Select Page

Plano para o Agronegócio foi debatido na Fiesp



Reunião tem presença de Tereza Cristina, futura ministra da Agricultura, e de Mara Gabrilli, senadora eleita por São Paulo

Plano para o Agronegócio foi debatido na Fiesp

Uma exposição da agenda do Legislativo, feita pela senadora eleita Mara Gabrilli (PSDB-SP), e a apresentação de um plano de Estado para o agronegócio, a cargo de Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura, deram início nesta segunda-feira (3 de dezembro) a reunião conjunta de três conselhos superiores da Fiesp – do Agronegócio (Cosag), de Comércio Exterior (Coscex) e de Meio Ambiente (Cosema). Foram seguidas de análise, sob diferentes pontos de vista, do plano de Estado.

Ao abrir a reunião, Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp, explicou que a reunião conjunta, com a presença também da deputada federal Tereza Cristina, anunciada como ministra da Agricultura a partir de 2019, teria grande riqueza de visões.

“Nova missão”, disse Skaf sobre o papel que os futuros secretários presentes ao evento, a ministra e mesmo empresários terão no novo governo. E será necessário criar um novo paradigma, para ultrapassar todos os obstáculos e levar o Brasil para o caminho do crescimento, procurando chegar a um aumento de 5% ao ano do PIB.

Skaf defendeu as reformas estruturais necessárias para o Brasil. A ideia, afirmou, é trabalhar em conjunto, deixando de lado as rivalidades e fazendo o que for necessário para criar os empregos desejados por milhões de brasileiros.

A reunião, destacou Skaf, era a milésima dos conselhos superiores da Fiesp. Jacyr da Costa, presidente do Cosag, conduziu o evento e destacou o trabalho em conjunto com Walter Lazzarini, presidente do Cosema, e de Rubens Barbosa, presidente do Coscex. Pediu saudação especial ao novo presidente da Embrapa, Sebastião Barbosa, que destacou a sempre forte relação da entidade com o Estado de São Paulo. Barbosa também mencionou que haverá um programa especial para o semiárido.

Agenda legislativa

Mara Gabrilli destacou a importância do agronegócio para o mundo e ressaltou a resiliência do setor no Brasil. A respeito do Senado, disse que a renovação recorde é uma novidade para a próxima legislatura.

O enorme crescimento do PSL foi outra novidade. E o PT, apesar de ver reduzida sua bancada, continua a ter a maior da Câmara.

Haver 30 partidos no Congresso, segundo Gabrilli, representa perigo, porque pode levar para um caminho de ingovernabilidade. A cláusula de barreira deve aos poucos reduzir o problema. Uma nova reforma política, com a adoção do voto distrital, deve acelerar o processo e reduzir o custo de campanhas.

Lembrou que ao lado de temas liberais do próximo governo, como a privatização há outros necessários, como a facilitação do comércio.

Não considera que o próximo presidente terá problemas para aprovar projetos que exijam maioria simples, mas temas que requeiram mudanças constitucionais, como a reforma previdenciária, exigirão mais trabalho.

Gabrilli defendeu a reforma tributária, destacando do projeto do deputado federal Luiz Carlos Hauly a simplificação do sistema, a busca de justiça distributiva e uma preocupação com a industrialização do Brasil. Também fortalece os municípios, dando a eles todos os tributos sobre propriedade, e reduz custos de contratação, o que pode ajudar no crescimento.

A pauta do agronegócio, segundo a senadora eleita, precisa ser priorizada e inclui temas de logística, água, capacitação de mão de obra. Tudo fica rápido e eficiente quando há sinergia entre Legislativo, Executivo e sociedade civil, disse.

É preciso modernizar a legislação e permitir acesso aos produtos mais eficientes, garantindo a biodiversidade, disse, a respeito de defensivos agrícolas. Falta monitoramento do uso de agrotóxicos, que não é feito há quatro anos, demonstração da necessidade de melhorar a qualidade do serviço público. É preciso, defendeu, ao lado do controle da despesa, fazer a análise da qualidade do governo.

Na reunião, Gabrilli destacou que a data marcava o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. A defesa desse contingente da população é dos principais temas para a sustentabilidade do país, afirmou.

Plano de Estado

Roberto Rodrigues destacou que a ideia foi fazer um plano de Estado para a agricultura, cobrindo 12 anos e transformando o Brasil em campeão mundial de segurança alimentar. “Não é um plano para o agro, é para o país, um plano para a paz”, porque não há paz quando há fome, explicou. O agronegócio oferece ao Brasil essa possibilidade.

A falta de líderes no mundo contemporâneo também moveu o projeto. Com o plano o Brasil teria protagonismo internacional muito mais forte. A USP, explicou Rodrigues, criou em 2017 na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) cátedra de agronegócio, da qual ficou encarregado. Assim, assumiu a missão de criar o plano. Seis temas fundamentais são abordados na agenda

Equilíbrio fiscal é o primeiro, a partir do qual foram abordados os outros. O segundo, segurança alimentar, partiu da premissa de crescimento necessário de 20% na oferta de alimentos nos próximos 10 anos – e para isso o Brasil precisaria dar contribuição maior, crescendo 40% no período.

O plano aborda também a tecnologia necessária para os 40% de crescimento. É contemplada ainda a política econômica, tendo como tema central o seguro rural – parte da solução para a segurança alimentar. Com a eliminação de subsídios para grandes e médios produtores haveria recursos para direcionar para o seguro rural, segundo Rodrigues.

Logística e comércio exterior fazem parte da agenda, assim como segurança jurídica – para contratos e também para empresas e trabalhadores rurais em relação a sua estabilidade.

