Festival Aldir Blanc divulga escritores de Araraquara

Por meio de link no Facebook da Prefeitura de Araraquara será possível acessar os textos dos escritores selecionados

30

Tem literatura no Festival Aldir Blanc! Nesta quarta-feira (24), a partir das 15 horas, pela página da Prefeitura de Araraquara no Facebook será possível acessar um link para a exibição de nove textos de literatura selecionados pelo festival.

Os trabalhos selecionados são: “Há Cartas”, de Rodrigo Vulcano; “Nossa Bandeira sempre foi Vermelha”, de Michael Douglas; “O Girassol da Tarde”, de Breno Rodrigues de Paula; “O que eu espero”, de Mariana Ruiz; “Considerações sobre o cálculo sensorial alfarrogébrico”, de Danilo Forlini; “Íntimo”, de Rodrigo Bottari; “As Revelações da Máscara”, de Dorival Celestino; “Do que são feitos os corpos”, de Eduardo Pires e “Com os olhos no abismo ou a alma que transmutou a própria dor”, de Tadeu Marcato.

O Festival Aldir Blanc vem reunindo produções realizadas pelos artistas que vivem em Araraquara e foram selecionados pelo edital da Lei Aldir Blanc. Os trabalhos variados, com apresentações em diversas linguagens artísticas, seguirão com apresentações até março, no canal da Prefeitura de Araraquara no YouTube e Facebook.

A programação do Festival Aldir Blanc, ainda nesta semana, de 26 a 28 de fevereiro, apresenta diversos vídeos com apresentações de linguagens artísticas, a partir das 20 horas.

Em março, o Festival apresenta: Artes Plásticas (postagem no Facebook no dia 03); nos dias 04 e 08 , às 15 horas, serão apresentados os vídeos das Oficinas Culturais. Dias 05, 06, 07 e 09 de março, sempre às 20 horas, tem vídeos de apresentações. Por fim, no dia 10, três podcasts serão apresentados a partir das 20 horas.

Para visualizar os links com os trabalhos de literatura selecionados, acesse: www.facebook.com/prefeituraararaquara. A Lei Aldir Blanc é uma iniciativa do Governo Federal que, em Araraquara, conta com o suporte da Prefeitura de Araraquara – por meio da Secretaria Municipal de Cultura e do FUNDOARA.

Trabalhos selecionados: 

– “Há Cartas”, de Rodrigo Vulcano

– “Nossa Bandeira sempre foi Vermelha”, de Michael Douglas

– “O Girassol da Tarde”, de Breno Rodrigues de Paula

– “O que eu espero”, de Mariana Ruiz

– “Considerações sobre o cálculo sensorial alfarrogébrico”, de Danilo Forlini

– “Íntimo”, de Rodrigo Bottari

– “As Revelações da Máscara”, de Dorival Celestino

– “Do que são feitos os corpos”, de Eduardo Pires

– “Com os olhos no abismo ou a alma que transmutou a própria dor”, de Tadeu Marcato