Presidência rebate fala de vereadora mencionando “podridão na Câmara”

A fala da vereadora Felipa Brunelli se deu depois que sua Moção de Repúdio ao projeto de lei PL nº 504 de 2020 foi rejeitada pela maioria dos vereadores

165

Nota da presidência da Câmara Municipal de Araraquara

 O presidente do Poder Legislativo de Araraquara, vereador Aluisio, esclarece que a fala da vereadora Filipa Brunelli, mencionando “podridão na Câmara”, não reflete a realidade de uma das instituições mais respeitadas da cidade.

Todos os dias, mesmo em período de pandemia, o presidente dá expediente e acompanha de perto todo o funcionamento da estrutura da Casa de Leis. A fala dá dupla interpretação e dá margem para suspeição da conduta de servidores, legisladores e da própria presidência, o que não é cabível.

Nunca houve registro de qualquer ato que tenha colocado em dúvida a competência dos servidores e dos agentes políticos. Boi já conversou com a vereadora Filipa, que compreendeu que seu comentário poderia mesmo gerar interpretação dúbia. Ela afirmou que se dirigiu a pensamentos sobre o tema debatido e não a pessoas.

O pronunciamento causou desconforto geral e pôs em dúvida toda a Legislatura e até mesmo essa presidência, que jamais aceitará qualquer conduta que desabone a instituição. O presidente reafirma que sempre defenderá a transparência, a ética e a boa conduta em todos os procedimentos camarários.

Da mesma forma, deixa claro que a Câmara Municipal de Araraquara conta com um Conselho de Ética, que tem autonomia para analisar qualquer forma de falta de decoro parlamentar.

Aluisio Boi – Presidente da Câmara Municipal de Araraquara

Polêmica

A polêmica foi formada depois que a maioria dos vereadores da Câmara Municipal de Araraquara rejeitou a moção de repúdio da vereadora Filipa Brunelli (PT) ao projeto de lei PL nº 504 de 2020 – que proíbe publicidade com pessoas LGBTQIA+. O projeto tramita na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).

O projeto citado associa a população LGBTQIA+ a “práticas danosas” e “influências inadequadas” em relação a crianças ao proibir a publicidade, por meio de qualquer veículo de comunicação e mídia, de material que contenha alusão a preferências sexuais e movimentos sobre diversidade sexual relacionada a crianças no Estado.
A vereadora criticou a atitude dos vereadores que votaram contra a moção de repúdio.

“Os 11 vereadores dessa Casa são LGBTfóbicos sim, compactuam com o Brasil ser o país que mais mata travesti mortos do mundo e também de ser o que mais consome a carne de travesti. Tenho repúdio a hipocrisia”, disse a vereadora do PT na sessão da Câmara dessa terça-feira (20).