Sexta (09) tem espetáculo virtual “Cunhado de Lobisomem”

Borandá apresenta espetáculo on line do violeiro, escritor e contador de histórias Paulo Freire ao lado do cantor, compositor e guitarrista Danilo Moraes sobre lendas que nem sempre são lendas

70

Inspirado em um fato real, o violeiro e escritor Paulo Freire e o cantor, compositor e guitarrista Danilo Moraes criaram este espetáculo em que revelam a impressionante história de um rapaz que se tornou cunhado de lobisomem. Será uma apresentação ao vivo, online, no dia 9 de abril, às 20 horas, através do canal no YouTube da Prefeitura de Araraquara.

Para este grande causo, o duo criou canções sobre o acontecido, temas para os personagens e texturas musicais para o texto. A saga do lobisomem, as verdades científicas sobre este ser, as diversas formas de transformação, como também as reais possibilidades de cura, para que essa pessoa se livre desta sina.

Contador de histórias, Paulo Freire vem trabalhando com a mitologia brasileira, criando músicas para os acontecidos. Danilo Moraes realiza um trabalho original em suas composições, ou mesmo como intérprete, além de criar uma incrível afinidade entre a guitarra e a viola caipira.

Nesta saga do “Cunhado de Lobisomem”, Paulo e Danilo mostram que nossas lendas devem ser apuradas com profundidade, pois nem sempre são apenas lendas. Histórias que surgem entre as pessoas que especialmente vivem no campo e como elas são passadas para outras gerações.

REPERTÓRIO

Xô Lobisomem (Danilo Moraes e Paulo Freire)

Experimenta (Danilo Moraes e Paulo Freire)

Um beijinho só (Danilo Moraes e Paulo Freire)

Umbigo e Focinho (Danilo Moraes e Paulo Freire)

A hora é agora (Danilo Moraes e Paulo Freire)

Seca (Paulo Freire)

Andei, Andei (Paulo Freire)

Cunhado de Lobisomem (Paulo Freire)

Coco com Cachaça (Danilo Moraes e Paulo César de Carvalho)

São Benedito (Danilo Moraes e Paulo César de Carvalho)

PAULO FREIRE  (www.paulofreire.com.br)

Violeiro, escritor e contador de histórias, é autor de trilhas sonoras, canções, romances, biografias, livros de causos, livros infantis e CDs de viola. Entre seus trabalhos mais recentes estão os CDs “Alto Grande” e “Pórva”, e o romance “Jurupari”. Nascido em São Paulo, já morou no sertão do Urucuia (MG) – região onde se passa a trama do romance “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa – onde aprendeu a tocar viola com Manoel de Oliveira e outros mestres, além de aprofundar-se nos costumes e lendas do sertão. Posteriormente viveu em Paris, ali estudou violão clássico, e atuou em grupos de música brasileira em vários países da Europa e na Argélia. Em 2015 e 2016, realizou 120 apresentações pelo projeto “Sonora Brasil”, do Departamento Nacional do SESC, por todos os estados brasileiros. Foi o curador da “Ocupação Inezita Barroso”, exposição sobre a artista, realizada pelo Itaú Cultural, em São Paulo, 2017. Em 2018 gravou o CD “Viola Perfumosa”, um tributo à Inezita Barroso, com Ceumar e Lui Coimbra, pela Natura Musical. Das viagens pelo projeto Sonora Brasil nasceu o livro “Uma Aventura Violeira”, com previsão de lançamento para março de 2019, pela editora E-galáxia.

DANILO MORAES (www.danilomoraes.com)

Cantor, compositor e guitarrista, lançou os discos autorais “Danilo Moraes” (2003), “Na Pista”, com o grupo de forró Banguela (2004), “51”, com Ricardo Teté (França – 2005), “A Torcida Grita” (2007), “Danilo Moraes e Os Criados Mudos” (2011) e “Miolo Mole”, com Wandi Doratiotto e Swami Jr (2017). Foi vencedor, junto com Ricardo Teté, do Festival Cultura – A Nova Música do Brasil (2005), com a música “Contabilidade”; e segundo lugar no “9o Prêmio Visa – Edição compositores” – 2006. É co-autor do xote “Beijo Roubado”, sucesso do grupo Rastapé nas rádios brasileira. Em parceria com Céu, é autor do samba canção “Mais um lamento” do disco de estréia da cantora. Como instrumentista, já acompanhou artistas como Premê, Tetê Espíndola, Ná Ozzetti, Chico César, Arnaldo Antunes, Wandi Doratiotto, Mario Manga, Celso Sim, Gero Camilo, Leticia Spiller, Paula Cohen, entre outros. Danilo viveu alguns anos em Paris e realizou concertos pela França, Dinamarca, Alemanha, Martinica, Guadalupe e, no início de 2018, passou uma temporada em Moçambique, viajando de sul a norte do país, quando fez shows em Maputo e Pemba. Em 2018 lançou o CD “Obra Filha”, um disco de voz e violão gravado ao vivo em estúdio, que traz canções inédita e parcerias com o poeta Paulo César de Carvalho, Chico César, Zeca Baleiro, Céu, Rodrigo Campos e Giba Nascimento.

Esse projeto é viabilizado pelo Edital ProAC 11/2019.