Novas conselheiras dos direitos da mulher tomam posse

41

Na tarde de terça-feira (29), na sala de reuniões da Prefeitura, ocorreu a cerimônia de posse do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher para o próximo biênio. A vereadora Thainara Faria (PT) representou oficialmente a Câmara Municipal. “Que bom que em nossa cidade podemos contar com um Conselho dos Direitos da Mulher”, comemorou em seu discurso. “Que bom que temos mulheres discutindo políticas públicas para mulheres. Isso é muito importante, ainda mais neste momento, em que o Brasil passa por um momento de desmonte de políticas públicas. Se não estivermos organizadas, o grupo que tira direitos se fortalece. Obrigada pela doação do tempo de cada uma de vocês.”

O prefeito Edinho Silva (PT) falou da sua luta cotidiana contra o machismo. “Procuro me fiscalizar e empenhar muito, porque somos educados a vida inteira para nos portamos ‘como homem’, com esse peso cultural. Porém acredito muito nessa saga da construção da igualdade.” Para comprovar sua convicção, citou números: “Temos 14 secretarias, das quais 10 são ocupadas por mulheres, isso sem contar todas as coordenadorias e assessorias. Não tenho dúvida de que estamos dando um passo importante para a concretização da igualdade”.

A secretária de Planejamento e Participação Popular, Amanda Vizoná, elogiou a atuação do grupo. “É um conselho no qual eu me reconheço e me vejo representada”, declarou, citando progressos alcançados nos últimos anos. “Saímos de um bairro de difícil acesso para uma mansão no Centro da cidade. As mulheres na Casa Abrigo comiam graças a doações de supermercados, e hoje a Prefeitura compra alimentos frescos para que elas preparem as suas refeições. São conquistas importantes. O caminho não foi fácil, mas a gente batalha e resiste”, acrescentou.

A presidente do Conselho, Mariana Tezini, ressaltou a importância da participação das mulheres na política. “Os últimos dois anos foram de muito aprendizado, ainda mais para nós que não somos do meio político, este ambiente ‘meio esquisito’. Mas o Conselho é aberto. Temos o direito de estar aqui e precisamos estar aqui.”

A presidente do Conselho Municipal de Combate à Discriminação e ao Racismo (Comcedir), Rita de Cássia Ferreira, destacou que “somos arrimo de família, estamos na batalha diária e sempre participando das políticas públicas. O Conselho precisa estar em todos os lugares, em todas as casas, com todas as mulheres araraquarenses”.

 

Vários setores representados

O Conselho Municipal dos Direitos da Mulher é um órgão colegiado, paritário, consultivo, fiscalizador e deliberativo, que tem como objetivo formular e desenvolver políticas, planos, diretrizes, programas e projetos relacionados às políticas para as mulheres.

Entre as integrantes do Conselho, estão representantes das secretarias municipais, de entidades de promoção de igualdade racial, de organizações não governamentais de atendimento ou defesa dos direitos da mulher, do Orçamento Participativo (OP), do Grupo de Apoio e Solidariedade a Portadores do Vírus HIV de Araraquara (Gaspa), de entidades de atendimento a pessoas com deficiência, da Diretoria Regional de Ensino da Secretaria de Estado da Educação, do Fundo Social de Solidariedade, da Fungota, da Unesp, da Uniara, da OAB, do Sismar, do Centro de Referência do Idoso de Araraquara (Cria), do Ambulatório da Saúde da Mulher e de Gestação de Alto Risco, da rede básica de saúde e da Delegacia de Defesa da Mulher da Secretaria de Estado de Segurança Pública.