Defesa Civil faz alerta contra aumento de queimadas

Em Araraquara, denúncias anônimas sobre incêndios em terrenos baldios podem ser feitas pelo telefone 0800-7701595

16

Por conta do período de estiagem, as queimadas precisam ser evitadas nas zonas urbanas e rurais de Araraquara, já que os problemas respiratórios que elas provocam nas pessoas podem ser ainda mais graves com a pandemia.

O apelo e o alerta são da Defesa Civil, que junto com a Diretoria de Gestão Ambiental do Daae (Departamento Autônomo de Água e Esgotos) e o setor de Postura da Prefeitura, entre outros órgãos públicos, atua visando coibir a prática criminosa de incêndios, que normalmente atingem terrenos baldios abandonados, e até canaviais.

Segundo Luiz Del acqua, da Gerência da Defesa Civil de Araraquara, somente entre os meses de maio e julho deste ano foram registradas 93 ocorrências de incêndios no município.

Em entrevista ao programa ‘Canal Direto com a Prefeitura – Especial Coronavírus’, na terça-feira (28), via Facebook da Prefeitura, Del acqua ressaltou que os números registrados pelo Corpo de Bombeiros apontam para um aumento mais de 20% nas ocorrências este ano, em relação aos mesmos meses de maio e julho de 2019, quando foram registradas 75 ocorrências.

A zona norte de Araraquara tem registrado o maior número de queimadas, principalmente nas regiões dos Jardins Selmi Dei e Indaiá, embora elas tenham ocorrido também nos bairros Vale do Sol, Águas do Paiol e Jardim São Bento, a sudoeste da cidade.

Segundo Del acqua, o setor de Gestão Ambiental do Daae tem autuado donos de imóveis mal cuidados, a partir de denúncias feitas por moradores vizinhos. A denúncia pode ser feita no anonimato, através do telefone 0800-7701595.

Luiz também destacou o trabalho de prevenção realizado em Araraquara pelo setor de Posturas da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos, que autua donos de terrenos com mato alto.

Conscientização

A Defesa Civil também trabalha ao longo do ano em ações de conscientização junto à população, para alertar sobre os riscos dos incêndios criminosos, além da implantação do Plano de Contingência – Operação Estiagem, no período de maio a setembro, que envolve vários órgãos públicos e a sociedade civil.

E apesar de as palestras nas escolas terem sido suspensas por causa do coronavírus, são distribuídos panfletos e afixados banners e instalados outdoors pela cidade para reforçar o alerta, incluindo a zona rural e com números de telefones para denúncias.

Ainda de acordo com Luiz Del acqua, a Prefeitura vem fazendo a sua parte com a manutenção dos próprios terrenos, com trabalhos de roçagem.

Vale destacar, segundo especialistas, que as queimadas urbanas podem agravar a saúde de quem já sofre com crise asmática e bronquite, entre outras doenças respiratórias.

A fumaça das queimadas ainda provocam tosse seca, dores e ardências de garganta, cansaço e dores de cabeça, sintomas similares aos da Covid-19, o que pode sobrecarregar as unidades de saúde.

Para este período, a dica é pela ingestão de bastante líquido, especialmente água, instalação de aparelhos umidificadores em casa, ou o uso de toalhas molhadas e bacias com água nos quartos, principalmente no período noturno.