Marchas e Contramarchas

137

Por Alessio Canonice

Sempre que se inicia um novo governo, notadamente em n√≠vel federal, reina expectativa por parte dos eleitores, aqueles que elegeram seus l√≠deres e novos governantes, com destaque √† figura do presidente da Rep√ļblica, j√° que tanto o sucesso como o insucesso recaem sobre a sua pessoa na condi√ß√£o de chefe de Estado.

N√£o poder√≠amos deixar de enfatizar nesta oportunidade a t√£o falada Reforma da Previd√™ncia Social, um dos projetos mais pol√™micos que a hist√≥ria do Poder Central registra em suas p√°ginas. Milh√Ķes apoiando essa iniciativa, enquanto alguns parlamentares e dirigentes partid√°rios pleiteiam algumas modifica√ß√Ķes, por√©m, tudo indica que o circo fechou e a reforma ser√° concretizada.

Quanto ao ministro Paulo Guedes, uma das figuras mais centrais e diretamente interessada nessa aprovação, chegou a incentivar o sistema de capitalização, mas está claro que esse intento já caiu por terra e essa ideia não será colocada em prática para a felicidade dos futuros brasileiros, aqueles que sonham um dia se aposentar.

Importante salientar que, aprovada a reforma enfocada, principalmente na opini√£o de Paulo Guedes, o Brasil voltaria a crescer em ritmo acelerado e se desenvolver a contento, por√©m, na ideia dos entendidos, n√£o √© o suficiente, j√° que existem outras prioridades essenciais para a expans√£o de todos os √Ęngulos de progresso, principalmente investimentos e incentivos ao mundo empresarial e industrial.

Já tivemos a oportunidade de frisar tempos atrás que o Brasil é uma espécie de campeão em matéria de arrecadar tributos de toda a natureza. Somente perdemos para Cuba, onde registrou 42% do PIB ( Produto Interno Bruto),um fato que impossibilita aos grandes investidores expandir seus negócios, enquanto permanecer essa política e esse peso da carga tributária.

√Č claro que, havendo a aprova√ß√£o definitiva da reforma previdenci√°ria, abre um leque para a expans√£o do crescimento econ√īmico, mas entendemos que outras reformas devam ser colocadas em pr√°tica, al√©m do investimento do mundo empresarial, desde que os homens que atuam no Congresso Nacional atentem para as necessidades mais l√≥gicas, visando um futuro promissor nesse campo e que venha ao encontro do desejo de toda a comunidade brasileira.

O presidente da C√Ęmara Federal, Rodrigo Maia, por exemplo, tem-se mostrado favor√°vel √† iniciativa do governo, para que a reforma previdenci√°ria se torne realidade, mas h√° muito interesse em jogo em toda essa emaranhada situa√ß√£o, conhecido como h√°bito de conduzir a pol√≠tica e os interesses que contribuem favoravelmente √†queles parlamentares que visam o que √© de melhor para eles.

De acordo com o andar da carruagem, n√£o se pode admitir, pelo menos de momento, que a atual administra√ß√£o em n√≠vel federal deixa a desejar, porque muita √°gua poder√° passar por baixo dessa ponte, onde se aguardam algumas inova√ß√Ķes, entre elas, a reforma pol√≠tica e alguma expectativa, embora remota em torno da reforma tribut√°ria, por√©m, achamos que, se tivesse que ser aprovada, j√° teria acontecido h√° muito tempo.

H√° de se esperar que novos tempos surjam, desde que o poder executivo esteja em sintonia com o poder legislativo, fazendo com que os projetos de suma import√Ęncia sejam levados a efeito, para dar maior alento ao desenvolvimento, portanto, n√£o havendo essa uni√£o, dificilmente teremos as boas iniciativas, capazes de levar avante as prioridades indispens√°veis de melhoria no √Ęmbito global.

Outro ponto a se destacar √© o fato de que, da mesma forma com a qual o presidente est√° sendo apoiado por um grupo de parlamentares, sempre h√° uma ala contr√°ria aos procedimentos administrativos, prova disso √© a rejei√ß√£o do uso de porte de armas de fogo, apesar de que vem ao encontro de milh√Ķes, mas n√£o vem ao encontro de outros. Nada adianta conceder ao cidad√£o o direito de ter sua arma se n√£o est√° apto a fazer uso dela.

Outras iniciativas do governo do atual presidente poder√£o ser esbarradas no Congresso Nacional, mesmo que sejam prioridades, mas a√≠ se travam as discuss√Ķes entre os parlamentares, sempre articulando os jogos de interesse tradicionalmente conhecidos de todos que est√£o ligados ao mundo pol√≠tico, mas acima de tudo est√£o os interesses da Na√ß√£o.