Ana Paula vê aumento do número de candidatas como conquista, mas quer mais

“Não dá mais para ter políticos de fachada, precisamos de pessoas que coloquem a mão na massa, de governos técnicos e não populistas”, disse a candidata a vereadora Ana Paula Guarati

116

José Augusto Chrispim

As eleições municipais deste ano terão um aumento significativo de mulheres concorrendo tanto ao Legislativo como ao Executivo em todo o país. E, em Araraquara, a situação não é diferente. Entre tantas mulheres que almejam uma maior presença feminina na política, o Jornal O Imparcial destaca hoje a educadora Ana Paula Guarati (PSB).

Por mais de 20 anos atuando na área da Educação, a araraquarense, de 50 anos, acredita que o número maior de mulheres concorrendo nestas eleições trará grandes mudanças no cenário político municipal. Ela, que concorre pela primeira vez a uma vaga na Câmara Municipal de Araraquara, vê a área da Educação municipal bem qualificada, porém, acredita que falta incentivo aos profissionais.

Ana Paula falou sobre suas expectativas e as pautas que pretende defender, caso seja eleita vereadora. Veja a entrevista na íntegra.

O Imparcial: Qual é a sua expectativa para as eleições em Araraquara?

Ana Paula: “A crise do Covid-19 jogou a humanidade diante de um desafio extremo, assegurar a sobrevivência ou salvar a economia, esse debate polarizou as instituições políticas e a sociedade como um todo, colocando à prova as lideranças públicas, que precisam estar preparadas no trabalho de mitigação das consequências e, no planejamento de recuperação e volta gradativa. Não existe mais espaço para política de fachada, é necessário ação de nossos representantes, se faz essencial uma liderança que tranquilize e garanta a proteção das coisas que são caras às pessoas, que conclamem a sociedade a unir esforços. As renovações são imprescindíveis, trazendo novas perspectivas e ideias, outra expectativa

muito benéfica foi trazida pela EC nº 97/2017 que determina a cota de gênero feminino em 30% para cada partido, e não mais da coligação, incentivando a participação e elevando o número de mulheres candidatas, o que será uma grande mudança nos cenários políticos municipais”.

O Imparcial: Qual é a sua principal motivação para se candidatar a uma vaga no Legislativo?

Ana Paula: “Tenho uma carreira bem sucedida na Educação, que me rendeu muitas alegrias e conquistas; na Direção escolar, pude observar a diferença que um equipamento público bem gerenciado pode influir positivamente na comunidade local, é necessário levar esse dinamismo para o macro e assim alcançar mais pessoas, que se beneficiarão da proatividade do setor público; outro fator foi o início do curso de Direito em 2019, onde despertou meu interesse pelo processo de criação das leis e como elas têm o poder de ampliar os direitos e garantias individuais e coletivos, esse interesse levou-me a querer participar mais das decisões da minha cidade. Acredito que a candidatura de mulheres é benéfica para a sociedade no sentido de mudança dos paradigmas de que, tanto homens como mulheres têm condições iguais de levar adiante projetos bem sucedidos, e também desejam ser representados politicamente em suas especificidades”.

O Imparcial: Qual é o seu principal projeto, caso se eleja vereadora? E quais bandeiras você defende?

Ana Paula: “Como vereadora, meu trabalho precípuo será acompanhar a execução e aplicação da receita pública para que a mesma cumpra a sua finalidade social, ou seja, onde o executivo vai gastar o dinheiro público, se é de interesse da população determinados projetos, se é relevante socialmente, se ameniza as desigualdades em nosso município, se os valores pagos nas licitações estão adequados, se as obras estão em conformidade na questão de qualidade e valores. Reafirmando meu compromisso de bom trato dos recursos públicos, pretendo trabalhar para

que haja uma conscientização dos colegas da Casa de Leis, na contenção das despesas, lutando por uma gestão responsável do recurso público, visto que a arrecadação de receitas caiu durante a pandemia e em respeito aos quase 13 milhões de desempregados no Brasil. Pretendo dialogar com os diversos setores a fim de criar políticas que possibilitem a desburocratização e a criação de regras de incentivo ao desenvolvimento do turismo e geração de empregos nesse segmento, com estímulo a astronomia local, visando o desfrute do patrimônio cultural, histórico e social de nossa cidade. Na área da Educação, pretendo fazer indicações ao executivo da construção nos bairros de Centros de Educação Complementar, para crianças de 06 a 14 anos, trazendo mais tranquilidade aos pais trabalhadores dos aluno egressos da educação infantil de período integral. Na área da saúde, observamos que não há políticas municipais de relevância direcionada aos idosos que garantam uma cidade acessível e que assegure um envelhecimento saudável e produtivo, pretendo trabalhar no incentivo a ampliação do programa Centro Dia do Idoso, previsto na política nacional para idosos, para pessoas com mais de 60 anos que necessitam de cuidados durante o dia e a noite voltam para suas famílias, mantendo o vínculo familiar, além dos cuidados, os centros desenvolvem atividades, lúdicas, culturais, tecnológicas que propiciam a autonomia e socialização além de prevenir situações de risco quando o idoso permanece sozinho em casa”.

O Imparcial: Como educadora, como você vê a rede municipal de Educação de Araraquara? Como vereadora, você acredita que poderia contribuir de alguma forma com essa área?

