Dia dos Namorados em Araraquara: consumidores priorizam roupas e pagamento à vista

Segundo pesquisa do Núcleo de Economia do Sincomercio Araraquara, vestuário aparece como item mais procurado pelos casais, que também demonstram preocupação com os protocolos de segurança

46

O Dia dos Namorados, que ocorre no próximo dia 12 de junho, encerra o primeiro semestre no calendário de datas comemorativas do varejo. E para avaliar o comportamento dos consumidores e identificar de que forma a atual conjuntura deve afetar as vendas na ocasião, o Núcleo de Economia do Sincomercio Araraquara realizou a Pesquisa de Intenção de Compras para a data.

Efetuado por meio de um questionário online, o estudo contou com a participação de homens e mulheres, maiores de 18 anos, residentes em Araraquara: 52% do gênero feminino e 48% do gênero masculino. A maior parcela dos homens entrevistados (18%) tem entre 50 e 64 anos, enquanto a maior parte das mulheres (18%) tem entre 30 e 39 anos. No total, os participantes responderam 15 perguntas, 13 fechadas e duas abertas.

Segundo a pesquisa, 62% dos consumidores pretendem ir às compras neste Dia dos Namorados e os estabelecimentos mais procurados serão as lojas de vestuário (38%), floriculturas e chocolatarias (23%), além do setor de perfumes e cosméticos (13%). Em relação ao ano passado, as lojas de roupas, perfumes e cosméticos continuam sendo as mais procuradas pelos casais que vão presentear. Contudo, foi observada uma queda na busca por relógios, joias e bijuterias, dando lugar às flores, aos chocolates e às cestas de café da manhã.

Dentre os entrevistados que não pretendem ir às compras, 48% afirmaram não ter a quem presentear, 26% deverão utilizar outras formas de homenagear, 22% alegaram que não vão presentear por motivos financeiros e 4% não justificaram a decisão.

Valor maior e pagamento à vista

Este ano, o valor gasto em presentes deve ser maior que no ano passado, variando entre R$ 149,10 e R$ 188,50*. O consumo médio de R$ 168,78 representa aumento de 7,5%, ou R$ 11,72, se comparado ao valor apurado em 2020, quando os consumidores revelaram intenção de gasto de R$ 157,06. Em termos reais, considerada a inflação acumulada em 12 meses (6,8%) **, houve aumento de 0,7% ou R$ 1,10.

O resultado de estabilidade em termos reais confirma o depoimento dos consumidores de gastarem aproximadamente o mesmo valor que o ano passado em presentes, como relatado por 41% dos entrevistados.

Já em relação à forma de pagamento, o número de interessados em fazer as suas compras à vista teve um aumento significativo. Em 2020, 62% dos entrevistados pretendiam pagar os presentes em uma única parcela, enquanto 38% utilizariam a opção de parcelamento. Este ano, 83% deverão comprar os presentes à vista e apenas 17% farão o pagamento a prazo, revelando maior cautela dos consumidores, que estão reduzindo a disposição em se endividar.

Compras presenciais

O comércio local deve ser responsável por 65% das vendas neste Dia dos Namorados, o que demonstra boas expectativas com a maior flexibilização das atividades e a ampliação do horário de atendimento. A modalidade de compra presencial voltou a ser a mais procurada pelos consumidores, com 49% das intenções de consumo, sendo que outros 16% pretendem fazer suas compras localmente, utilizando as modalidades de delivery, drive-thru e take away. Os 35% restantes farão suas compras pelo e-commerce tradicional.

João Delarissa, analista econômico do Núcleo de Economia do Sincomercio Araraquara, explica essa preferência pelo presencial. “Acreditamos que esse resultado está associado, além da reabertura gradual do comércio, ao perfil dos consumidores avaliados nesta edição, que teve participação expressiva de pessoas com 40 anos ou mais”, diz.

