Livro ‘Protagonismo Negro em São Paulo’ é lançado em Araraquara

7

Nas páginas dos livros e nas aulas de história, nos acostumamos a ver a população afro-brasileira retratada dentro do signo da escravidão. Essa condição marcou e marca de forma indelével a experiência dos negros no Brasil, mas a trajetória pós-abolição, ainda pouco abordada na historiografia nacional, revela a construção de uma identidade própria para essa população,que escapa das análises eurocêntricas.

Petrônio Domingues traz uma importante contribuição para esse debate, no lançamento do livro ‘Protagonismo Negro em São Paulo: história e historiografia’, (Edições Sesc São Paulo). Domingues demonstra os equívocos da visão de que, após 1888, os negros passaram a viver em condição de anomia – estado de desorganização pessoal que resulta numa individualidade desorientada, desvinculada do padrão do grupo social.

Partindo da análise crítica de estudos e pesquisas, o autor revela como as mulheres e os homens negros lutaram para manter a rédea de suas vidas, enfrentando os desafios do destino, desenvolveram gramáticas culturais e repertórios políticos próprios, foram protagonistas de vários projetos de liberdade e cidadania, forjaram trajetórias, tramas e narrativas multifacetadas, desempenharam múltiplos papéis sociais e construíram experiências identitárias singulares. Em vez de anômicos, devem ser vistos como pessoas que assumiram uma postura diferente dos comportamentos, paradigmas e valores dominantes. Em suma, procuraram exercer sua capacidade de autodeterminação.

Na introdução, Domingues relembra a história de Antonio Ferreira Cesarino Júnior. Nascido em uma família afrodescendente pobre, Cesarino se formou, fez doutorado e foi professor catedrático de direito social na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, consagrando-se na área do direito do trabalho.

Para o historiador, a trajetória de Cesarino não só rompe com os estereótipos tradicionalmente imputados aos afro-brasileiros como serve de janela para entrever aspectos importantes do protagonismo negro.

A seguir, o livro desenha um amplo panorama do protagonismo negro em São Paulo durante o século XX. O primeiro capítulo refuta a tese da anomia social da população negra, que até a década de 1970 permeou as principais pesquisas sobre o período pós-abolição. Domingues argumenta que essa visão parte de uma visão essencialista da sociedade, que desconsidera maneiras de viver, pensar e agir diversas das concebidas pela elite de origem europeia. O capítulo seguinte aborda os “desafios pungentes” da agência afro-paulista, analisando raça e classe no mundo do trabalho; os “homens de cor” nas instituições políticas; ativistas e intelectuais negros nas associações e nos jornais; os clubes e bailes black; e as irmandades dos “homens pretos”. Discute a imagem do negro na cultura popular, principalmente por meio do samba e dos blocos e cordões carnavalescos; revisita o protagonismo negro no campo educacional e acadêmico e na cultura erudita; e contrasta uma certa “elite de cor” letrada com os “pretos da plebe”.

O terceiro capítulo trata das tendências historiográficas no estudo das populações negras de São Paulo, analisando biografias das “pessoas de cor”; aprofunda a temática das mulheres negras e a intersecção entre os marcadores de raça e gênero; e elenca perspectivas historiográficas mais recentes, que valorizam a oralidade, a memória e as conexões transnacionais.

Nas considerações finais, Domingues reafirma que o que pesquisadores brancos identificavam como “anomia” dos negros paulistas era, na verdade, uma “visão alternativa da vida, balizada na busca da autonomia”. Por fim, mas não menos importante, o extensivo mapeamento bibliográfico que fundamenta a análise deve servir a estudantes e pesquisadores interessados nos diversos campos de atuação do negro paulista desde a Abolição. A intenção é, a um só tempo, apresentar fontes de estudo e instigar novas pesquisas.

Serviço
Lançamento do livro Protagonismo Negro em São Paulo, de Petrônio
Domingues

Bate-papo com o autor, seguido de sessão de autógrafos
Araraquara
Data: 21 de novembro de 2019, quinta-feira, 19h30
Local: Sesc Araraquara
Endereço: Rua Castro Alves, 1315
São Paulo
Data: 22 de novembro de 2019, sexta-feira, às 19h
Local: Sesc 24 de Maio – Espaço de Tecnologia e Artes (4º andar)
Endereço: Rua 24 de Maio, 109
Campinas
Data: 23 de novembro de 2019, sábado
Local: Sesc Campinas
Endereço: Rua Dom José I, 270/333

Sobre o autor
Petrônio Domingues é graduado, mestre e doutor em história pela Universidade de São Paulo (USP), com pós-doutoramentos pela Rugters – Universidade Estadual de Nova Jérsei, nos Estados Unidos, e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É professor de história na graduação da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e dos programas de pós-graduação em história (mestrado) e sociologia (mestrado e doutorado) na mesma instituição.