Prefeitura estuda aplicação de ‘lei do abandono’ em área na Vila Xavier

Dentro do terreno, existe uma carcaça de um ônibus servindo de criadouro para bichos peçonhentos

92

Após receber diversas reclamações referentes a terrenos com mato alto e acúmulo de lixo, sendo um deles localizado na Avenida Engenheiro Edmundo Busch Varella com a Rua Eduardo Prada, no bairro Jardim das Estações (Vila Xavier), o vereador Rafael de Angeli (PSDB) encaminhou, no dia 25 de janeiro, o Requerimento nº 61/2021 à Prefeitura, questionando a situação do imóvel.

“O artigo 13 da Lei Complementar 18, de 1997 (Código de Posturas do Município de Araraquara), diz que os proprietários de terrenos precisam deixá-los livres de mato, lixo, detritos, entulhos ou qualquer outro material nocivo à vizinhança e à coletividade”, argumentava o parlamentar no documento.

Angeli também lembrava que a Prefeitura faz notificação e intimação desses proprietários para que realizem limpeza e, muitas vezes, construção de calçada. “Quando a limpeza não é realizada, é registrada uma infração e, não sendo realizada a limpeza, multas são aplicadas. Mas, em muitos casos, essas multas se acumulam e o proprietário não realiza a limpeza, deixando a vizinhança sofrer com as consequências”, reforçava.

Além da situação do imóvel, o vereador questionava a existência de débitos do imóvel junto aos cofres públicos e se ele estaria em condições de receber a aplicação da Lei Municipal nº 7.733, de 2012 (Instituto do Abandono).

Em resposta, o Executivo encaminhou cópias dos demonstrativos de débitos do imóvel fornecidas pelo Departamento de Dívida Ativa do município e informou, conforme manifestação prestada pela gerente de Fiscalização da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos, que a área se encontra em estado de abandono, estando apta a receber aplicações da lei que regulamenta o Instituto do Abandono.

De acordo com o documento, o município irá avaliar se há interesse ou necessidade de aplicação da referida lei. A Prefeitura ressaltou que executou a limpeza da calçada, porém, o local encontra-se murado e com portões trancados, impossibilitando a execução na parte interna da área.

Angeli reforça que, dentro do terreno, existe uma carcaça de um ônibus servindo de criadouro para bichos peçonhentos e podendo até se tornar local de reprodução para o mosquito da dengue. “Passamos a situação para a Vigilância Epidemiológica para que faça uma vistoria no local, trazendo um pouco mais de tranquilidade aos moradores vizinhos”, conclui o vereador.