Selecione a página

Política: 1º de abril dia nacional da mentira

Política: 1º de abril dia nacional da mentira

José A C Silva
O “1º de abril”, lembra a campanha de reeleição de Dilma Rousseff. O dia da mentira no Brasil dura o ano todo, não sabemos mais em quem acreditar. Parece que no caso da Petrobras, somente os empreiteiros tem culpa, só eles são detidos. Graça Foster, diz estar envergonhada e também não sabia de nada, o tesoureiro do PT que não é o Edinho Silva, mas o Vaccari Neto, que é mais esperto que o avô, afirma que fez tudo dentro da legalidade. O Rui Falcão, presidente nacional do PT a cada dia se parece mais com o ex-ditador Ernesto Geisel. Nunca vimos um petista tão bravo, parece que “roubaram a mulher do Rui, você pensa que fui eu mas eu juro que não fui”, marchinha de carnaval. Neste carnaval, desculpa 1º de abril, o Falcão quer colocar um girassol na lapela do seu paletó, processar a imprensa e deixá-la sangrar – seria cômico se não fosse verdade. Agora estão falando que o Lula nunca foi de esquerda, somente um sindicalista que fazia acordos com empresários, e que ideologicamente a Dilma que tem esta característica, pegou em armas e continua aterrorizando o país. Eu acredito que a esquerda e a direita são mãos de conversão de trânsito, aqui no Brasil, politicamente, ambas são usadas para roubar. “Não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita”, Mateus – 6: 3b. os políticos levam a sério este vercículo, não são traidores, somente o Roberto Jerffeson é o Judas Escariotes.
O Zé Dirceu e o Antonio Palocci viraram consultores. O juiz Sergio Moro liberou para consulta pública parte das informações constantes dos autos. Com isso, ficou-se sabendo que Dirceu não é apenas um consultor bem-sucedido – é um mega-consultor . De 2006 a 2013, o ex-ministro faturou 29,3 milhões de reais em contratos de consultoria.
O ápice dos pagamentos se deu em 2012, período em que o petrolão estava funcionando a pleno vapor e que coincidiu com a condenação de Dirceu por participação no mensalão. Entre as empreiteiras que aparecem na lista de clientes do ex-ministro estão OAS, Engevix, UTC, Galvão Engenharia e Camargo Corrêa – todas acusadas de integrar o cartel que atuava na Petrobras.
A nossa presidente, com aqueles dentões que Deus lhe deu, parece uma coelhona fofa, nesta Pascoá ela vai dar muitos ovos para os brasileiros, 1º de abril , coelha não bota ovo.
Mentiras da Dilma
1) A conta de luz ficou quase 30% mais cara desde a redução de 2013. E deve subir mais 30% neste ano.
2) O Banco Central subiu três vezes seguidas a taxa básica de juros, que já é a maior desde 2011.
3) Dilma também acusava falsamente Aécio: “Candidato, vocês [tucanos] sempre gostaram de plantar inflação para colher juros” (Debate na TV Record – 19/10/2014). Agora, a inflação está muito próxima do teto da meta e o próprio ministro da Fazenda admite que o PIB pode recuar em 2015.
4) Dilma aumentou impostos. Logo nos primeiros dias de janeiro, o governo dobrou a taxa de IOF (de 1,5% para 3%), aumentou em 22% os tributos sobre a gasolina, subiu a alíquota para importações (de 9,25% para 11,75%) e aumentou o IPI sobre cosméticos. E olha que a então candidata chegou a dizer em 6 de maio de 2014: “Não vai haver aumento de impostos, não tenho nada em perspectiva”.
5) Vale lembrar também que, depois de apostar na campanha do medo e acusar Marina Silva de conluio com os banqueiros, Dilma convidou para o Ministério da Fazenda o presidente do grupo Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, que rejeitou o convite mas recomendou Joaquim Levy, um economista ortodoxo e alinhado com o pensamento de Armínio Fraga. Hoje, Levy está lá justamente para aumentar impostos em seu lugar e levar a culpa pelas medidas impopulares.
6) A pasta de Educação sofreu corte R$ 587 milhões nos gastos mensais, apesar do lema ‘Brasil, Pátria Educadora’.
7) O número de miseráveis, escondido durante a campanha, aumentou para 10,452 milhões de pessoas. O PT gosta tanto dos pobres que deixou 371 mil pobres mais pobres ainda.
8) O sistema elétrico está perto do limite e um apagão atingiu metade do país no dia 19 de janeiro.
9) O governo autorizou elevações no preço da conta de luz e da gasolina, que têm impacto generalizado sobre os custos ao consumidor.
10) A presidente vetou dois artigos da Medida Provisória nº 656 que estendiam até 2042 a vigência de acordo entre a Chesf (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco), subsidiária da Eletrobras, e indústrias eletrointensivas do Nordeste. O veto gera uma reação em cadeia de prejuízos para as indústrias nordestinas e, segundo o Diário de Pernambuco, a previsão era de que o custo da energia ficaria até quase quatro vezes maior. Estimavam-se prejuízos de até R$ 19 bilhões e perda de 153 mil empregos.

Últimos Vídeos

Carregando...

Charge

Publicidade

Publicidade

Arquivos

Publicidade