Prevenção para 2022 é estratégia adotada no combate a queimadas

O encaminhamento é fruto de audiência pública realizada na Câmara

19

Com a época da estiagem, vários incêndios atingiram áreas, rural e urbana, em Araraquara. De acordo com dados do Corpo de Bombeiros, o número de ocorrências de incêndios no mês de julho deste ano dobrou em relação aos casos registrados no mesmo período do ano passado. Nesse sentido, a Câmara de Araraquara promoveu, na sexta-feira (27), a Audiência Pública “Medidas de prevenção e combate a incêndios em Araraquara”. O debate foi solicitado pelos vereadores Luna Meyer (PDT) e Marcos Garrido (Patriota), ambos integrantes da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Urbano Ambiental, e contou com a presença de especialistas da área e dos parlamentares João Clemente (PSDB), Lucas Grecco (PSL) e Rafael de Angeli (PSDB).

Luna reforçou que as queimadas, além de causarem destruição da flora e fauna do local atingido, comprometem a fertilidade do solo e causam poluição do ar, prejudicando a saúde de todos. “A gente não pode mais ficar de braços cruzados enquanto nossa cidade arde em chamas. O objetivo da audiência é dar dimensão do problema e traçar planos efetivos para a nossa morada do sol”, explicou a vereadora.

Para o Comandante do Posto de Bombeiros de Araraquara, Tenente Rissato, 2021 é o pior ano nos últimos cinco, no que diz respeito ao número de incêndios. Porém, ainda que tenha havido aumento significativo da demanda, a corporação mantém o efetivo e o número de viaturas. Segundo Rissato, a estratégia é o planejamento para os próximos períodos de seca (abril a setembro), bem como a educação da população, uma vez que a maioria dos incêndios são criminosos. “Depois que o fogo se alastra, o combate é difícil. Acredito que precisamos ter uma mudança de comportamento da população. Hoje, contamos com um bombeiro educador, que trabalha nas escolas e com voluntários nas empresas”. Para Clemente, o caminho também começa pela prevenção: “Nós fazemos um chamamento da responsabilidade do Executivo, do trabalho conjunto e de uma mudança de raciocínio para que possamos valorizar a prevenção e depois falarmos de fiscalização e multas”.

Garrido chamou a atenção para a infraestrutura disponível para o combate ao fogo, principalmente o número de hidrantes. “De 246, 137 estão inoperantes. Podemos pensar em um projeto aqui na Câmara para obrigar o município, não apenas nesta gestão, mas sempre, a cumprir um número mínimo de hidrantes e a ter equipamentos, como drones, que ajudem no combate aos incêndios”, argumentou.

O Secretário de Meio Ambiente, José Carlos Porsani, reforçou a importância de, ao menos 80% dos hidrantes funcionando e defendeu a colocação do terminal hídrico nos parques do Basalto e Pinheirinho. A presidente do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Comdema), Ana Carolina Marcondelli, defendeu também a instalação de mais câmeras na cidade, para localizar os culpados.

A preservação da natureza também foi destacada. De acordo com Maria Letícia Filpi, coordenadora do grupo de advogados animalistas de São Paulo. “É um dever do Estado proteger o meio ambiente para as presentes e futuras gerações. Os animais têm o direito ao habitat natural deles. É uma necessidade humana respeitar os animais. Se a gente quebra cadeias alimentares por conta de incêndios, nós desequilibramos o meio ambiente e secamos águas e nascentes”.

Ao final da audiência, Luna firmou o compromisso de fazer encaminhamentos sobre problemas pontuados, de forma a evitar que o período de estiagem do ano que vem seja marcado por queimadas. “Já estamos em setembro e o período da seca está acabando. Esperamos que, com a união de forças entre poder público e sociedade civil, o número de incêndios seja reduzido, no mínimo, pela metade”, pontuou a parlamentar.

Também participaram da discussão: o Secretário de Cooperação dos Assuntos de Segurança Pública, coronel João Alberto Nogueira Júnior, o gerente de proteção da Defesa Civil Municipal, Luiz Dell’aqua, a diretora de resíduos sólidos do Departamento Autônomo de Água e Esgotos (Daae), Simone Oliveira, e o gerente de fiscalização do Daae, Carlos Ferreira. A população participou por meio dos canais da TV Câmara de Araraquara. Confira a audiência na íntegra:

https://www.youtube.com/watch?v=afFp_ruuDbI