Selecione a página

Peritos do INSS voltam a trabalhar na próxima semana

Embora a greve termine no próximo dia 25, médicos voltam a seus postos em estado de greve

Da redação
Os médicos peritos do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), em greve há mais de quatro meses, decidiram nesta segunda-feira (18), que vão voltar ao trabalho na próxima semana, no dia 25, segundo a Associação Nacional dos Médicos Peritos (ANMP), que representa os trabalhadores.
De acordo com o diretor da entidade, Luiz Argolo, apesar da volta ao trabalho a greve não acabou.
O que foi decidido, segundo ele, é um retorno ao estado de greve. No estado de greve, a categoria volta a atender, mas continua negociando suas reivindicações com o governo e pode cruzar os braços novamente.
Hoje, a associação diz que a categoria cumpre a determinação de manter 30% dos médicos trabalhando. No dia 25, serão 100% deles.
Araraquara, que também aderiu ao movimento, conta hoje com muitas reclamações de pessoas que precisam passar por perícias e aguardam na fila uma resposta, pois o que já era demorado, agora demanda um tempo ainda maior.
A greve dos médicos peritos do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) é a paralisação mais longa da categoria, segundo a ANMP.
Por causa da paralisação, o tempo médio de espera para o agendamento passou de 20 dias para 80 dias. Segundo o INSS, 1,3 milhão de perícias deixaram de ser feitas desde 4 de setembro do ano passado, quando a paralisação começou. A ANMP afirma que o número passa de 2 milhões.
A Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social, emitiu uma nota à imprensa nessa segunda-feira (18) afirmando que:
Os Peritos Médicos do INSS deram início a um movimento grevista em 04/09/15 motivados pela ausência de respostas do governo aos graves problemas que atingem nosso trabalho e se refletem no atendimento à sociedade.
A falta de uma política adequada para a carreira e a ineficiência da gestão do benefício por incapacidade levaram a União a gastar R$ 125 bilhões anuais sendo a metade disso em benefícios pagos sem perícia médica. Em 5 anos quase 3.000 peritos abandonaram a carreira e atualmente a taxa de evasão é de 2 peritos por dia útil, algo inédito no serviço público federal.
Apesar da longa paralisação o governo se manteve insensível e negligente ao drama da população, intransigente e implacável com a categoria pericial, nos tratando como se fôssemos inimigos do Estado. Ao priorizar um combate desleal com os Peritos em detrimento de uma rápida resolução do caso, o governo preferiu apostar na vitória sobre a categoria pelo cansaço, sem se preocupar com o caos gerado na vida da população que não consegue atendimento. Ao invés do diálogo o governo cortou integralmente os salários dos servidores e iniciou uma série de ataques e ameaças aos Peritos Médicos em todo o Brasil.
Após quase 140 dias de paralisação e sem nenhuma perspectiva de abertura de negociações, nós, Peritos Médicos do INSS, chocados com o descaso do governo e com caos instalado pela gestão, nos sentimos sensibilizados pelo drama da população não-atendida e, por termos ciência que o governo não está se importando com isso e, se necessário fosse, continuaria a deixar os segurados da previdência social na penúria, decidimos em Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 16/01/15 mudar nossa forma de protesto.
Os Peritos Médicos do INSS irão retornar aos postos de trabalho, EM ESTADO DE GREVE, para manter apenas o atendimento essencial, ou seja, aqueles que ainda não se submeteram à perícia médica inicial. Os segurados que já se encontram amparados pelo benefício previdenciário tem seus direitos mantidos e deverão continuar recebendo. Novas paralisações no futuro não estão descartadas.
Esperamos que com essa atitude de distensionamento, o governo saia da trincheira em que se colocou e volte a negociar com a categoria, pelo bem do serviço público e da sociedade brasileira.

Últimos Vídeos

Carregando...

Charge

Publicidade

Publicidade

Arquivos

Publicidade