Interrupção de atividades em ambiente escolar durante fase vermelha pode salvar vidas

A afirmação é do vereador Guilherme Bianco (PCdoB), em documento enviado à Prefeitura, onde destaca ainda o aumento do número de positivados em 27%

36

No último final de semana, duas professoras vieram a óbito em Araraquara, fazendo com que pais, profissionais da educação e alunos se sentissem inseguros em relação à abertura das escolas, mesmo que para atividades extracurriculares. Há também outros profissionais da educação que positivaram para Covid-19, os quais mantiveram contato com os profissionais que continuam a trabalhar de forma presencial, porém não foram testados. É o que relata o vereador Guilherme Bianco (PCdoB), lembrando que a cidade enfrenta um agravamento da pandemia e, a cada dia, os números de positivados e de óbitos crescem. 

O parlamentar menciona, ainda, a sobrecarga das unidades de atendimento hospitalar, que inclusive será reforçado de acordo com projeto votado na Sessão Ordinária de terça-feira (9), que aprova recursos para aumentar o número de leitos para comportar pacientes necessitando de atendimento. 

Considerando todo esse cenário, Bianco propõe, na Indicação nº 723/2021, encaminhada à Prefeitura, ainterrupção de atividades escolares de qualquer natureza na rede de ensino, nos âmbitos municipal, estadual e privado, enquanto Araraquara se encontrar na fase vermelha do Plano São Paulo. 

“Entendo que a educação é de suma importância, que as escolas, além da função de prover ensino e ser referência cognitiva, também exercem o papel de referência social e afetiva e funcionam como um porto de segurança para as questões socioemocionais dos alunos. Mas para que possamos ter um o ambiente escolar que seja harmonioso e consiga cumprir sua função de forma eficaz, é necessário preservar e garantir a segurança de profissionais da educação, alunos e seus familiares em meio à pandemia”, diz o vereador. 

“Acredito que a interrupção no momento é essencial para salvar vidas, garantir a segurança dos envolvidos e não sobrecarregar o sistema de saúde. Uso como exemplo a cidade de Campinas que, mesmo fora da fase vermelha, retomou as atividades escolares seguindo protocolos e, ainda assim, houve surto de contaminação”, enfatiza.