Araraquara, 204 anos sem favelamento

249

No início dos anos 70, ou seja, mais de 50 anos atrás, as cidades brasileiras passaram a ter um adensamento populacional surpreendente, em um movimento migratório do campo para as áreas urbanas. Isso trouxe como consequência uma nova realidade para a acomodação das famílias, que buscaram formas de moradias precárias e que redundaram em favelamentos nos grandes centros urbanos.
Cidades médias no interior do país também sofreram com esse fenômeno social com grandes implicações e desafios para os gestores da época. Araraquara não foi exceção, no entanto, com os sucessivos prefeitos desde o primeiro mandato do Prefeito Valdemar De Santi, grandes foram os esforços para se evitar o crescimento do favelamento em nossa cidade.
Esse esforço dependia à época essencialmente da parceria do Município com a iniciativa privada, pois apesar de alguma iniciativa federal, o que havia era principalmente apoio a chamada classe média que podia atender às condições dos financiamentos que exigiam garantias reais para se obter o financiamento habitacional, faltavam também apoios para garantir a infraestrutura dos loteamentos, tais como asfalto, drenagem, saneamento, iluminação pública e áreas de saúde e educação.
Mesmo com todas as dificuldades e, com o apoio da comunidade, foram surgindo novos e importantes bairros evitando o favelamento, após De Santi, Clodoaldo Medina, novamente De Santi, novamente Clodoaldo, novamente De Santi, Roberto Massafera, Edinho Silva dois mandatos, tive dois mandatos e agora Edinho Silva com mais dois mandatos, nessa linha sucessória muitos partidos e posicionamentos políticos muito diferentes, no entanto uma grande continuidade na política de habitações populares, novos bairros como o Selmi Dei I,II,III, IV,V e VI, Indaiá, Yolanda Ópice, Vitório De Santi, Jardim São Rafael I e II, Adalberto Roxo, Jardim Veneza, Tancredo Neves (CECAP), Iguatemi, Jardim Pinheiros, Parque São Paulo, Parque das Hortências, Parque Gramado I e II. Vale do Sol, Águas do Paiol, Jardim Maria Luiza, Arco Íris, Del Rei, Jardim Iedda, Valle Verde, Verde Vale, Romilda, Anunciatta, Maria Helena, entre muitos outros hoje todos com a infraestrutura feita e com excelentes condições conquistadas pelos moradores e, graças à participação popular, houve continuidade em todos os bairros de uma gestão pós outra, independente de partidos e ideologia.
Tivemos também o apoio nos últimos 15 anos de programas do Governo Federal como Minha Casa Minha Vida e do Governo Estadual Casa Paulista e CDHU, que permitiram que os novos conjuntos habitacionais atendessem as camadas mais pobres da nossa comunidade, com terrenos de 200 metros quadrados em mais de 10.000 (dez mil) unidades construídas e entregues aos que realmente precisavam. Isso fez com que hoje, ao comemorarmos 204 anos de existência, Araraquara com mais de 240 mil habitantes, possa comemorar seu aniversário e dizer que aqui existem moradias com saneamento, saúde e educação nas populações mais carentes da cidade. Uma grande Vitoria.

Marcelo Barbieri – ex-prefeito de Araraquara