Infosiga aponta crescimento nos acidentes na região Central entre motociclistas na pandemia

A região de Araraquara teve 100% de aumento nos acidentes com óbito, saindo de 11 em 2020 para 22 mortes em 2021

33

De acordo com os novos dados do Infosiga SP, sistema do Governo do Estado gerenciado pelo programa Respeito à Vida e Detran.SP, a região Central do Estado registrou crescimento de 21% nos acidentes de trânsito envolvendo motociclistas durante a pandemia.

Foram constatados 163 acidentes de trânsito em abril de 2020 e 198 em junho de 2021. Já em relação a óbitos os números se mantiveram estáveis nos dois períodos, com 4 óbitos em abril de 2020 e 4 em junho de 2021.

Justamente no sentido de oferecer condições mais adequadas de trabalho à categoria e contribuir com a redução nos acidentes de trânsito, o Governo do Estado lançou, em 2020, o Programa Motofretista Seguro. E para ampliar a adesão ao programa, será realizada amanhã (21) e quinta-feira (22) uma nova edição do Pitstop do Motofretista.

A ação acontece na Praça Charles Miller em frente ao Estádio Paulo Machado de Carvalho (Pacaembu), das 7 às 17 horas. A expectativa do departamento é reunir mais de 9 mil motoentregadores. Atualmente, mais de 3 mil já se inscreveram no programa.

“O objetivo do Detran.SP é oferecer condições melhores de trabalho e segurança para os motofretistas. A categoria teve papel fundamental nesta pandemia, movimentando o sistema de delivery e entregas em geral. Queremos construir uma ampla rede de proteção para esses profissionais. Nossa meta é atingir em torno de 250 mil motofretistas”, explica Neto Mascellani, presidente do Detran.SP.

Infosiga Central

A região Central registrou aumento de 33% nos óbitos no primeiro semestre de 2021. Foram contabilizados 60 óbitos neste período em 2020 contra 80 em 2021.

Com relação aos acidentes com vítimas houve aumento de 10% no acumulado dos seis primeiros meses deste ano, passando de 1.934 casos em 2020 para 2.123 em 2021.

Nos primeiros seis meses de 2021, na região administrativa Central, foram registrados 6 óbitos entre ciclistas contra 7 no mesmo período do ano passado. Em relação às ocorrências fatais com pedestres neste período foram apontadas 19 fatalidades no acumulado de 2021 contra 9 de 2020. Entre motociclistas foram contabilizados 29 fatalidades nos seis meses de 2021 e 22 em 2020 no mesmo período. Houve 17 ocorrências fatais envolvendo ocupantes de automóveis de janeiro a junho deste ano e 14 no mesmo período de 2020. .

Estado

O Estado de São Paulo registrou queda de 8,6% nos óbitos de trânsito comparando os números do 1º. semestre de 2019, 2020 e 2021. Foram registradas 2.557 fatalidades neste período em 2019, 2.236 em 2020 e 2.335 em 2021. Já em relação aos acidentes com vítimas, também houve queda de 6,1% na análise de janeiro a junho de 2019, 2020 e 2021, com 91.923 ocorrências (2019), 77.078 (2020) e 86.224 (2021). Esses dados incluem ocorrências com motociclistas, ocupantes de automóveis, ciclistas e pedestres.

Modais

A maior redução nas fatalidades de trânsito no Estado envolveu ciclistas comparando os meses de junho de 2020 e junho de 2021, com 32 casos (2020) e 27 (2021), menos 15,6%. Nos óbitos envolvendo pedestres se verificou uma redução de 6,7%, de 537 no 1º. semestre do ano passado para 501 em 2021. As fatalidades que abrangem passageiros de automóveis aumentaram 12,2%, com 518 ocorrências em 2020 e 581 em junho de 2021.

Sobre o programa Respeito à Vida

Programa do Governo do Estado de São Paulo, atua como articulador de ações com foco na redução de acidentes de trânsito. Gerido pela Secretaria de Governo por meio do Detran.SP, envolve ainda as secretarias de Comunicação, Educação, Segurança Pública, Saúde, Logística e Transportes, Transportes Metropolitanos, Desenvolvimento Regional, Desenvolvimento Econômico e Direitos da Pessoa com Deficiência

O Respeito à Vida também é responsável pela gestão do Infosiga SP, sistema pioneiro no Brasil, que publica mensalmente estatísticas sobre acidentes com vítimas de trânsito nos 645 municípios do Estado. O programa mobiliza a sociedade civil por meio de parcerias com empresas e associações do setor privado, além de entidades do terceiro setor. Em outra frente, promove convênios com municípios para a realização de intervenções de engenharia e ações de educação e fiscalização.