Luna Meyer e Marchese da Rádio cobram explicação sobre atendimento de pacientes com COVID-19

Uma jovem de 26 anos foi a óbito no último domingo; nas redes sociais amigos reclamam da demora pra internação da paciente na UTI

357

A morte da jovem de 26 anos, Thainá de Cássia, ocorrida no domingo (31) e o desencontro de informações referentes às vagas ocupadas por pacientes positivados por Covid-19, principalmente, em UTI´s, preocuparam os vereadores Luna Meyer (PDT) e Marchese da Rádio (Patriota). Por isso, protocolaram na tarde desta segunda-feira (1º), na Câmara Municipal de Araraquara, um requerimento de nº 90/2021 http://consulta.camara-arq.sp.gov.br/arquivo?Id=246118 ) solicitando informações da Prefeitura sobre a estrutura de atendimento na cidade.

Segundo a vereadora, as notícias que circulam sobre a morte da jovem Thainá precisam ser esclarecidas. “A gente ouve falar que ela foi a óbito por conta de uma negligência no atendimento. Mas, pra gente cobrar a responsabilidade, precisamos de respostas”, frisa Luna. Ela entende “que não dá pra mudar o que aconteceu com a jovem, mas, através da fiscalização no protocolo, é possível ajudar a evitar que o mesmo aconteça com outras pessoas”.

Para Marchese, a Secretaria de Saúde tem feito um bom trabalho, mas, como os casos aumentaram, consideravelmente, na cidade, talvez seja necessária mais atenção de todos. “A gente sabe que é difícil conter essa pandemia que levou mais de 100 vidas, nos últimos tempos, somente em Araraquara. Mas, se em alguma situação o atendimento foi negligenciado, levando o doente à morte, é preciso que saibamos. Desta forma, vamos cobrar uma política de atendimento mais adequada à situação. Vamos ficar em cima”.

O documento

O documento protocolado pede informação sobre a quantidade de leitos de UTI e Semi-UTI, e destes, quantos contam com respiradores para atendimento emergencial. Além disso, pede explicação sobre o protocolo adotado quando não há vagas disponíveis para atendimento a pacientes positivados com o novo coronavírus.

Diariamente, chegam aos gabinetes reclamações de pessoas dizendo que aguardaram atendimento na UPA junto dos demais pacientes, sem que houvesse um isolamento dos suspeitos de Covid-19. Portanto, os vereadores também pedem informação sobre como é organizado o primeiro atendimento após a triagem para evitar um possível contágio no local que dá assistência em saúde.