Dois novos cães de detecção vão reforçar a fiscalização agropecuária em portos, aeroportos e fronteiras

Os animais ajudam a identificar produtos que não podem entrar no país. Eles atuam nas fiscalizações de passageiros, bagagens encomendas e cargas de material importado

16
Gael e Hunter são os mais novos integrantes da equipe do Centro Nacional de Cães de Detecção (CeNCD) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Os novos cães, da raça pastor belga malinois, se juntarão a Léo, Frida, Meg e Vamp para reforçar a fiscalização agropecuária brasileira em portos, aeroportos e postos de fronteira.
Utilizados pela Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), os animais são uma ferramenta ágil e versátil nas buscas de produtos de interesse agropecuário de ingresso proibido no Brasil ou controlados. Eles atuam nas fiscalizações de passageiros, bagagens despachadas, bagagens acompanhadas, encomendas em correios e cargas de material importado.
“A eficiência do cão é altíssima, ele é uma ferramenta complementar de identificação de produtos na fiscalização”, relata o auditor fiscal federal agropecuário, Romero Teixeira. Segundo o servidor, o cão gasta em média 3 segundos para fiscalizar um passageiro e bagagem, e 20 segundos um container de carga.
Além dos dois novos cães, o Mapa ainda irá receber mais oito animais para compor as novas equipes K9 a serem criadas em atendimento às demandas do Vigiagro. Estes cães são frutos de um projeto conjunto do CeNCD com o Ministério Público do Distrito Federal e dos Territórios (MPDFT), no qual os animais selecionados foram adquiridos com recursos financeiros originários de uma ação judicial conduzida pelo MPDFT.
Seleção
 
A seleção de um cão farejador começa com a avaliação do canil fornecedor para verificação das condições de higiene e estrutura do local.
A escolha do animal passa por uma avaliação comportamental, com testes em locais públicos, e física com a realização de exames laboratoriais veterinários.
“O cão precisa ser saudável fisicamente, ter porte e musculatura adequadas para desempenho de atividades físicas. É também necessário ser um cão de fácil aceitação de aprendizado e de comandos, ser calmo e tranquilo, e ter uma alta possessividade com brinquedos”, detalha Teixeira.
Treinamento
 
Um novo cão leva em média de 3 a 8 meses para ser treinado o faro em odores de produtos agropecuários que possam ameaçar a produção nacional, como frutas, carnes, queijos, mel, entre outros.
O dia a dia dos animais também é de suma importância para fixar os aprendizados. Para isso, o cães tem uma rotina de treinamentos diários. Logo pela manhã, os cachorros são soltos para brincadeiras e outras atividades ao ar livre, enquanto é realizada a limpeza e assepsia dos canis.
O treinamento ou trabalho começa com a vestimenta do colete para que o animal já compreenda que ele está em serviço. Se for treinamento, os cães são deslocados para uma área com circulação de público para que tenha “distratores” – como pessoas, barulho, carros – para que pratiquem a procura por odores dos produtos de formas variadas. Já se for trabalho, se deslocam ao aeroporto para realização da fiscalização do voo.
Também são feitos treinamentos de socialização. “Esse é tão importante como o treinamento de detecção. Passeamos com o animal em áreas de atuação para se tornar comum a ele”, destaca o auditor fiscal federal agropecuário.
Obrigatoriedade do uso de cães farejadores
 
O uso de cães farejadores pelo Ministério da Agricultura nas operações de fiscalização sanitária é tema do Projeto de Lei 6028/2019, que está em análise na Câmara dos Deputados. O texto já foi aprovado pelas Comissões de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural e de Finanças e Tributação.
O projeto prevê que os cães farejadores sejam de uso obrigatório nas ações de fiscalização do Mapa em fronteiras internacionais e ainda um regulamento que estabelecerá a quantidade de cães a ser empregada em cada porto, aeroporto e posto de fronteira, bem como os prazos para efetivação da medida.