Cursos de música do maestro João Carlos Martins têm mais de 600 alunos em todo o Brasil

O curso, online e gratuito, tem como objetivo o aperfeiçoamento de instrumentistas de orquestras e bandas

32

A iniciativa faz parte do Projeto Orquestrando o Brasil, liderado pelo maestro João Carlos Martins que visa elevar a qualidade musical dos instrumentistas de orquestras e bandas do país inteiro, principalmente das localidades mais distantes e sem acesso às escolas de música. Lançado em março deste ano, o Programa de Capacitação para Instrumentistas de orquestras e bandas, já alcançou, em pouco mais de um mês, mais de 600 alunos de todo o Brasil.

 

As 60 videoaulas da primeira etapa do curso, abrangem as quatro famílias da orquestra, Cordas, Madeira, Metais e Percussão. O programa disponibilizará também aulas de canto coral e iniciação musical, através do ensino de flauta doce. As aulas são ministradas por alguns dos melhores professores do país, escolhidos entre os integrantes das principais orquestras brasileiras, como a Bachiana Filarmônica, Osesp, Sinfônica do Theatro Municipal, Orquestra da USP entre outras.

 

Para Adenilson Telles, coordenador musical do Orquestrando, o diferencial deste programa é que as aulas são interativas, ou seja, o aluno tem a oportunidade de tocar junto com o professor. “As aulas são bem didáticas e de fácil entendimento. Em pouco mais de um mês de lançamento, já temos alunos de Norte a Sul do Brasil, alguns com experiência na música, outros nem tanto. Mas o fato é que o número de interessados só aumenta.

 

As aulas são disponibilizadas na plataforma digital do projeto semanalmente, e podem ser acessadas em qualquer momento, de forma online e gratuita no link https://orquestrandobrasil.com.br/curso-de-capacitacao/. Os alunos matriculados e com frequência comprovada receberão um diploma após concluída a primeira etapa do programa.

 

“É muito emocionante perceber a adesão e o engajamento de tantos maestros, em locais tão diversos de todo o Brasil. Isso mostra a força da cultura e o poder de arregimentação deste projeto, liderado pelo maestro João Carlos Martins. Um dos seus objetivos é romper o isolamento de grupos muito distantes dos grandes centros, com poucas oportunidades de terem acesso à um ensino de qualidade”, disse o diretor executivo José Roberto Walker, no lançamento do programa feito no formato de live.

 

O evento on-line contou com a participação de cerca de 80 regentes, coordenadores de projetos musicais e representantes de grupos dos estados de Alagoas, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e São Paulo.

 

Ana Santana, professora de música da Orquestra Sinfônica de Rorainópolis, ressalta a importância dessa iniciativa, principalmente para projetos como o dela, que tem como o maior desafio, conseguir professores capacitados, uma vez que eles estão no meio da Amazônia, a 300km de Boa Vista – RR.

 

O mesmo acontece com o regente Leandro Oliveira, responsável pela formação da primeira orquestra sinfônica do interior do estado de Rio Grande do Norte, a Orquestra Filarmônica Pauferrense, em Pau dos Ferros/RN, cidade distante à 400 km de Natal. “O isolamento geográfico sempre foi um grande desafio para nós e saber de iniciativas como essa do Orquestrando é muito importante porque nos mostra que não estamos sozinhos, nessa nobre causa de guiar e transformar o contexto social através das nossas orquestras. É a motivação que precisamos para continuar a luta pela música”.

 

“Vivemos tempos difíceis, principalmente no que se refere as artes. Participar desse projeto é uma esperança, disse o maestro Rui Kopp de São João do Meriti -RJ.

 

Para o maestro João Carlos Martins os regentes são pessoas chave na vida musical das suas regiões. “O maestro tem um papel tão importante quanto do prefeito, numa comunidade. Este projeto Orquestrando está apresentando resultados tão espetaculares que já atrai a atenção de outros países da América Latina e de outros continentes”, ressaltou.