Domingo com Retalho Coletivo em Araraquara

64

Neste domingo, 3 de novembro, o p√ļblico do Sesc Araraquara pode conferir a performance Pode Passar, com o grupo Retalho Coletivo, que a partir de regras de improvisa√ß√£o e composi√ß√£o, gestos e dan√ßas, geram uma rea√ß√£o em cadeia evidenciando o potencial que o corpo tem ao se comunicar com tudo que est√° ao seu redor.
As 13h30, seis atores realizam improvisa√ß√Ķes misturando dan√ßa, teatro, circo e parkour. Os di√°logos corporais ocorrem a partir de interfer√™ncias da arquitetura local, dos transeuntes, dos objetos, dos sons e, √© claro, entre os pr√≥prios atores.

Espera-se que esta seja uma fagulha para a reflex√£o sobre a liberdade e potencialidade de movimenta√ß√£o dos corpos no espa√ßo. Os atores se colocam em situa√ß√Ķes anormais, explorando possibilidades de ocupa√ß√Ķes inusitadas. Corpos livres e vivos desenham no ambiente movimentos que v√£o al√©m das a√ß√Ķes do cotidiano como sentar, deitar e andar.

O extenso per√≠odo de ensaios aliado √† larga experi√™ncia das t√©cnicas corporais dos atores permite que eles mantenham sustentada, durante toda interven√ß√£o, uma energia pulsante. Os olhares, as rea√ß√Ķes e a sintonia do grupo s√£o marcas fortes deste trabalho.

Estreada no in√≠cio 2017, Pode Passar foi realizada nas ruas do centro e na USP de S√£o Carlos, no centro de S√£o Paulo em uma parceria com o pessoal do Faroeste e no Sesc Bauru. Em 2019 esteve presente no FRINGE Curitiba e foi realizada em tr√™s dias em locais diferentes da cidade. Tamb√©m esteve presente na 7¬į Mostra de Teatro do Grupo Galhofas de Descalvado.

 

Retalho Coletivo

Coletivo criado em 2016, re√ļne artistas de S√£o Carlos com experi√™ncia em teatro, dan√ßa e circo. As performances Pode Passar e Numa caixa nua e crua foram as primeiras cria√ß√Ķes do coletivo, em 2017, que identificou a pesquisa do corpo e sua express√£o enquanto protagonista nas encena√ß√Ķes. No mesmo ano, o coletivo criou mais duas performances, A retomada do corpo, para evidenciar e debater a tem√°tica da sexualidade a partir do ponto de vista do direito; e Batalha por alimentos sem veneno, apresentado na abertura da 1¬į Semana de Org√Ęnicos da cidade de S√£o Carlos no Teatro Municipal. Al√©m disso, estreou o espet√°culo itinerante em dan√ßa-teatro Esta√ß√£o S√£o Carlos que conta uma parcela da hist√≥ria da cidade a partir de entrevistas feitas com moradores de diferentes regi√Ķes da cidade. Na TEIA – casa de cria√ß√£o que √© compartilhada com outros 5 coletivos, o Retalho mant√©m todas suas atividades: realiza ensaios e pesquisa, oferece aulas e oficinas do universo das artes c√™nicas e promove o evento Cabar√© do Retalho,que est√° em sua sexta edi√ß√£o. Este evento se consolidou como um espa√ßo poss√≠vel para artistas da cidade e regi√£o apresentarem e testarem n√ļmeros durante uma festa tem√°tica. Atualmente o coletivo est√° desenvolvendo seu segundo espet√°culo, ECO, com dramaturgia de N√°dia Stevanato e previs√£o de estreia para 2020.

 

Serviço
Espet√°culo Pode Passar
Dia: 3/11, domingo
Hor√°rio: 13h30
Local: hall de entrada da unidade
Classificação: livre
Gr√°tis, sem retirada de ingressos.