De cada dez óbitos por Covid-19 em fevereiro, quatro foram abaixo dos 60 anos

Das 89 vítimas fatais da doença em Araraquara no mês passado, 34 não eram idosas; autoridades nacionais de saúde alertam para o pior momento da pandemia

42

O agravamento da Covid-19 em pacientes mais jovens, que antes não integravam os grupos de risco, vem sendo alertado pelas autoridades de saúde e pode ser confirmado nos números: das 89 mortes pela doença em Araraquara no mês de fevereiro, 34 delas foram de pessoas abaixo de 60 anos. Ou seja, 38%.

No ano passado inteiro, 17 dos 92 óbitos foram de pessoas não idosas, o que representou 18%. Essa mudança de perfil é alertada pelos profissionais de saúde do município desde o final de janeiro, quando se suspeitava que uma nova variante do vírus estivesse em circulação — fato confirmado no último dia 12 pelo Instituto de Medicina Tropical da USP (Universidade de São Paulo).

Em reportagem publicada no jornal Folha de S.Paulo no último domingo (28), autoridades nacionais de saúde relataram que as UTIs estão recebendo pessoas mais jovens, entre 30 e 50 anos, em situação mais grave e que estão demandando mais tempo de internação — de dois a cinco dias a mais na UTI em relação aos pacientes dos primeiros meses da pandemia, o que prejudica o giro de leitos.

Segundo estudo da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), os adultos infectados pela variante brasileira P.1. do coronavírus (conhecida como cepa de Manaus, que circula em Araraquara) têm uma carga viral dez vezes maior do que adultos infectados por outras ‘versões’ do vírus. A nova variante se torna mais propensa a se espalhar mais rápido.

O Brasil enfrenta o pior momento da pandemia, com média móvel diária acima de 1.000 mortos há 40 dias consecutivos. O Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) divulgou uma carta na segunda-feira (1º) pedindo medidas nacionais de isolamento social e prevenção da doença.

Em reunião online nesta terça-feira (2) com os prefeitos do estado, o governador João Doria (PSDB) e autoridades de Saúde alertaram que São Paulo possui o maior número de internações desde o início da pandemia: são 7.415 internados em UTIs em todo o estado, contra 6.250 em julho de 2020 (que era o pico). A média de ocupação de UTIs é de 75%, mas diversas regiões, como Araraquara, já ultrapassam 90%.

“Aquilo que Araraquara alertou há 20 dias já é a realidade brasileira. Era o prenúncio de algo que ocorreria no Brasil. Se não provocarmos o distanciamento social, nós vamos viver algo catastrófico no Brasil. Em questão de uma semana, o Brasil como um todo está se aproximando ou passando de 90% de leitos de UTI. É preciso conter a contaminação”, alertou o prefeito Edinho em entrevista ao “Jornal da Gazeta”, da TV Gazeta, na segunda-feira.

A explosão de casos, internações e óbitos em Araraquara reforçam a necessidade de respeitar os decretos municipais com as medidas de isolamento social. A população só deve sair de casa se for necessário. Ainda há muita pressão sobre os leitos de UTI e enfermaria, com ocupação de 100% desde a semana passada.

Óbitos por Covid-19 em Araraquara em fevereiro (89 ao todo):

20 a 29 anos: 1
30 a 39 anos: 7
40 a 49 anos: 11
50 a 59 anos: 15
60 a 69 anos: 22
70 a 79 anos: 15
80 a 89 anos: 13
90 a 99 anos: 5