Marchese da Rádio quer fazer oposição qualificada

O vereador do Patriota quer usar a política como ferramenta de transformação das pessoas, sobretudo as mais carentes

95

José Augusto Chrispim

Seguindo a série de entrevistas com os atuais vereadores de Araraquara, o Jornal O Imparcial conversa nesta edição com Flávio Henrique Marchese (Patriota). O vereador, de 48 anos, ganhou popularidade na cidade como radialista, carreira que seguiu de seu pai, o também radialista Geraldo Marchese.

‘Marchese da rádio’, como é mais conhecido, foi eleito para seu primeiro mandato na Câmara dos Vereadores de Araraquara, com 1.010 votos. Ele falou à reportagem sobre o que espera realizar nestes quatro anos ocupando uma das 18 cadeiras do Legislativo Araraquarense.

Veja a entrevista na íntegra:

O Imparcial: Fale um pouco sobre sua formação e experiência na política.

Marchese: “Sou radialista. Desde cedo acompanho o meu pai, Geraldo Marchese na rádio dizendo bem alto e, em bom tom: “Olha a Hora; Olha a Hora”. Cresci admirando a profissão, e, então, ela me escolheu. Foi trabalhando em rádio e acompanhando o meu pai que fiz muitos amigos e entendi que a política é uma ferramenta que pode transformar a vida das pessoas, principalmente, as mais carentes. São essas pessoas que ficam na fila da sopa, da entrega da cesta básica ou de um brinquedo em época de festa. São essas pessoas que são transparentes para muitos políticos depois da eleição. E eu sempre tive vontade de mudar isso. Até porque sou de família simples, moro na região norte. Sei o que essas pessoas passam, até porque vivencio no dia a dia. Há 14 anos realizo trabalho voluntário não só na região do Selmi Dei, Indaiá, mas em outras da cidade. Eu só demorei para entrar na política porque as ‘pessoas’ são preconceituosas com a classe. Colocam todos no mesmo ‘saco’, dizendo que todo político é ladrão. Mas, resolvi mudar esta ideia. Foi quando em 2016 sai pela primeira vez como candidato a vereador, só que não deu certo. Mas, ano passado, tive o convite do presidente do Patriota, Pedrinho Monteiro e, no partido, eu me encontrei. Desde o início sempre tive apoio e tudo correu bem, fui eleito com 1.010 votos”.

O Imparcial: Quais são suas expectativas para este primeiro mandato como vereador?

Marchese: “É ver as pessoas acreditando mais no político, especialmente, de nossa cidade. Ver as pessoas mais carentes terem dignidade com um trabalho, sem faltar comida. Só de conseguir contribuir com projetos e ações para que essa realidade triste de Araraquara mude, eu já ficaria feliz.

Eu sei que a igualdade pode ser uma apologia, mas, não vou deixar de pensar que isso possa acontecer algum dia. Gostaria muito ver as pessoas tendo as mesmas oportunidades desta vida e, então, chegar ao seu topo por meritocracia. É pra isso que eu vou trabalhar”.

 O Imparcial: Quais projetos você pretende implantar como vereador?

Marchese: “São diversos, mas, todos sendo construídos com a comunidade. Temos sugestões da população e de entidades da cidade. Por exemplo, lutar para que a região Norte, onde está localizado o Selmi Dei, Jardim Indaiá, Adalberto Roxo, Vale Verde, entre outros, tenha uma espécie de ‘Poupa Tempo’. Nele, os mais de 60 mil habitantes poderão encontrar prestação de serviços da Prefeitura, do Daae e da CPFL. Também poderão contar com Casa Lotérica e um posto integrado de segurança”.

O Imparcial: Atuando como comunicador, você acha que pode fazer um raio x dos problemas da população mais carente que podem ser  solucionados pelo Legislativo?

Marchese: “Acredito que sim. Até porque eu só pensei em fazer ‘política’ para atender principalmente essa parte da população, os mais carentes. E isso surgiu das situações que eu acompanhei durante todo esse tempo trabalhando em rádio. Por isso, também comecei a distribuição de sopas, entre outras atividades”.

O Imparcial: Além de fiscalizar o Executivo, em que áreas você pretende atuar? Quais bandeiras você defende?

Marchese: “A bandeira do bem. Tudo que for beneficiar a população. A ideia é sim trabalhar na criação de leis, fiscalizar a Prefeitura e ajudar a construir um elo entre os contribuintes e o Poder Público, com apontamento de ideias e projetos. Eu entendo que o vereador não pode esquecer que trabalha para o povo, que é o seu patrão. Por isso, vou honrar a confiança que ele me deu. É isso!”.

O Imparcial: Como você acha que o Legislativo pode ajudar no combate à pandemia do novo coronavírus?

Marchese: “Acredito que incentivando e fiscalizando leis e projetos relacionados à questão da pandemia da Covid-19, em benefício da comunidade. Mediar e convocar debates entre as classes e a população com o objetivo de compor ações que assegurem a saúde de todos, especialmente, nas atividades em meio a pandemia. Exemplo disso seria montar comissões pra discutir medidas de segurança para a volta às aulas e as atividades econômicas no município”.

O Imparcial: Qual é a linha política que você deve seguir?

Marchese: “Uma oposição qualificada. Que tenha sentido. Não quero me opor às situações que beneficiam a população. Farei isso somente nas que acredito que possam ser melhoradas, mais discutidas e formatadas. Tudo em benefício da comunidade. Se for um projeto bom e fizer bem a todos, votarei a favor”, finalizou Marchese.