Policía Rodoviária prende quadrilha de estelionatários em Araraquara

Um homem e três mulheres foram presos no pedágio da Rodovia SP-310 e confessaram ter praticado o ‘golpe do mototaxi’

170

A Polícia Rodoviária prendeu uma quadrilha formada por três mulheres e um homem, acusados de praticar vários golpes na região. O rapaz tentou subornar o policial para livrar o bando da cadeia, mas se deu mal.

Segundo o apurado, uma equipe do Tático Ostensivo Rodoviário (TOR) realizava patrulhamento pela praça de pedágio de Araraquara, na madrugada dessa terça-feira (2), quando resolveu abordar um Fiat/Palio ocupado por um homem e três mulheres. Os policiais fizeram uma busca pessoal e veicular e conseguiram localizar 25 máquinas de cartão de crédito, além de um talão de cheques em nome de outra pessoa, 9 cartões de crédito e a quantia de R$ 1.659,00 em dinheiro. Questionados a respeito do dinheiro e das mercadorias, os ocupantes do carro informaram que usavam o material para aplicar o ‘golpe do motoboy’ e que tinham acabado de praticar o crime em algumas pessoas na cidade de Catanduva.

Diante das informações, os policiais conseguiram localizar uma das vítimas. Ao receberem voz de prisão o condutor do carro tentou subornar os patrulheiros para evitar a prisão do grupo. Todo o material foi apreendido e os quatro indivíduos acabaram presos pelos crimes de estelionato, associação criminosa e corrupção.

Como funciona o golpe

O chamado “golpe do motoboy” é aplicado quando uma pessoa faz contato com a vítima e se passa por funcionário da central de segurança de um banco. Em seguida, a vítima é convencida de que seu cartão foi clonado e acaba fornecendo informações, como o número do cartão e a senha para os golpistas.

Em alguns casos, o golpista diz que, por segurança, vai enviar alguém para recolher o cartão e que isso impedirá que ele seja utilizado em compras on-line, evitando que a vítima tenha que pagar pelas compras realizadas. Com os dados bancários do cartão e a senha, os golpistas passam a utilizar o cartão em máquinas próprias, saques e transferências.

Foto: Divulgação PM