Trabalhadores da Santa Casa de Araraquara podem entrar em greve este mês

Um protesto estava marcado para a última terça-feira (29), mas acabou sendo desmarcado pelo sindicato da categoria

28

Na manhã desta quinta-feira (1), o Sindicato dos Trabalhadores nos Estabelecimentos de Saúde (Sinsaúde) divulgou, em rede social, que os trabalhadores da Santa Casa de Araraquara entrariam em greve no próximo dia 14 de outubro. Na semana passada, a reportagem do O Imparcial conversou com representantes do sindicato que anunciaram que na última terça-feira (29), os funcionários do hospital fariam um manifesto em frente à Santa Casa, durante a troca de turno pela manhã. Porém, a manifestação foi cancelada, pois os sindicalistas não conseguiram permissão do setor de trânsito municipal para interromper o tráfego de veículos no local.

De acordo com o Sinsaúde, o ato seria um pedido de socorro dos profissionais da saúde que buscam salários e condições dignas para continuar cumprindo a missão de cuidar da população.

Segundo a Subsede do Sinsaúde em Araraquara, os profissionais da Santa Casa recebem os piores salários da região e a administração da empresa tem ignorado as reivindicações da categoria. “Nesta época de pandemia a Santa Casa de Araraquara já recebeu verba federal de quase R$ 3 milhões, mas nada vai para os funcionários. Queremos que o hospital assine o Acordo Coletivo de Trabalho com benefícios que façam a diferença na vida dos trabalhadores que estão há dois anos sem reajuste no tíquete-alimentação, com salários defasados e até o momento não tiveram qualquer reconhecimento pela constante dedicação a instituição e a população”, diz nota enviada à reportagem de O Imparcial.

Ainda de acordo com o sindicato, a direção do hospital não oferece qualquer índice de reajuste nos salários e apenas R$ 50,00 no vale- alimentação. “É muito pouco diante da necessidade dos trabalhadores da saúde”, destaca. O sindicato lembra que a data-base da categoria é junho e quatro meses depois, os funcionários ainda não têm sua Campanha Salarial concluída. “Já tivemos atrasos nas negociações em virtude da pandemia, mas se a gente contasse com um mínimo de sensibilidade por parte da administração, certamente que já teríamos concluído e assinado o Acordo”, relatou.

Os profissionais também reivindicam o direito ao adicional de insalubridade em grau máximo (40%) e também condições dignas de trabalho.

O que diz a Santa Casa

“A Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Araraquara, comunica que há meses vem incansavelmente reformulando e ampliando suas propostas para pactuação do Acordo Coletivo de Trabalho junto ao Sindicato dos Trabalhadores nos Estabelecimentos de Saúde de Campinas – Subsede de Araraquara, não se furtou em negociar e tendo apresentado neste período mais de três propostas, sendo as últimas, inclusive, suficientes a restituir a defasagem causada pela inflação e a garantir aumento real aos colaboradores (situação que muitas instituições não estão conseguindo realizar) expondo  ainda de forma clara e transparente os números das dívidas milionárias acumuladas pela Instituição em decorrência da falta de repasses públicos por serviços prestados ao SUS e privados que  inviabilizam o atendimento das exigências no momento pleiteadas pelo sindicato, ou majoração da última proposta apresentada, que garantiria um aumento de mais de 30% sobre o vale alimentação hoje fornecido aos colaboradores.

Durante todo o processo de negociação a Santa Casa se mostrou solícita, transparente e pacífica, ressaltando que valoriza o trabalho realizado por seus colaboradores e que, durante todo esse ano tem tentado, mesmo com todas as dificuldades financeiras com a falta de recebimentos e aumentos nos preços dos materiais e medicamentos em meio a uma pandemia, garantir um ambiente de trabalho saudável, ofertando suporte psicológico, não procedendo com a redução de salários e jornada ou mesmo de suspensão de contratos, adiantando o dia do pagamento quando possível e tomando todas as medidas de segurança necessárias para resguardar a saúde de seus colaboradores durante o enfrentamento da pandemia da Covid-19.

Contudo, as exigências realizadas pelo sindicato no momento ultrapassam por completo as condições financeiras da Instituição e não apresentam sinergia e preocupação com a sustentabilidade do emprego, e aceitá-las poderá comprometer o fiel e regular  pagamento dos salários e benefícios de seus empregados, bem como a manutenção do número de vagas de emprego atualmente ofertadas. Ademais, lembramos que a entidade, mesmo com todas suas dificuldades, oferta além do salário, plano de saúde e vale alimentação, benefícios esses que poucas empresas garantem a seus colaboradores.

No mais, ressaltamos nosso total desapontamento com a pretensão do sindicato de, em meio a uma pandemia mundial, pretender paralisar as atividades do hospital,  que atende inclusive pacientes em estado grave acometidos pela covid-19 e demais patologias, o que comprometerá o atendimento à saúde pública prestado a 23 municípios da região além de Araraquara, e, nesse sentido, informamos  que serão tomadas todas as medidas necessárias e cabíveis para evitar o potencial dano que poderá ser causado à população pela referida paralisação”, diz a nota assinada pela Diretoria da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Araraquara.

Foto: O Imparcial