Híbrido Etanol: Professora da UFG aponta diálogo como fundamental

Vencedora de prêmios acadêmicos relacionados ao etanol, Dra. Lais Forti Thomaz é uma das palestrantes do evento marcado para esta quarta-feira (6)

33

Está chegando a hora do evento que colocará Araraquara no centro dos debates em torno de uma nova tecnologia de energia limpa para automóveis. Nesta quarta-feira, 6 de outubro, será realizado o encontro “Híbrido Etanol: O Motor do Futuro – Uma agenda de desenvolvimento, emprego e sustentabilidade”, que terá início às 9 horas, com transmissão ao vivo pelo site motordofuturo.com.br e compartilhamento nas redes sociais da Prefeitura de Araraquara. O ciclo de debates contará com a participação de pesquisadores, universidades, representantes das entidades dos trabalhadores, direção da Volkswagen e da Toyota, além de representantes da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) e outras instituições.

Entre os palestrantes está a Dra. Lais Forti Thomaz, professora adjunta da Universidade Federal de Goiás (UFG), que possui uma bagagem conceituada para falar sobre o tema, já que foi a vencedora do Prêmio Top Etanol 2011 e do prêmio acadêmico da National Ethanol Conference em 2015 nos Estados Unidos. Ela se mostra ansiosa para o ciclo de debates. “A expectativa é alta. O tema é extremamente relevante, envolvendo desenvolvimento de tecnologia nacional e políticas públicas para biocombustíveis. Acredito ser fundamental o diálogo do setor privado, agentes governamentais, terceiro setor e academia para viabilizar cada vez mais projetos na área de pesquisa para etanol”, aponta.

O tema do evento se baseia no momento vivido pela indústria automobilística global, que passa por uma de suas maiores reinvenções e caminha para um futuro dominado pelo carro elétrico. O debate gira em torno do desenvolvimento de veículos híbridos elétricos com propulsor a combustão flex ou movido exclusivamente a etanol. Há ainda uma nova ideia que envolve um sistema que transforma o etanol em hidrogênio para alimentar a bateria elétrica. Assim, esses veículos não teriam a necessidade de serem carregados na tomada e teriam a vantagem de ter uma pegada de carbono menor do que a dos veículos somente elétricos, desde a fabricação até o descarte, assim como híbrido a etanol, o que seria de extrema relevância, visto que a preocupação com o meio ambiente é uma das prioridades exigidas nos dias de hoje pelo mercado.

Para a Dra. Lais, não há momento melhor para tratar desse tema. “Avalio que é o timing perfeito. Temos metas a cumprir pelo Acordo de Paris e a aproximação da próxima COP eleva o debate na agenda. Além disso, a política nacional dos biocombustíveis está em implementação e o recém-lançado Programa Combustível do Futuro também está sendo desenvolvido nos subcomitês, com a participação de várias entidades em sua formulação”, justifica.

Vale salientar que o Brasil é visto como exemplo na utilização de combustível limpo por conta do seu etanol de cana-de-açúcar, que é considerado o combustível alternativo mais bem sucedido até o momento. Para a professora, é preciso aproveitar essa capacidade. “O Brasil já é destaque na produção de biocombustíveis. O híbrido a etanol e mesmo a tecnologia de célula de combustível são extremamente significativos para aproveitarmos esse potencial já instalado de logística e abastecimento e assim diminuirmos ainda mais a dependência de combustíveis fósseis”, conclui.

Currículo de destaque

Representante feminina entre os palestrantes, a Dra. Lais Forti Thomaz é bacharel em Relações Internacionais pela UNESP com intercâmbio no ISCTE, Lisboa (Bolsa Santander). É especialista em Lobbying com formação pelo Public Affairs and Advocacy Institute em Washington-DC e pelo European Public Affairs and Advocacy Institute em Bruxelas, ambos vinculados a American University. É mestre e doutora em Relações Internacionais pelo Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais (PPGRI) San Tiago Dantas – Unesp, Unicamp e PUC-SP, com estágio de pesquisa na Georgetown University (BEPE/Fapesp). Também no PPGRI San Tiago Dantas realizou Pesquisa de Pós-Doutorado com duas bolsas: PNPD Capes (2017) e PDJ do CNPq (2017/2018). Realizou summer course promovido pelo Instituto Confúcio na Unesp sobre mandarim e Cultura Chinesa na Hubei University, China.

