Vigilância em Saúde planeja novos mutirões de combate à dengue nos bairros

Número de fêmeas do Aedes aegypti capturadas pelo sistema de armadilhas dobrou em uma semana, aumentando o alerta em algumas regiões de Araraquara

32

A Coordenadoria de Vigilância em Saúde, responsável pela Vigilância Epidemiológica, planeja novos mutirões de combate à dengue nas próximas semanas, com o objetivo de recolher materiais inservíveis que possam se tornar criadouros do mosquito Aedes aegypti.

O primeiro deles será no sábado da próxima semana, dia 14, das 8h às 12h, na região do Jardim Maria Luiza. A relação completa de ruas e avenidas a serem percorridas pelos agentes ainda serão divulgadas.

Dados do sistema MI-Aedes (Monitoramento Integrado do Aedes aegypti) mostram que a captura de fêmeas do mosquito da dengue dobrou nesta semana em relação à semana passada: 119 contra 63.

Com o MI-Aedes, as equipes da Vigilância têm acesso, por meio da internet, a um mapa interativo que mostra quais as regiões da cidade com maior e menor incidência do mosquito transmissor da dengue, da chikungunya e do zika vírus.

Isso foi possível com a instalação de 918 armadilhas em residências espalhadas por toda Araraquara. Diariamente, servidores da Vigilância visitam esses locais para conferir se fêmeas adultas do Aedes foram capturadas. Essas informações são incluídas no sistema pelos agentes por meio de tablets.

Os dados disponíveis no sistema colocam em alerta as regiões dos seguintes bairros: Jardim Maria Luiza, Residencial Dahma 1, 2 e 3, Jardim Roberto Selmi Dei, Jardim das Estações, Jardim Santa Clara, Jardim Brasil, Vila Santa Maria, Jardim Eliana, Jardim dos Flamboyants, Jardim Cambuy, Residencial Lupo, Jardim Morumbi e Jardim Santa Lúcia.

“Esses bairros concentram o maior número de capturas das fêmeas do Aedes aegypti. A população deve redobrar a atenção. Também já pedi para a fiscalização intensificar as visitas em terrenos, casas abandonadas e serviços de reciclagem”, afirma o coordenador de Vigilância em Saúde, Rodrigo Ramos.

Os moradores devem vistoriar suas residências para encontrar objetos e outros materiais que, durante as chuvas de verão, possam acumular água e se tornar criadouros do Aedes, como pneus, vasos de plantas, garrafas, baldes e vasilhas. Também é recomendado olhar a caixa d’água, calhas, ralos, sacos plásticos, lixo, entre outros locais.