Câmara de Araraquara enaltece trabalho de Talita Mazon, pesquisadora do CDMF

A pesquisadora Talita Mazon criou um dispositivo portátil de baixo custo para teste rápido de detecção do novo coronavírus a partir de amostras de saliva

54

A Câmara Municipal de Araraquara aprovou Requerimento de Congratulações – de autoria do vereador Rafael de Angeli (PSDB) –  à pesquisadora Talita Mazon pela criação de um dispositivo portátil de baixo custo para teste rápido de detecção do novo coronavírus a partir de amostras de saliva.

Integrante do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF), Talita Mazon lidera a equipe que desenvolveu o trabalho no Centro de Tecnologia da Informação (CTI) “Renato Archer”, vinculado ao Ministério  de Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), em parceria com a startup Visto.Bio.

No documento, aprovado por unanimidade pelos 18 vereadores na sessão da Câmara no último dia 16 de julho, o autor destaca que “Talita Mazon é araraquarense, fez Bacharelado em Química, Mestrado e Doutorado no Instituto de Química da Unesp de Araraquara e atualmente é Tecnologista Sênior no CTI ‘Renato Archer’, em Campinas”.

O vereador Rafael De Angeli ressalta ainda no Requerimento que Talita Mazon “trabalha na área de Materiais Avançados, com ênfase em Cerâmicas e Compósitos, atuando principalmente com a síntese de  nanoestruturas e filmes de óxidos semicondutores, piezoelétricos, ferroelétricos e dielétricos, grafeno e compósitos e a aplicação destes dispositivos em sensores, biossensores, energy harvesting e supercapacitores”.

O grupo liderado por Talita é formado pelas pesquisadoras Aline Macedo Faria, Noemí Angelica Vieira Roza e Agnes Nascimento Simões. A previsão é de que o teste chegue ao mercado ainda este ano, vindo a contribuir para ampliar a rastreabilidade do novo coronavírus, fator relevante para adotar medidas de controle à COVID-19.

CDMF

O CDMF é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), e recebe também investimento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a partir do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN).