Selecione a página

Polícia Militar e GCM usam bombas e spray de pimenta em ação na Cracolândia

A Cavalaria e a Força Tática cercaram e impediram durante algumas horas o acesso de pedestres e veículos às proximidades da Rua Helvetia, onde fica a maior concentração de usuários. Os funcionários dos serviços sociais e de saúde que trabalham na área eram abordados e revistados para poderem acessar os locais de trabalho. Segundo a […]

Ao menos uma pessoa foi detida e outra teve de ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros ao ser ferida na ação




A Polícia Militar e a Guarda Civil Metropolitana (GCM) usaram bombas de gás e spray de pimenta contra os usuários de drogas da Cracolândia, na Luz, região central da capital paulista, em uma operação no final da manhã dessa sexta-feira (8). Ao menos uma pessoa foi detida e outra teve de ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros ao ser ferida na ação.

A Cavalaria e a Força Tática cercaram e impediram durante algumas horas o acesso de pedestres e veículos às proximidades da Rua Helvetia, onde fica a maior concentração de usuários. Os funcionários dos serviços sociais e de saúde que trabalham na área eram abordados e revistados para poderem acessar os locais de trabalho. Segundo a prefeitura, houve tumulto durante a ação diária de limpeza quando a GCM encontrou uma moto roubada no local.

Foram usados diversos caminhões e uma escavadeira para recolher as barracas improvisadas e objetos dos moradores de rua que vivem na região. No início da tarde, os usuários estavam dispersos pelas ruas e praças próximas.

Novo local

Na quinta-feira da semana passada (31), outra operação policial forçou o deslocamento da aglomeração de usuários da Praça Júlio Prestes para a chamada Praça do Cachimbo, na esquina da Rua Helvetia, onde eles estão atualmente.

Foi a quarta vez que o grupo de moradores e frequentadores da Cracolândia, conhecido como fluxo, mudou de lugar desde a megaoperação policial ocorrida em 21 de maio. Na ocasião, o prefeito João Doria chegou a anunciar o fim da Cracolândia, mas o número usuários na região ainda é considerável.

Nos últimos meses, a administração municipal colocou em funcionamento o Programa Redenção, em substituição ao De Braços Abertos, baseado em redução de danos, implantado pela gestão anterior. Foram instalados contêineres adaptados para pessoas fazerem pernoite, refeições e uso de banheiro. Um dos focos do programa é convencer os usuários a se internarem voluntariamente para fazer tratamento.

Porém, um relatório elaborado conjuntamente pelo Ministério Público do Estado de São Paulo (MP), Defensoria Pública e conselhos de classe mostrou diversas falhas no Programa Redenção. Segundo o documento, a iniciativa da prefeitura é ineficaz.

Foram apontadas falhas como falta de alternativa à internação, inexistência de um projeto terapêutico individualizado, falta de profissionais nas unidades de saúde, ociosidade dos pacientes durante a internação e falta de acompanhamento após a desintoxicação.

O coordenador chefe do Programa Redenção, Arthur Guerra disse que todos os ajustes citados serão cumpridos.

Últimos Vídeos

Carregando...

Charge

Publicidade

Publicidade

Arquivos

Publicidade