual tive vota√ß√£o expressiva‚ÄĚ, sua vota√ß√£o no estado foi de 74.351, sendo o sexto mais votado do partido.

Nesse ultimo sábado, Garcia esteve na cidade para agradecer os votos a ele empenhados e também visitar vereadores para saber o que a cidade necessita nesse momento.

O deputado participou de reuni√£o na C√Ęmara Municipal com o vereador Elias Chediek (MDB) para saber das prioridades da cidade e deixou claro que as portas de seu gabinete estar√£o abertas, seja para emendas parlamentares ou parte estrutural, al√©m de sa√ļde e educa√ß√£o. Na reuni√£o tomou conhecimento do projeto Parque dos Trilhos onde o vereador pretende implantar o Ve√≠culo Leve sobre Trilhos (VLT) e disse que pretende trabalhar para sua implanta√ß√£o, inclusive articulando com ministros e governo Federal, j√° que faz parte do mesmo partido e tem livre acesso.

Para Douglas a pol√≠tica j√° apresenta melhoras devido √† renova√ß√£o feita para a pr√≥xima legislatura, ‚Äúpessoas que gastaram milh√Ķes n√£o se elegeram eu gastei em minha campanha R$ 3.500, foi considerada a mais barata do Brasil para deputado Estadual. N√£o necessitei ter a mesma conduta da velha pol√≠tica para angariar votos, as pessoas hoje querem controlar os pol√≠ticos e os que entenderam que o pol√≠tico deve servir ao povo √© que foram eleitos‚ÄĚ.

Douglas √© de certa forma um parlamentar pol√™mico e j√° se envolveu antes mesmo de assumir, em um entrevero com o atual deputado Estadual do PSOL Carlos Alberto Giannazi, que chamou uma audi√™ncia p√ļblica para falar mal do projeto ‚ÄúEscola sem Partido‚ÄĚ. Segundo ele ‚Äún√£o se convoca uma audi√™ncia p√ļblica para falar mal e sim para saber a opini√£o do povo a respeito do projeto, ent√£o procurei o deputado Giannazi e disse que todos que fariam parte da mesa eram contra o projeto, inclusive a deputa eleita Maria Izabel Noronha, a Bebel (PT) da Apeoesp. Pedi a oportunidade de defender o Escola sem Partido, nem que seja ocupando uma cadeira na mesa, mas, n√£o fui sequer atendido por ele. No dia da audi√™ncia fui at√© o plen√°rio sozinho, para conversar com o deputado pedir a oportunidade de falar, mas para garantir minha integridade fui filmando com meu celular, mas ele se ‚Äúenfezou‚ÄĚ, me agarrou pelo palet√≥ e me chacoalhou, quando uma senhora que estava l√° (Ana Cl√°udia) come√ßou a gritar que ele estava me agredindo. Giannazi ficou ainda mais nervoso e jogou o microfone que estava em sua m√£o nela, atingindo-a, onde ela fraturou o bra√ßo e ficou 15 dias com gesso e atestado m√©dico. Eu fui at√© a delegacia, onde registrei BO e a senhora tamb√©m o fez. Vou processar o deputado dentro e fora da Assembleia e o processo vai para o conselho de √©tica. Foi uma situa√ß√£o que poderia ter sido evitada se o deputado tivesse ao menos me ouvido quando eu o procurei‚ÄĚ, disse o deputado.

Douglas acredita que o programa Escola sem Partido ser√° aprovado em S√£o Paulo, pois j√° tem maioria favor√°vel e n√£o entende o projeto como censor e sim que os professores precisam tratar de pol√≠tica em sala de aula de forma neutra, colocando sempre pluralidade de ideias, pensamento cr√≠tico e acima de tudo liberdade de pensamento e express√£o aos alunos. ‚ÄúQuem n√£o deve tomar partido √© o agente p√ļblico‚ÄĚ, afirma Douglas.

Outra mudan√ßa na Alesp pode chegar com o nome de Janaina Pascoal (PSL), concorrendo √† presid√™ncia da casa, segundo Douglas a Assembleia hoje √© um enorme cabide de emprego que Janaina tem a inten√ß√£o de colocar um fim, tirar tamb√©m o poder do col√©gio de l√≠deres que na sua vis√£o usurpa o papel do plen√°rio decidindo quais pautas devem ir para vota√ß√£o, quer acabar tamb√©m com √≥rg√£os que n√£o sejam regimentais, deixando a casa mais enxuta, para que a popula√ß√£o pare de pagar uma Assembleia cara e sem produtividade. ‚ÄúHoje a C√Ęmara de Araraquara produz mais que a Alesp, para se ter uma ideia‚ÄĚ, afirmou.

O deputado pretende defender em seu mandato pautas conservadoras, como: ¬†Escola sem Partido, proibir a ideologia de g√™neros, aborto, cortar repasses de dinheiro p√ļblico para agendas LGBT, movimento negro, movimento feminista e colocar o dedo na ferida do ativismo judicial que, segundo ele, toma conta do Minist√©rio P√ļblico. Quer tamb√©m reduzir impostos estaduais, burocracias e trabalhar por privatiza√ß√Ķes, para aquecer a economia, garantindo assim que todos tenham acesso a postos de trabalho, educa√ß√£o, sem criar desigualdades e acirramento entre classes. Defende tamb√©m a reforma na educa√ß√£o colocando fim no ‚Äús√≥cioconstrutivismo‚ÄĚ de Paulo Freire e progress√£o continuada, militariza√ß√£o da escola p√ļblica, onde alunos devam conviver com respeito e disciplina.