Os entrevistados também foram questionados se deverão repetir as lojas em que realizaram a compra do presente de Dia dos Namorados de 2020, e 25% afirmaram que sim. Desses, 22% farão suas compras em lojas físicas e 3% no e-commerce. Os outros 75% vão comprar os presentes em um estabelecimento diferente do ano passado, dos quais 43% deverão comprar no comércio físico e os outros 32% no virtual.

Considerando uma possível suspensão das atividades durante a semana que acontece o Dia dos Namorados, os participantes foram questionados sobre a sua decisão caso as lojas estiverem fechadas por medidas sanitárias, tendo em vista o atual cenário de incertezas. Nesse ponto, a grande maioria dos entrevistados (83%) utilizaria as alternativas viáveis para a compra, como delivery, drive-thru, take away e o e-commerce. Outros 13% deixariam de presentear se a compra não pudesse ser feita presencialmente, e 3% adiariam até a volta do atendimento presencial.

Vitrine virtual e protocolos de segurança

Os consumidores apontaram que as redes sociais (33%) são, atualmente, o meio de divulgação mais influente no processo de escolha dos locais de compra. Marketplace e sites próprios das lojas (16%) foram a segunda opção mais lembrada pelos entrevistados, juntamente com a recomendação de amigos, família ou do próprio parceiro (16%). As vitrines ou a exposição de produtos na loja (12%) e as ferramentas digitais de pesquisa e os comparadores de preço online (10%) completam a lista dos meios de divulgação mais influentes hoje em dia.

Qualidade no atendimento e promoções foram os pontos apontados como fundamentais para uma boa experiência de compra para a maioria dos entrevistados, ambos recebendo 30% dos votos. A adequação dos estabelecimentos às medidas de combate ao coronavírus também foram declaradas como imprescindíveis durante as compras para 24% dos consumidores. Em menor grau, estão as questões relacionadas aos meios e às condições de pagamento – 14% levam em conta a disponibilidade de meios de pagamento (débito e crédito, pix, carteiras digitais, crediário etc.) e 2% citaram o parcelamento das compras.

Expectativa positiva

Segundo a Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (PCCV), elaborada pela FecomercioSP, o faturamento do varejo paulista deverá atingir cerca de R$ 69 bilhões, em junho de 2021. A projeção representa crescimento de 5,7%, ante junho do ano passado, que foi o segundo melhor mês do primeiro semestre em vendas naquele ano, tendo crescido 2,8% em comparação a junho de 2019. Em comparação a junho de 2019, a taxa de crescimento estimada para este mês chegaria a 8,7%.

As estimativas de faturamento para o Estado de São Paulo apresentadas pela entidade tomam por base a combinação de alguns fatores importantes: uma maior confiança dos consumidores em relação ao controle da pandemia, a consolidação da nova etapa do Auxílio Emergencial, a antecipação da 1ª parcela do 13º salário para aposentados e pensionistas e uma elevação da demanda após uma das fases mais restritivas desde o início da pandemia.

A expectativa é de que, pela primeira vez desde o início da pandemia, uma data comemorativa deva contribuir efetivamente para o aumento das vendas mensais do varejo, e não somente para a recuperação das perdas registradas até o momento. Vale lembrar que, de acordo com a entidade, “a natureza do Dia do Namorados incentiva muito mais as comemorações noturnas em restaurantes, bares e hotéis/motéis do que no consumo de presentes”.

O Dia dos Namorados integra o ranking das três datas mais importantes no calendário do varejo, ao lado do Dia das Mães e do Natal. “O mês de junho oferece uma ótima oportunidade aos estabelecimentos de Araraquara, seja para reforçar o fluxo de caixa, seja para conquistar e fidelizar novos clientes. O intuito da pesquisa do Sincomercio, então, é auxiliar os empresários do setor a avaliarem as expectativas para elaborar um planejamento que atinja o seu público-alvo”, destaca Delarissa.