Especialistas pedem para população continuar tomando cuidados de prevenção da Covid-19

Mesmo com a queda nas contaminações em virtude do lockdown feito no final de fevereiro, medidas de isolamento social e higienização precisam ser mantidas

81

Apesar da queda no número de novos casos de Covid-19 em Araraquara, resultado do lockdown implantado pela Prefeitura e seguido pela população entre 21 de fevereiro e 2 de março, especialistas em saúde orientam que as pessoas continuem tomando cuidados de higiene e saindo de casa somente se necessário.

Em entrevista ao “Canal Direto Especial: Coronavírus”, no Facebook da Prefeitura, o professor Paulo Inácio da Costa, da Unesp, alertou a população para continuar adotando o distanciamento social. Araraquara se encontra na fase vermelha do Plano São Paulo, apenas com serviços essenciais em funcionamento.

“Temos que entender que o lockdown está sendo muito importante, mas eu acredito que a comemoração será quando tivermos mais de 75% da população vacinados, porque podemos ter oscilações. As variantes que já temos circulando em Araraquara têm poder de transmissão bem maior”, afirmou o professor ao ser perguntado se a queda nas estatísticas era motivo para comemoração.

“A gente ainda não eliminou esse vírus. Apenas estamos controlando. A maneira de conter a progressão da doença é o cuidado, o uso correto de máscaras, a não aglomeração, o distanciamento, o cuidado quando saímos e voltamos, a higienização. A batalha não está vencida. Precisamos manter essa consciência, em cada um, de que a máscara é fundamental, o distanciamento é fundamental, as medidas de higiene são fundamentais enquanto não temos uma vacinação em quantidade suficiente. Quanto maior o tempo que o vírus se mantém em nosso meio, maior a chance do aparecimento de outras variantes”, analisou Paulo Inácio, que é professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas e responsável pela unidade de Araraquara do Laboratório da Rede Unesp de Diagnóstico para Covid-19.

O especialista explica que a própria circulação do vírus é responsável pelo surgimento de novas variantes (como a variante de Manaus, detectada em Araraquara e já predominante entre as novas infecções).

“O que leva ao aparecimento de novas variantes é uma pressão do próprio organismo em restringir a presença do vírus, o que faz com que algumas mutações levem o vírus ao escape desse sistema. Se esse escape for vantajoso para o vírus, nós teremos a possibilidade de uma dispersão na população, e isso vai abrir novamente uma frente para essas variantes ganharem o maior número de pessoas e teríamos novamente um pico em Araraquara”, declarou.

A secretária municipal de Saúde, Eliana Honain, que também participou do programa, pede muita cautela para a população de Araraquara e obedecimento das regras de isolamento social e de higienização.

“A gente tem que comemorar não os números, mas que nós temos maneiras de controlar e conter a doença, por mais amargas que sejam elas. Temos um caminho. Primeiro, o da vacina, que não é um caminho fácil, porque temos dificuldade de acesso a ela no País. Mas temos outro mecanismo, que é o isolamento social. Precisamos nos conscientizar”, afirmou Eliana.

“O Comitê de Contingência e o prefeito Edinho não terão medo de tomar medidas necessárias para conter a pandemia. Nesse momento, é a única ‘arma’ que nós temos. Por isso, protejam-se, usem máscaras corretamente e fiquem em casa”, concluiu a secretária de Saúde e coordenadora do Comitê.

Efeitos do lockdown
Entre o dia 21 de fevereiro, primeiro dos dez dias de lockdown, e esta quarta-feira, 10 de março, a média móvel diária de novos casos de Covid-19 caiu de 189,57 para 108, uma redução de 43,02%.

Outra diminuição acentuada foi verificada no número de pessoas contaminadas com o coronavírus e que estavam em isolamento domiciliar (quarentena): 1.512 no início do lockdown e 635 no boletim desta quarta, queda de 58%.

Em relação às internações, os dias 25 e 26 de fevereiro registraram o pico: 247 pacientes com Covid-19 em UTIs e enfermarias do município. Desde o início da pandemia, nunca houve tantos pacientes internados como nesses dois dias. Nesta quarta-feira, são 177 pacientes em hospitais. Número ainda alto, mas 28,34% menor que a máxima registrada.

Os casos de Covid-19 registrados por semana epidemiológica também evidenciam a eficácia das medidas de isolamento social para a contenção da pandemia. Foram 1.327 casos entre 15 de fevereiro e 21 de fevereiro (a semana com maior número de confirmações), 1.120 entre os dias 22 e 28 do mesmo mês e 945 entre 1º e 7 de março (28,78% a menos que o começo do lockdown).

Outro termômetro sobre a gravidade da pandemia é a porcentagem de amostras positivadas em relação a todos os testes enviados para análise diariamente. O dia com maior porcentagem de confirmações foi 16 de fevereiro, com 53% de testes positivos. Nesta quarta, após vários dias de queda, o índice chegou a 20%.

Não é hora de relaxar
O Comitê de Contingência do Coronavírus de Araraquara e a Prefeitura Municipal estão monitorando diariamente a situação epidemiológica do município.

Para que a tendência de melhora da situação se consolide, é fundamental que todas as medidas sanitárias e as regras mais restritivas em vigor continuem sendo rigorosamente cumpridas.

Não é momento de a população relaxar, porque a cepa do vírus que circula na cidade é empiricamente mais transmissível e mais agressiva. Somente com o esforço coletivo será possível reverter de vez a curva da transmissão e aliviar pressão sobre os leitos de UTI e de enfermaria que atinge Araraquara e toda a região.