Coronavírus é detectado na maior parte da rede de esgoto de Araraquara

Dos 50 pontos avaliados na pesquisa, 35 detectaram a presença do vírus

43

Em março, o vereador João Clemente (PSDB) apresentou o Requerimento nº 240/2021, em busca de informações sobre o monitoramento, via rede de esgoto, do novo coronavírus em Araraquara, realizado pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Araraquara, em parceria com a Prefeitura e o Departamento Autônomo de Água e Esgotos (Daae). Em junho, o parlamentar reforçou o pedido, por meio do Requerimento nº 549/2021. No dia 11 de agosto, a Prefeitura enviou resposta, com os primeiros resultados da pesquisa.

No documento, Clemente também perguntava se, com o levantamento setorizado, possibilitando identificar um foco maior de pessoas contaminadas em determinada região, a Secretaria de Saúde conseguiria atuar com mais eficácia no controle da doença e quais medidas seriam adotadas nesse sentido.

Primeiramente, o Daae explicou que o monitoramento tem sido realizado na rede de esgoto, cujos efluentes, após tratamento, são lançados ao rio, não existindo, no momento, análises de carga viral nas redes de água que abastecem o Município. A autarquia também informou que, quando detectada a presença do vírus em determinada região da cidade, a Secretaria da Saúde passa a monitorar aquela área.

Monitoramento 

No relatório técnico apresentado em julho, os cientistas explicaram a metodologia de análise. Diante de uma área urbana de 80 km², foram delimitados 50 poços de visitas (PVs), locais por onde é feito o acesso à rede de esgoto, de forma que torne possível captar os efluentes de áreas representativas da cidade.

De acordo com o documento, as coletas de esgoto começaram em maio deste ano. Após a retirada do material dos pontos de visitação, a amostra é refrigerada e passa por um processo técnico de ajuste de pH, filtração e extração de RNA (ácido ribonucleico) para, posteriormente, ser feita a análise e detecção de genes do novo coronavírus.

No último levantamento, realizado entre 11 e 17 de julho, 35 PVs apresentaram resultado positivo para o vírus, 18 tiveram resultado inconclusivo — podendo, ou não, ter presença do vírus — e nenhum teve resultado negativo. Ao longo de toda a pesquisa, foram processadas 260 amostras oriundas de PVs e das Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) de Araraquara e do distrito de Bueno de Andrada. “O SARS-CoV-2 (novo coronavírus) foi detectado em diversas áreas do município em semanas alternadas ou consecutivas, o que é indicativo da contínua circulação do vírus no espaço urbano”, informam os pesquisadores.