‘É preciso investir na organização da economia solidária’, reforça Edinho

Prefeito sancionou duas leis que incentivam o desenvolvimento do cooperativismo em Araraquara, em evento online na quinta-feira (8)

58

O prefeito Edinho sancionou, na quinta-feira (8), duas leis que incentivam o cooperativismo em Araraquara e reforçou que a economia solidária deve ser uma política pública estruturante dentro do poder público.

Em evento online no Facebook da Prefeitura, Edinho sancionou a criação do programa “Coopera Araraquara”, do Conselho Municipal do Trabalho e de Economia Solidária (fusão de dois conselhos já existentes) e do Fundo Municipal do Trabalho e de Economia Criativa e Solidária, responsável por fomentar o novo programa. Os projetos foram de autoria da Prefeitura e aprovados pela Câmara Municipal.

“Vivemos um momento muito difícil. Junto com a pandemia e a tragédia humana causada pela Covid-19, também veio uma depressão econômica, aumentando o desemprego e a vulnerabilidade social das famílias. Neste momento, em que o mundo pós-pandemia não será igual ao mundo antes da pandemia, nós precisamos investir nossas forças e energias, todos os dias, na organização da economia solidária”, disse Edinho.

“Sempre defendi a economia solidária como uma política estruturante. O cooperativismo é uma forma de mostrarmos para a sociedade que é possível gerar e distribuir renda sem que haja submissão do trabalho. É uma política de combate ao desemprego, mas que também desenha um novo modelo de sociedade. Estamos em busca desse objetivo”, complementou o prefeito.

A coordenadora de Trabalho e de Economia Criativa e Solidária, Camila Capacle, destaca que as novas cooperativas precisam de apoio técnico, de gestão, jurídico, contábil, de marketing e subsídio para começar, como toda pequena empresa.

“O ‘Coopera Araraquara’ fomenta o cooperativismo e a economia solidária, além de dar apoio jurídico para expandir as ações da Incubadora Pública de Economia Criativa e Solidária e dos demais programas que ela abrange e incentiva no município”, explicou Camila.

A vice-presidente da Câmara, Thainara Faria (PT), parabenizou a Prefeitura pela iniciativa. “Foi um orgulho receber esses projetos no Legislativo, o que mostra o compromisso do governo com a economia solidária. Acredito que o trabalho cooperado é o futuro do empreendedorismo. Não explorar as pessoas pelo capital”, afirmou a vereadora.

O vice-prefeito e secretário do Trabalho, Desenvolvimento Econômico e Turismo, Damiano Neto, destacou que o cooperativismo ganha ainda mais peso em meio à crise gerada pela pandemia. “A geração de emprego e renda é fundamental neste momento, combatendo o desemprego e levando mais esperança às famílias.”

A secretária de Direitos Humanos e Participação Popular, Amanda Vizoná, relatou que as mulheres e os jovens são os que mais estão sofrendo com a atual crise. “O nível de desemprego entre mulheres nunca foi tão grande desde a década de 1990. A gente tinha uma crise do capital, mas que agora a pandemia vem e agrava. É muito importante que o poder público esteja atento e elabore políticas públicas que deem resposta à sociedade”, declarou.

Marcela Novaes, presidente da Cooperativa Vitória Multisserviços, criada com apoio da Prefeitura, participou da live e também deu seu relato pessoal. “A cooperativa mudou muito a minha vida. São 33 cooperados, sendo quatro mulheres na diretoria. As decisões são tomadas por todos os cooperados. Estamos com dois contratos abertos, gerando empregos para todos nós. Isso une os trabalhadores e beneficia várias famílias”, afirmou Marcela.

O evento online ainda contou com presenças de mais dois especialistas na área. Jairo Santos, representando a Rede de Gestores de Políticas Públicas de Economia Solidária, enalteceu o trabalho feito em Araraquara. “Esse novo programa é um exemplo que a Rede de Gestores quer mostrar para todo o País.”

Para o professor Sérgio Fonseca, do Núcleo de Extensão e Pesquisa em Economia Solidária, Criativa e Cidadania da Unesp/FCLAr, é preciso pensar em novas relações de trabalho. “As leis sancionadas apontam em direção ao futuro e reconhecem as grandes transformações que estão ocorrendo no mundo do trabalho”, analisou.

Ainda participaram do evento, por plataforma online, as vereadoras Fabi Virgílio (PT) e Filipa Brunelli (PT).

Sobre o programa

O “Coopera Araraquara” visa à diminuição do desemprego, da desigualdade social e a geração de emprego e renda como alternativas para a crise econômica enfrentada pelo País, agravada pela pandemia da Covid-19.

São considerados beneficiários do “Coopera Araraquara” os empreendimentos econômicos solidários cadastrados e selecionados, por meio de edital, para processo de incubação na Incubadora Pública de Economia Criativa e Solidária (IPECS).

Para serem selecionados no edital, os empreendimentos precisam ter residência e domicílio em Araraquara, ser compostos por pelo menos quatro pessoas trabalhando coletivamente, ter os integrantes com idade mínima de 18 anos ou serem emancipados, ser majoritariamente compostos por pessoas de diferentes famílias, dedicar-se a segmento econômico definido e possuir produtos ou serviços definidos ou em fase de definição, entre outros requisitos.

O incentivo ao cooperativismo já é uma prática da atual gestão. Desde 2019, diversas cooperativas foram criadas com o apoio da Prefeitura, como a Panelas Unidas (alimentação), a Vitória Multi Serviços (serviços gerais), a CoperMorada (construção civil) e a Sol Nascente (egressos do sistema prisional). Todas já estão atuando e gerando renda.