Ato lança Frente Parlamentar de Direito à Cidade e Núcleo Araraquara do Br Cidades

Vereadores Fabi Virgílio (PT), Filipa Brunelli (PT) e Marcos Garrido (Patriota) integram a comissão de estudo

48

“Que cidade queremos? Que cidade é esta?” Com esses questionamentos, a vereadora Fabi Virgílio (PT) abriu, na noite de quarta-feira (10), o evento de lançamento do que considera dois marcos para o município: o Núcleo Araraquara do Br Cidades – um projeto que visa à construção de cidades socialmente justas e ambientalmente viáveis do Brasil -, e a Frente Parlamentar de Defesa do Direito à Cidade, uma iniciativa da parlamentar, em parceria com os vereadores Filipa Brunelli (PT) e Marcos Garrido (Patriota), aprovada por unanimidade na Câmara Municipal.

Reconhecida por sua atuação no campo do urbanismo e à frente de diversos movimentos de reforma urbanística, a arquiteta, urbanista e ativista Ermínia Maricato fez um retrospecto das conquistas legais obtidas nos últimos anos, como o Estatuto da Cidade e as leis dos Consórcios Públicos, do Saneamento Básico, da Mobilidade Urbana e dos Resíduos Sólidos. “Não faltam leis e conhecimento técnico, mas houve uma regressão nestes avanços”, analisa. Como propostas para cidades mais dignas, Ermínia defende: auxílio emergencial, reforma tributária, ocupação dos espaços públicos, combate ao analfabetismo urbanístico e disseminação de cursos de extensão e de canais de informação: “arquitetura não é luxo, engenharia não é luxo. É necessidade, é saúde”, afirmou.

O deputado federal Paulo Teixeira (PT) defendeu que a resposta para a crise das cidades, agravada pela pandemia, venha pela empatia e solidariedade. “Algumas formas de acolhimento são importantes, como a criação de núcleos de solidariedade ao nosso povo. A segunda forma é a economia solidária e a terceira é a retomada dos movimentos de luta por moradia”, pontuou.

Para a deputada estadual Márcia Lia (PT), “esta frente parlamentar vai ter um coletivo para que a força do coletivo seja de fato aquilo que possa nos empoderar para enfrentar as dificuldades que acontecem no dia a dia das cidades”.

Na opinião da vereadora Filipa Brunelli (PT), a iniciativa corrige uma exclusão histórica com alguns grupos minoritários. “É um debate extremamente necessário que há muito não é feito em Araraquara ou não foi feito da maneira correta, e hoje teremos oportunidade de debater o direito à cidade, o direito dessas minorias fazerem parte da cidade como um todo”, analisou.

A secretária municipal de Desenvolvimento Urbano, Sálua Kairuz Manoel Poleto, fechou o evento com a seguinte reflexão: “se a gente conseguir olhar para esta cidade e para aquilo que reverbera em outras cidades de mesmo porte, talvez esta seja a nossa grande contribuição para a rede Br Cidades, porque nós temos muito a falar, muito a mostrar de coisa positivas e daquelas que não deram certo e precisam ser combatidas”.

Também participaram do evento o professor e vice-presidente da Faculdade de Ciências e Letras (FCLAr) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Rafael Alves Orsi; a professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Luciana Gonçalves e representantes da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, do Núcleo São Paulo do Br Cidades, além de lideranças de movimentos sociais.