É professora adjunta da Universidade Federal de Goiás (UFG), lecionando no curso de Relações Internacionais e no Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (PPGCP). Coordena o Programa de Extensão Politizar com parcerias com ALEGO e Câmara Municipal de Goiânia. É pesquisadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Estudos sobre os Estados Unidos (INCT-INEU), da Rede de Estudos Agroalimentares (REDAGRI), da Rede Brasileira de Estudos da China (RBChina), da Rede Brasileira de Bioquerosene e Hidrocarbonetos Renováveis para Aviação (RBQAV) e do Núcleo de Estudos Globais (NEG/UFG), no qual foi coordenadora (2018-2021). É integrante do Conselho de Diretores da Advanced Biofuels USA nos Estados Unidos e colaboradora em relatório da UNCTAD (2016), além de membra fundadora e responsável pelas Relações Institucionais e Governamentais da Cátedra Sergio Vieira de Mello na UFG. Coordena a Coluna Panorama no Jornal UFG. É diretora da Regional Centro Norte da Associação Brasileira de Ciência Política.

Divisão em painéis

O evento desta quarta-feira foi dividido em três painéis, que abordarão assuntos, previsões e propostas relativas ao tema. O Painel 1, marcado para as 9h30, apresenta a proposta “Carro híbrido a etanol (desafios e oportunidades da academia ao mercado)”, enquanto o Painel 2, às 10h30, leva o tema “Carro híbrido: Um conceito sustentável – Carro elétrico é mesmo sustentável?” e o Painel 3, às 11h30, tem o assunto “O novo ciclo do etanol: Qual o caminho para o etanol se consolidar como principal fonte sustentável de energia para o futuro?”.
 
Os convidados

A mediação do Painel 1 será de Wagner Firmino de Santana (presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC) e os convidados são Pablo Di Si (presidente e CEO da Volkswagen Região SAM – América do Sul, América Central e Caribe), Dr. Alessandro Pansanato Rizzato (diretor do IPT Open Experience no Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT) e Dr. Fabio Coral Fonseca (tecnologista sênior do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares-IPEN e gerente do Centro de Células a Combustível e Hidrogênio-CECCO).

O Dr. Rodrigo Fernando Costa Marques (do Instituto de Química da UNESP/Araraquara) fará a mediação do Painel 2, que contará com os palestrantes: Rafael Chang (presidente da Toyota do Brasil), Dr. Pedro Teixeira Lacava (professor associado do Instituto Tecnológico de Aeronáutica-ITA e um dos coordenadores do Laboratório de Combustão, Propulsão e Energia-LCPE) e Wellington Messias Damasceno (diretor administrativo do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC – SMABC).

Já o Painel 3 terá mediação de Erick Pereira da Silva (presidente da FEM-CUT/SP) e os convidados são Antonio de Pádua Rodrigues (diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar-UNICA), a Dra. Laís Forti Thomaz e Edinho Silva (prefeito de Araraquara, graduado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista-UNESP de Araraquara e mestre em Engenharia de Produção na Universidade Federal de São Carlos-UFSCar).

A organização do encontro será da Prefeitura de Araraquara e a realização, além da própria Prefeitura, conta também com o CEAR, a Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT-SP (FEM-CUT/SP) e o Instituto de Química da Unesp Araraquara (CEMPEQC). O evento tem o apoio da EPTV, Cidade On Araraquara, G1, CBN Araraquara, Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Consórcio de Municípios da Região Central do Estado de São Paulo, Volkswagen, Toyota, UNICA e Posto Fiel.