Acusados do brutal assassinato do cabo PM Matias são julgados nesta terça-feira (19)

O policial militar foi morto a marretadas e teve o corpo queimado

342

Os acusados pelo bárbaro assassinato do cabo da Polícia Militar Elias Matias Ribeiro, de 50 anos, ocorrido em junho de 2019, estão sendo ouvidos nesta terça-feira (19), no Fórum de Araraquara. A ex-namorada, a filha e o tio dela, são acusados de matar e queimar o corpo do PM.

Jaciane Maria, ex-namorada do PM, sua filha mais velha – Larissa Marques – e o tio – Genivaldo Silva -, serão julgados pelo crime de homicídio qualificado. O júri popular estava marcado para ser realizado em fevereiro deste ano, mas, devido a pandemia, acabou sendo adiado para hoje. Além dos três acusados pelo crime, o marido de Larissa e policiais civis e militares também seriam ouvidos.

O crime

Os três são acusados de matar o cabo Matias, depois de descobrirem um vídeo onde o PM mantinha relação sexual com a filha mais nova de Jaciane.
Na noite do crime, a namorada de Matias o chamou para dormir em sua casa e o teria dopado. Enquanto o PM dormia, o tio de Mariane teria ido até o local e matado a vítima com golpes de marreta na cabeça.

Em seguida, o corpo de Matias foi enrolado em um colchão e colocado no banco traseiro do veículo do policial, um Hundai/Tucson. A namorada teria dirigido o veículo até o canavial, onde, com a ajuda da filha e do tio, atearam fogo nele.
Os três fugiram em um Ford/EcoSport que pertencia à Larissa e acabaram sendo descobertos pelas marcas de pneu do veículo. Durante a madrugada, os policiais já iniciaram as buscas pelos suspeitos e mãe e filha foram detidas e acabaram confessando a autoria do crime. O tio foi preso um dia depois.
O crime foi solucionado pela Delegacia de Investigações Gerais de Araraquara (DIG).