Vigilância em Saúde prossegue manejo de escorpiões no São Bento

Ação é importante para o controle da fauna de animais peçonhentos, principalmente, nos cemitérios tradicionais

33

Servidores municipais da Vigilância em Saúde, do Centro de Controle de Zoonoses e do cemitério São Bento realizaram trabalho noturno de busca ativa de escorpiões no maior cemitério de Araraquara, o São Bento, na quinta-feira (29). A ação ocorre desde 2019 em pontos previamente mapeados.

Durante a operação, o coordenador da Vigilância em Saúde, Rodrigo Ramos, ressaltou a importância do manejo de escorpiões para o controle da fauna de animais peçonhentos, principalmente, nos cemitérios tradicionais.

“No período de calor os escorpiões exercem mais atividades e emergem à superfície. Nós estamos, periodicamente, realizando busca ativa no cemitério para evitar acidentes com os visitantes”, afirma o coordenador.

A gerente Sandra Mendonça, do cemitério São Bento, alerta que “parentes ou responsáveis pelas sepulturas precisam efetuar reparos e manutenção para que os túmulos não tenham frestas ou espaços para que esses vetores possam se instalar e proliferar”.

Também nas residências, Rodrigo Ramos reforça que “a população deve colaborar vedando as frestas e formando sifões das pias, instalando telas e redes nos ralos e outras barreiras mecânicas para evitar que os escorpiões não adentrem as casas e causem acidentes”, aconselha Ramos.

Os escorpiões retirados do cemitério, bem como os demais coletados na cidade nas áreas urbana e rural, são catalogados e armazenados no Centro de Controle de Zoonoses, no Parque Pinheirinho, e quando atingem uma quantidade substancial são levados ao Instituto Butantan, em São Paulo, para produção de soro antiescorpiônico.

Ramos também destaca que Araraquara é referência no manejo da fauna sinantrópica e recebe animais peçonhentos da região. O coordenador orienta gestores de várias cidades do estado em cursos e palestras.

Além de Ramos, a operação na quinta-feira contou com o apoio do gestor de cemitério Luís Fernando Barroso; o fiscal municipal de controle de fauna sinantrópica Marcelo César Castagene, o sepultador João Benedito de Souza,  e o agente operacional de fauna sinantrópica Rodrigo Ilho.

Urgência e Emergência

Em caso de acidentes com escorpião, a pessoa infectada deve ser levada imediatamente à UPA Central, na Avenida Maria Antônia Camargo de Oliveira, a Via Expressa. Mais informações pelos telefones (16) 3334-6900