Selecione a página

Bandidos

Em 17 meses de operação, a força-tarefa da Lava Jato do Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro ajuizou 25 ações penais contra 134 pessoas, sendo que 15 acusações são contra o ex-governador Sérgio Cabral. O balanço foi divulgado ontem (17) pela Procuradoria da República no estado. Ao todo, foram 17 operações em conjunto […]

Em 17 meses de operação, a força-tarefa da Lava Jato do Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro ajuizou 25 ações penais contra 134 pessoas, sendo que 15 acusações são contra o ex-governador Sérgio Cabral. O balanço foi divulgado ontem (17) pela Procuradoria da República no estado.

Ao todo, foram 17 operações em conjunto com a Polícia Federal, 15 acordos de colaboração premiada, 57 prisões preventivas, 12 temporárias, 34 conduções coercitivas e 211 mandados de busca e apreensão cumpridos. Mais de R$ 450 milhões já foram ressarcidos e pagos em multas compensatórias decorrentes de acordos de colaboração, sendo que o MPF pede mais R$ 2,3 bilhões em reparação pelos danos provocados pela organização criminosa.

Soltos

Com 39 votos favoráveis contra 19 e uma abstenção, os deputados da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovaram, ontem (17), a libertação do presidente da Casa, deputado Jorge Picciani, do deputado Paulo Melo e do líder do Governo, deputado Edson Albertassi, todos do PMDB, presos nessa quinta-feira. O filho de Picciani, Rafael Picciani (PMDB), não votou.

O projeto de resolução 577/17 que revoga a prisão e o afastamento do mandato dos três havia sido também aprovado pela maioria dos deputados da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Foram quatro votos a dois na comissão.

Medo

O ex-presidente Luiz Fernando Cardoso afirmou que o Brasil corre risco de repetir a experiência da Itália pós- Operação Mãos Limpas e eleger um presidente de direita como Silvio Berlusconi na próxima eleição durante evento na Universidade Brown, nos Estados Unidos.

Sem mencionar diretamente o nome do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), ele relembrou uma entrevista antiga do parlamentar. “Eu não quero entrar em detalhes, mas há pessoas da direita que são pessoas perigosas”, afirmou.

“Um dos candidatos propôs me matar quando eu estava na Presidência. Na época, eu não prestei atenção. Mas hoje eu tenho medo, porque agora ele tem poder, ainda não, ele tem a possibilidade do poder”, disse o tucano, de acordo com informações do jornal Estado de S. Paulo.

Quadrilhão

Os recursos apresentados à Justiça pelos investigados do “Quadrilhão do PMDB na Câmara” serão levados para discussão no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF). Os ministros debaterão se a imunidade do presidente Michel Temer, denunciado no mesmo processo e que se safou graças à ordem do Congresso, aplica-se também aos demais envolvidos, casos de Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima.

O pedido dos envolvidos é que o inquérito fique parado no STF até o final do mandato de Temer, em 1º de janeiro de 2019, e não seja levado à primeira instância para ficar sob responsabilidade de juízes como Sergio Moro.

Bandidos

Lealdade VerdeQuem está com a moral alta com o prefeito Marcelo Barbieri é o presidente do Partido Verde de Araraquara, Fernando Cesar Câmara, O Galo, que além de participar das atividades da prefeitura como secretário de Direitos Humanos, faz questão de representar o vereador verde, Adilson Vital, que está afastado por problemas de saúde.Galo afirma […]

Bandidos
Prisões decretadas contra os prefeitos eleitos de Osasco, Embu das Artes e Presidente Bernardes, no estado de São Paulo, causaram indefinição nestes municípios em relação à posse. No caso de Embu das Artes, a diplomação do prefeito eleito Claudinei Alves dos Santos, conhecido como Ney Santos, foi suspensa pela Justiça Eleitoral, após pedido do Ministério Público (MP) de São Paulo.
O político é considerado foragido desde a deflagração da Operação Xibalba, no último dia 9, quando foram cumpridos 49 mandados de busca e 14 de prisão preventiva. Sete pessoas estão foragidas, incluindo Ney Santos.
Segundo o MP, as investigações conduzidas pelo promotor de Justiça Estêvão Luís Lemos Jorge identificaram uma organização criminosa para lavagem de dinheiro do tráfico de drogas, supostamente liderada pelo prefeito eleito de Embu.

Propineiros soltos
O juiz federal Sérgio Moro decidiu ontem (20) soltar dois ex-executivos da Odebrecht que estavam presos desde março do ano passado na Operação Lava Jato. Na decisão, Moro atendeu pedido da defesa e do Ministério Público Federal (MPF) e determinou a soltura de Olívio Rodrigues Junior e Luiz Eduardo da Rocha Soares, acusados de atuar no Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht, setor responsável pelo pagamento de propina a políticos, segundo o MPF.
Um dos proprietários da Odebrecht, o empresário Marcelo Odebrecht vai continuar preso. Segundo Moro, a situação dele é diferente dos ex-executivos que foram soltos. “A situação de ambos é diferente da de Marcelo Bahia Odebrecht, acusado no mesmo processo, mas já julgado e condenado por outro”, disse Moro.

Mais roubo
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou o deputado federal José Guimarães (PT-CE) ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. De acordo com a denúncia, o parlamentar recebeu R$ 97,7 mil em propina para pagar despesas pessoais com um escritório de advocacia e uma gráfica que trabalhou em sua campanha. O relator da denúncia é o ministro Edson Fachin.
Segundo a acusação, do valor total recebido pelo deputado, R$ 30 mil consistiam em vantagens indevidas para favorecer a empreiteira Engevix, em um contrato de crédito com o Banco do Nordeste, avaliado em R$ 260 milhões, para construção de usinas eólicas na Bahia.

Dívidas
A Câmara dos Deputados aprovou ontem o projeto de lei que trata da renegociação das dívidas dos estados com a União. A renegociação prevê o alongamento da dívida por 20 anos e a suspensão do pagamento das parcelas até o fim deste ano, com retomada gradual a partir de 2017. Votaram favoravelmente 296 deputados e 12 contrários. O texto segue, agora, para sanção presidencial.
Depois de várias rodadas de negociações entre líderes partidários e governadores de estados endividados, como Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, os deputados concordaram em aprovar a propostas rejeitando parte das mudanças feitas no Senado. As mudanças aprovadas pela Câmara contrariam o entendimento da área econômica do governo, que considera essencial medidas de corte de gastos e ajuste fiscal pelos estados.

Lealdade Verde
Quem está com a moral alta com o prefeito Marcelo Barbieri é o presidente do Partido Verde de Araraquara, Fernando Cesar Câmara, O Galo, que além de participar das atividades da prefeitura como secretário de Direitos Humanos, faz questão de representar o vereador verde, Adilson Vital, que está afastado por problemas de saúde.
Galo afirma que independente de estar à frente da Secretaria, estará até o último dia do ano ao lado do prefeito com quem manteve uma bela parceria que gerou frutos pelas áreas onde ele atuou na gestão Barbieri.

Últimos Vídeos

Carregando...

Charge

Publicidade

Publicidade

Arquivos

Publicidade