Ana Paula: “A educação municipal conta com um quadro de excelentes profissionais, nos diversos segmentos, sendo uma rede já consolidada, para que continue avançando em qualidade, se faz necessário investimentos na formação continuada de todos que atuam dentro da escola, da portaria até a Direção, projetos em parceria com o governo federal que possibilitem a

aquisição, desenvolvimento, criação, aplicação de novas tecnologias e metodologias voltadas ao ensino e à modernização da gestão educacional. Infraestrutura física que é importantíssima, sendo necessário a implantação de um cronograma de zeladoria das Unidades, para que não se deteriorem. É necessário a criação de políticas de incentivo e de progressão funcional para o quadro da Educação, no sentido que atraiam bons profissionais

para a Pasta e dê condições aos que nela já atuam, o ofício de professor exige muito do ser humano, emocionalmente falando, é necessário criação de programas que previnam o adoecimento da classe. Como vereadora, posso contribuir dialogando com a rede e fazendo a representação frente ao

Executivo das necessidades elencadas, além de uma maior atenção aos projetos que tratem da educação e de seus servidores, posso auxiliar nas ações de planejamento para recuperar o andamento das políticas de aprendizagem dos alunos, na pós pandemia, momento que exigirá

a preparação da rede para a volta às aulas, com respostas às novas e excepcionais demandas, há muito trabalho a ser feito para que esse ano não seja perdido. Também irei lutar por mais recursos para a pasta da Educação, durante o debate e votação do orçamento anual do Município”.

O Imparcial: Em sua opinião, quais são os principais desafios para a próxima legislatura na pós-pandemia?

Ana Paula: “2020 foi um ano de inúmeras mudanças para todos devido a pandemia, os reflexos desses acontecimentos irão reverberar por muito tempo em nossa sociedade, seja economicamente ou na maneira como nos relacionamos com os outros, a retomada exige pessoas tenazes no governo de nossa cidade, que tenham força para apontar diretrizes e ação para colocá-las em prática, precisamos escolher nossos representantes avaliando a capacidade individual de gerenciamento de crise. A devastação causada na saúde e na economia pelo Covid-19, terão reflexo nas receitas públicas, exigindo que os próximos governos sejam inteligentes no momento de definir os gastos públicos, elencando as prioridades, isso exige alta representatividade do cidadão, para ter suas necessidades ouvidas, debatidas e encaminhadas, não dá mais para ter políticos de fachada, precisamos de pessoas que coloquem a “mão na massa”, de governos técnicos e não populistas”.

O Imparcial: Você acredita em uma maior participação feminina na Câmara Municipal de Araraquara na próxima legislatura? Como você vê o papel da mulher na política?

Ana Paula: “Não só acredito como já estamos vivenciando nessas eleições de 2020 que, marcam um recorde de candidatas mulheres, embora esse avanço signifique uma maior proporção que nas eleições de 2016, ainda é um número pífio, haja vista o número de mulheres postulantes ao cargo de prefeitas. Nos últimos anos houve uma progressão no debate em torno das questões femininas e do direito das mulheres, e o Brasil está no 3º lugar no ranking da América Latina, de representação feminina na política, essa sub-representação gera consequências que se refletem, principalmente, na idealização, construção e execução de políticas públicas que considerem as questões do ser mulher. Somos a maioria do eleitorado, temos participação

ativa na economia e na sociedade, somos responsáveis por 40% dos lares brasileiros, não há profissão que não possamos desempenhar com competência e eficiência, não queremos o lugar de ninguém, só desejamos ocupar o nosso espaço de direito”.

O Imparcial: Você acredita na força da dobradinha Nino Mengatti (PSB) /Pedro Baptistini (PDT) para evitar a reeleição de Edinho Silva?

Ana Paula: “A parceria Nino e Pedro vem com o propósito de entregar à população o que é seu por direito, independente de questões político-partidárias, tem intenção de otimizar os serviços públicos, de se aproximar da população dando mais voz para o povo, de otimizar os gastos públicos, que restam escassos; eles têm energia, habilidade e conhecimento político, são qualificados, portanto acredito que o Nino e o Pedro estejam suficientemente preparados para governar Araraquara, com tranquilidade, sabedoria e leveza”.

O Imparcial: Dê uma mensagem aos eleitores e diga por que merece o voto do araraquarense.

Ana Paula: “Caros eleitores de Araraquara, vocês são os agentes ativos da mudança, as eleições municipais desse ano determinarão os próximos quatro anos, estamos vivenciando uma crise mundial, motivo pelo qual você deve fazer sua opção de modo consciente e com seriedade, seu voto contribuirá para que as ideias saiam do papel e ganhem dimensão, que nossa cidade continue a crescer e se modernizar, não deixe que a desmotivação, falsas promessas e candidatos ruins, afaste você da grande conquista da democracia que é o direito ao voto, exija que seu candidato reveja suas propostas, suas posturas e seus valores, embora sejamos obrigados a reconhecer que a conduta de alguns dos nossos representantes desestimula o eleitor, entendemos que é preciso votar. Não podemos pensar que todos os candidatos são iguais. É preciso saber escolher e isso exige consciência política. O eleitor consciente é aquele que conhece a história dos candidatos e dos partidos, analisa as propostas, não vende seu voto e reconhece o seu direito de votar. Ele sabe que ser cidadão implica participar ativamente e refletir sobre as ações e atitudes dos seus representantes. Entende que votar é um meio de participar, influir e assumir responsabilidade na vida política do país. Sabe que não basta votar, pois compreende ser preciso votar conscientemente, estando seguro de que o

seu candidato será o melhor para o progresso da nossa cidade”, finalizou.