Estádio da Fonte Luminosa completa 70 anos

A atual Arena da Fonte já viu grandes craques em seus gramados em 7 décadas de história

129

Nessa quinta-feira (10), o estádio Dr. Ademar de Barros, o antigo estádio da Fonte Luminosa, completou 70 anos de inauguração. Na estreia, em 10 de junho de 1951, o time da Ferroviária recebeu o Vasco da Gama e perdeu por 5 a 0. O primeiro gol no gramado araraquarense foi marcado por Friaça, que foi autor do gol de honra da Seleção Brasileira na derrota por 2 a 1 para o Uruguai na final da Copa do Mundo de 1950.

Ao longo das décadas, o local passou por diversas reformas. Mas foi em 2008 que foi realizada a sua transformação em uma arena multiuso. O então prefeito Edinho Silva (PT), na ocasião terminando seu segundo mandato, tinha como meta impedir que o estádio fosse à leilão e se tornasse foco de empreendimentos imobiliários. Apesar de ser muito criticado, o prefeito conseguiu reverter a situação em uma operação junto ao Clube Araraquarense e a partir daí decidiu reformar o estádio, que foi municipalizado. Com insistência, Edinho conseguiu angariar uma verba de R$ 20 milhões junto ao então ministro dos Esportes, Orlando Silva. Mais R$ 5 milhões foram levantados a partir de uma parceria com a Funcef que envolveu os pavilhões da Facira. No final, já em 2009, a obra necessitou de mais dois milhões, que foram completados pelo prefeito Marcelo Barbieri (MDB), totalizando R$ 27 milhões.

Em 2008, o estádio teve parte da sua estrutura demolida para o início das obras da nova Fonte Luminosa. No período entre junho de 2008 e outubro de 2009, o time grená mandou seus jogos, inicialmente em Taquaritinga e depois no recém-inaugurado Estádio Cândido de Barros, no Jardim Botânico.

Arena da Fonte

Sua reinauguração como arena multiuso aconteceu no dia 22 de outubro de 2009, quando os araraquarenses lotaram as arquibancadas com o maior público já recebido no local, de 21.254 pessoas, marca que superou o recorde de 19.421 torcedores estabelecido em 1993 na partida em que a Ferroviária perdeu para o Palmeiras por 1 a 0 pelo quadrangular final do Paulistão. Na partida de 2009, no entanto, não houve cobrança de ingressos, já que um dos patrocinadores da época comprou e distribuiu as entradas.

Curiosidade sobre o estádio da Fonte Luminosa

O grande radialista e comentarista esportivo Wilson Silveira Luiz destacou um fato curioso ocorrido no ano de 1956, quando a Ferroviária subiu de divisão com o placar de 6×3 sobre o time do Botafogo de Ribeirão Preto. “Quando a Ferroviária subiu com a vitória sobre o Botafogo de Ribeirão, a Federação exigiu o aumento da capacidade do estádio, mas o governador Jânio Quadros não autorizava esse tipo de despesa, pois havia uma contenção de despesas na época. Então, foi resolvido que nós, eu e os filhos de ferroviários, levaríamos as marmitas lá nas oficinas para os operários, aí eles comeriam, lavariam as marmitas e, em seguida, as enxeriam de porcas e parafusos que seriam colocados nas novas arquibancadas de madeira para que o estádio chegasse a capacidade exigida pela Federação. Esse é apenas um detalhe da maravilhosa história do estádio Dr. Ademar de Barros, o estádio da Fonte Luminosa”, relembra Wilson Luiz.

Fotos: Arquivo Tetê Viviani