“O combate à fome é uma política pública perene”, diz prefeito Edinho

Nova edição do PMAIS visa erradicar a fome e incentivar a agricultura familiar; atividade também celebrou os 14 anos do Banco de Alimentos com homenagem aos servidores

22

Na manhã desta quarta-feira (21), o prefeito Edinho participou do ato que marcou o aniversário de 14 anos de fundação do Banco de Alimentos, órgão ligado à Coordenadoria de Segurança Alimentar (Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social). Também, na ocasião, foi lançada a edição 2021 do PMAIS (Programa Municipal de Agricultura de Interesse Social) que tem como objetivo reforçar o combate à fome e incentivar a produção da agricultura familiar.

O programa possibilita a compra de alimentos de qualidade produzidos pela agricultura familiar, por meio de chamada pública, a fim de atender famílias em situação de vulnerabilidade do município. Nesta rodada do programa está prevista a aquisição de 98 toneladas de alimentos de dois grupos formais da agricultura familiar, sendo uma cooperativa, com 25 cooperados, e uma associação, com cinco associados, totalizando um investimento municipal de R$ 541.417,12, durante um período de fornecimento de dez meses.

Durante o lançamento, produtores da região fizeram a entrega de uma tonelada de hortifrútis ao Banco Municipal de Alimentos, que fará a distribuição em cestas na próxima sexta-feira (23) para 500 famílias em situação de vulnerabilidade social e de insegurança alimentar atendidas nos dez Cras (Centros de Referência da Assistência Social) do município.

Política pública perene

Edinho destacou a importância de apoiar o pequeno produtor e ao mesmo tempo acabar com a fome das famílias que mais precisam. Ele lembrou que o PMAIS nasceu de uma ausência, já que existia um programa federal que comprava alimentos dos pequenos produtores para inserir na segurança alimentar. Quando esse programa foi encerrado, a Prefeitura realizou um amplo debate para assumir seu andamento e comprar a produção com recursos próprios.

Para ele, a decisão de inserir no orçamento municipal recursos para que esse programa se mantenha é uma decisão política, uma opção do governo, de optar para quem se quer governar. “Aí entra uma política pública perene, que é o contrário da distribuição de comida em um único dia na cidade, de aparecer na vida das pessoas uma vez por ano, uma vez por mês, uma vez por semestre”, salientou.

Para Edinho, o combate à fome se faz todos os dias e não pode ser utilizado para disputas políticas. “Perenidade significa você estar presente na vida das famílias que precisam todos os dias e não para fazer política partidária, não para tentar fazer disputa política com a fome, com a vulnerabilidade, com a miséria, com a exclusão social. Nós estamos presentes na vida das pessoas de Araraquara todos os dias de forma silenciosa, mas estamos presentes. São 25 mil famílias atendidas durante a pandemia desde 2020, todos os dias em que elas precisam, e não em um dia”, reforçou Edinho.

“Ninguém precisou ficar em fila para pegar alimento, ninguém precisou se expor, ninguém precisou se humilhar. Isso é política pública com dignidade, quando a fome é combatida e não exaltada como instrumento de disputa política. A fome precisa ser derrotada todos os dias e só derrotamos a fome com política pública”, concluiu o prefeito.

Homenagem

O encontro também contou com uma homenagem a José Tiago de Castro Neto e Roberto Sérgio Pereira Leite, servidores mais antigos do Banco de Alimentos, órgão fundado em 20 de julho de 2007 pelo também então prefeito Edinho, um dos primeiros serem inaugurados nesse modelo em todo o Brasil. São 50 entidades socioassistenciais e mais de 5 mil pessoas atendidas mensalmente.

José Tiago, que representou a equipe que atua no Banco de Alimentos, destacou a importância do trabalho desenvolvido pelo programa ao longo dos anos. “Esse compromisso atende à premissa básica da segurança alimentar, que é de garantir o fornecimento e o acesso regular aos alimentos para a população em vulnerabilidade social, pois o combate à fome é a primeira batalha a ser enfrentada para diminuirmos o abismo social que existe no nosso país”, ressaltou o servidor.

Antônio Aparecido da Silva, presidente da Cooper Morada do Sol, falou sobre o trabalho dos agricultores e a importância de políticas públicas como o Banco de Alimentos e o PMAIS para colocar alimento saudável na mesa das famílias. “Estamos mais um ano iniciando o PMAIS e nós, agricultores, vamos trabalhar para dar conta do recado. Não é fácil porque o clima não está ajudando, perdemos parte da produção, mas vamos lutar para fazer as entregas diariamente”, afirmou.

Para a coordenadora executiva da Agricultura, Enedina Ferreira de Andrade, o PMAIS é um presente para o Banco de Alimentos e para Araraquara. “Nós sabemos que aqui tem funcionários comprometidos, solidários, e que junto com a agricultura, fazem com que as políticas de segurança alimentar na nossa cidade aconteçam. Não é fácil produzir no campo, viver da agricultura, porque depende de vários fatores, mas os agricultores e agricultoras são os nossos heróis. Somos pequenos, mas gigantes na produção. Somos nós que colocamos comida de verdade na mesa do trabalhador da cidade e essa é a nossa missão”, disse.

A coordenadora executiva de Segurança Alimentar, Silvani Silva, valorizou o combate à fome. “Estamos aqui porque concordamos que não existe número aceitável para a fome que não seja o número zero, fome zero. A fome não é apenas um problema social, é um problema de sobrevivência, sobretudo para as gerações futuras”, discursou.

A secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Jacqueline Barbosa, destacou que o Município não medirá esforços para que o alimento chegue à mesa das famílias que mais precisam. “Hoje é um dia de celebração de 14 anos de uma política pública que iniciou com um pensamento inovador e ousado e que hoje, após tantos anos, se encontra com uma estratégia importante e fundamental para o momento que estamos vivendo”, acrescentou.

O vice-prefeito e secretário do Trabalho, Desenvolvimento Econômico e Turismo, Damiano Neto, também demonstrou satisfação com o sucesso dos programas. “Ver como essas políticas públicas são desenvolvidas e saber que elas proporcionam o sustento alimentar de milhares de famílias de Araraquara é motivo de muito orgulho para nós”, explanou.

O vereador Emanoel Sponton (Progressistas), que representou a Câmara Municipal, falou sobre a importância de uma parceria entre o poder público e os produtores. “Eu, que vim do Hortênsias, posso afirmar que muitas famílias não têm um prato colorido na mesa. E a Prefeitura tem ido até esses bairros, tem feito um bom trabalho através da Assistência Social e tem levado uma refeição com mais nutrientes e vitaminas para que essas pessoas possam viver com uma qualidade melhor”, analisou.

Também estiveram presentes o vereador Paulo Landim (PT); a secretária de Comunicação, Priscila Luiz; a presidente do Fundo Social de Solidariedade, Cidinha Silva; o coordenador de Proteção Social, Marcelo Mazeta, que foi coordenador de Segurança Alimentar no mandato anterior de Edinho; José Aparecido de Souza, representando o Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural; e Paulo Sérgio Aparecido Viana, representando o Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional.