Araraquara dá início ao processo de tombamento de árvores centenárias

A ação é embasada no Código de Arborização Urbana do Município de Araraquara e visa preservar árvores de importância histórica

53

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, por meio da Coordenadoria Executiva de Áreas Verdes e Combate à Poluição e da Gerência de Arborização Urbana, iniciou o trabalho de identificação de árvores suscetíveis ao tombamento histórico.

A ação está embasada pelo Código de Arborização Urbana do Município de Araraquara – Lei Complementar 14/96, Capítulo VI, Artigo 54 que diz: Qualquer árvore poderá ser declarada imune ao corte mediante ato do Executivo Municipal, nas seguintes circunstâncias: por sua raridade; por sua antiguidade; por sua localização; por seu interesse histórico, científico, cultural ou paisagístico; por constituir-se em porta sementes.

O secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Carlos Porsani, explica que a Gerência de Arborização Urbana está realizando o levantamento das árvores suscetíveis ao tombamento histórico e encaminhará projeto de lei contendo relatório técnico demonstrativo ao poder legislativo para posterior análise. “Em seguida, após aprovado, será realizado o trabalho de identificação das árvores com placas e em alguns casos cercas de isolamento”. Porsani reforça que frequentemente serão realizadas vistorias técnicas para avaliar cada indivíduo, suas necessidades e a coleta de sementes oportunamente. “Novos indivíduos serão incluídos no projeto de tombamento, assim que forem identificados nas vistorias de rotina dos técnicos da Gerência de Arborização Urbana”.

O gerente de Conservação, Arborização e Biodiversidade, Fernando de João Braga, informa que até o momento oito árvores foram identificadas como centenárias e de elevada importância história, sendo elas um Jequitibá Rei no Jardim Pinheiros, uma Paineira Rosa no Assentamento Bela Vista, uma Jaqueira e um Cedro Rosa no Horto Municipal, uma Paineira Rosa em Bueno de Andrada, um Ipê Roxo em área particular da Rua Padre Duarte (necessitando de entendimento com o proprietário) e duas Paineiras Rosa no Bosque do Jardim Botânico.

“Dezenas de árvores poderão ser incluídas com o passar dos anos”. Ele lembra que os Oitis da Rua Voluntários da Pátria, entre as avenidas José Bonifácio e Djalma Dutra, datados de 1917 e as Tipuanas da Avenida Espanha, de idade aproximada aos Oitis, entre as ruas Expedicionários do Brasil e Padre Duarte também são protegidas por lei.