Select Page

30% dos universitários escolhem o curso pelas tendências do mercado de trabalho



Com a crise do emprego, remuneração e chances de crescimento profissional pesaram mais do que a vocação

30% dos universitários escolhem o curso pelas tendências do mercado de trabalho

Segundo um levantamento feito pela Companhia de Estágios – consultoria e assessoria especializada em programas de estágio e trainee – mais de um terço dos universitários brasileiros escolheram seus cursos baseados nos benefícios oferecidos pelo mercado de trabalho; para eles, a vocação ficou em segundo plano frente às tendências profissionais.

Vocação x Sucesso

O estudo, que contou com mais de 5.400 jovens de todas as regiões do país, revelou que, embora a vocação ainda seja o principal fator na hora de escolher um curso de graduação, 32% dos universitários em atividade alegam que sua decisão foi baseada, principalmente, nas tendências do mercado de trabalho. Esses jovens estão, de certa forma, mais preocupados com a remuneração e as chances de crescimento oferecidas pelas profissões, mostrando maior inclinação para aquelas que estão em alta. Curiosamente, quase 60% desses estudantes estão nos dois primeiros anos de curso, ou seja, ingressaram na faculdade durante a crise do emprego.

Estágio: aprendizado ou bolsa auxílio?

A pesquisa ainda revelou que, quando se trata de programas de estágio, os “universitários influenciados pelo mercado” consideram mais os aspectos materiais da vaga do que os “universitários motivados pela vocação”. Em comparação, a preocupação com o valor da bolsa auxílio é 5% maior entre os jovens que escolheram a profissão de olho nas oportunidades; o mesmo acontece quando se trata das chances de efetivação oferecidas pelo empregador. E, embora a prioridade dos candidatos seja, em ambos os casos, as chances de aprendizado proporcionadas pelo estágio, os “estudantes motivados pela vocação” valorizam mais essa característica numa vaga.

Vocação influencia no otimismo

Quem escolhe o curso pensando em “trabalhar com o que ama” se sente mais otimista em relação ao mercado de trabalho. Comparando os perfis, os universitários guiados pelas tendências são ligeiramente (12%) mais pessimistas do que os que escolheram o curso por vocação. Segundo Rafael Pinheiro, gerente de recursos humanos, essa percepção pode estar ligada tanto ao nível de satisfação do estudante com o curso, quanto ao seu nível de informação sobre o mercado de trabalho: “Se por um lado o estudante que “faz o que gosta” se sente mais feliz em relação à profissão, o que está de olho nas tendências do mercado pode estar mais consciente do cenário atual e, por isso, tem uma visão mais cética”. Para o especialista não existe uma percepção mais “correta”, visto que, no geral, os estudantes estão otimistas em relação ao mercado, no entanto, ambos devem ponderar as escolhas para que não se sintam “na zona de conforto” ou desmotivados em relação à profissão.

Estratégia: conhecer a profissão

Para os estudantes que estão divididos entre tendência e vocação, o estágio ainda é um dos melhores caminhos para conhecer, na prática, a realidade do mercado. De acordo com os especialistas, a modalidade – cada vez mais requisitada pelos jovens, frente a queda das vagas formais – ainda permite que os universitários que estão desanimados com o curso possam vislumbrar outras vertentes dentro da sua área, enxergando outras possibilidades de atuação profissional.

Últimos Vídeos

Loading...

Charge do Dia

Publicidade

Arquivos