Educação distribuiu 194 mil cestas de alimentos para alunos da Rede Municipal

Com atendimento presencial, alimentação escolar será retomada nas unidades

76

A Prefeitura de Araraquara, por meio da Secretaria Municipal da Educação, iniciou em abril de 2020, quando da interrupção das aulas presenciais na Rede Municipal da Educação em virtude da pandemia do coronavírus, a distribuição de kits de alimentos estocáveis e cestas de hortifrútis granjeiros adquiridas de pequenos produtores e da agricultura familiar aos pais ou responsáveis pelos estudantes matriculados nas escolas públicas municipais de educação infantil, ensino fundamental e Educação de Jovens e Adultos.

O objetivo sempre foi garantir o direito à alimentação de qualidade, especialmente aos mais vulneráveis, em razão da excepcionalidade que motivou a suspensão das aulas presenciais. Pouco tempo depois, essa distribuição foi ampliada alcançando todos os matriculados que fizeram suas solicitações, tendo como premissa que a alimentação escolar é um direito dos alunos da educação pública.

Foram, ao todo, 99.989 kits de estocáveis (arroz, feijão, ovos, carnes e etc) e 94.046 kits de hortifrútis, totalizando 194.035 cestas no período de 2020 e 2021, atendendo mensalmente 10.297 famílias cadastradas.

Com o retorno das atividades presenciais nas unidades da Rede Municipal da Educação, o trabalho nutricional e de segurança alimentar realizado nas unidades educacionais volta a ter papel fundamental e central, com fornecimento de todas as refeições previstas no turno escolar do aluno matriculado. Sendo assim, com o retorno completo da alimentação escolar, não haverá mais a distribuição de kits aos alunos.

Mas, vale ressaltar que as famílias que necessitam de apoio alimentar devem procurar a Rede de Assistência Social como o CRAS (Centro de Referência da Assistência Social) no bairro ou a sede da Secretaria da Assistência e Desenvolvimento Social. A Prefeitura mantém, de forma perene, vários programas de segurança alimentar e nutricional. Para este atendimento é preciso apenas o cadastro que é feito com base em critérios socioeconômicos e de vulnerabilidade.