Outro ponto importante é a defesa agropecuária, incluindo o setor industrial. Gestão no campo também tem algumas questões ligadas ao governo. Agroenergia ratifica questões colocadas pelo RenovaBio.

Sustentabilidade, disse Rodrigues, é um tema transversal a todos os outros. “Não se imagina competitividade sem sustentabilidade.” O segundo tema transversal é comunicação.

A visão do setor privado

Pedro Parente, presidente do Conselho da BRF, ressaltou a importância do tema em discussão na reunião conjunta. O Brasil, destacou, é o país que historicamente mais protegeu seu meio ambiente. Considera totalmente equivocado atribuir ao sucesso do agronegócio os problemas da indústria brasileira. O país é privilegiado, afirmou, e todos os setores podem ir bem.

A agenda para 12 anos tem como ponto de partida importante os primeiros anos. É preciso pôr essa roda para girar, e se isso ocorrer a possibilidade de sucesso é muito maior, segundo Parente. Ele destacou que representava na reunião o setor de proteína animal, que gera 4 milhões de empregos diretos e indiretos e movimenta mais de US$ 8 bilhões por ano em exportações. O segmento tem papel importante para a segurança alimentar, ressaltou.

Há oportunidade incrível para os próximos 10 anos, e também adiante.

Um tema inicial fundamental na discussão do plano de Estado é a visão estratégica do setor público como um todo, não só do governo federal. Não se pode esquecer que governos não produzem riqueza, papel do setor produtivo. É muito difícil hoje ser empresário, empresa ou empreendedor no Brasil, disse. O setor público parece, com exceções, fazer um favor ao setor produtivo, mas estimulá-lo é fundamental. É difícil mudar culturas, afirmou, mas destacou o alinhamento da futura ministra da Agricultura em diversos temas.

O Brasil precisa resolver seu problema fiscal, eliminando a dinâmica explosiva da dívida pública. Sem uma visão de estabilidade não há investimento suficiente, e o crescimento da economia fica aquém do que se deseja.

Em relação ao avanço da produção sustentável destacou a importância disso para a competitividade. É preciso mitigar emissões, cuidar de forma não dogmática do licenciamento ambiental, usar o solo de maneira consciente e utilizar de forma sustentável a água.

Há ações internas, como uma representação comercial mais atuante, para avançar no comércio exterior. Isso é fundamental porque os competidores não vão facilitar a vida brasileira nessa busca de protagonismo, disse. Também o processo de exportação precisa de simplificação.

O reforço da imagem do Brasil é outro ponto. Segurança e qualidade dos produtos fazem parte desse esforço. É preciso evoluir de maneira moderna e ambiciosa. Há questões importantes a abordar e é preciso avançar na autorregulação. O setor privado é capaz de garantir as melhores práticas e a ele interessa ter qualidade. A BRF entende que o principal entrave hoje é a baixa percepção de qualidade dos produtos brasileiros e se empenha em mudar isso.

Precisamos de sistema regulatório mais em compasso com o desenvolvimento do setor.

Gustavo Diniz Junqueira, que será secretário estadual de Agricultura, mostrou a visão do próximo governo paulista sobre o plano de Estado. A defesa agropecuária é tema essencial, afirmou. Saúde, sanidade e segurança precisam estar no foco para atender aos anseios da sociedade.

Espera ter nos primeiros cem dias do próximo governo uma análise de como será o agronegócio paulista em 2050. Temos que produzir aquilo que se quer consumir, com preços adequados e qualidade absoluta, agregando cada vez mais valor, por meio de tecnologia e simplificação tributária.

Tereza Cristina, anunciada como ministra da Agricultura do próximo mandato presidencial, expôs a visão do próximo governo federal sobre o plano de Estado para o agronegócio. “Tocou em pontos fundamentais e concordo com todos eles”, disse a Roberto Rodrigues sobre a proposta. E o seguro rural é um ponto importante. Havendo segurança os bancos tenderão a emprestar mais, em melhores condições.

A comunicação precisa mudar, defendeu Cristina. “Chegou o tempo da agropecuária brasileira. Chega de divisão. Precisamos unir esforços. Precisamos conscientizar nossa sociedade sobre o bem que o setor faz ao país.”

O comércio internacional também foi destacado por Cristina, que revelou que um departamento do Itamaraty cuidará exclusivamente do agronegócio. Meio ambiente vai conversar com agricultura, com o foco de destravar o agronegócio.

O ministério vai ter como boa novidade, segundo a futura ministra, a unificação de todos os portes da agricultura. “Vai dar trabalho. Precisamos aproximar os pequenos agricultores, titular seus lotes, dar-lhes condições.” A defesa é preocupante, mas necessária. Temos que adequá-la. Cada um – governo e setor privado – precisa fazer sua parte e assumir suas responsabilidades. Segurança alimentar é necessária para a paz, e o Brasil precisa acabar com o paternalismo. Antes e depois é com o ministério, e a produção é com os produtores, disse, defendendo a autorregulação.

Jacyr da Costa destacou a importância do RenovaBio a Tereza Cristina e pediu a ela empenho em relação a isso, lembrando que o programa ficará a cargo do Ministério de Minas e Energia.

Rubens Barbosa, presidente do Coscex, destacou proposta de política nacional do trigo, primeira vez que se pensa de maneira integrada sobre o segmento, que atualmente importa metade do que é consumido no Brasil. Mencionou a crise da vaca louca, motivada pela demora na resposta do governo brasileiro. Compromissos, defendeu, devem ser atendidos, para evitar crises dessa magnitude. A futura ministra concorda com a necessidade de uma política do trigo, buscando pelo menos a autossuficiência. Ponto crucial, disse, a respeito do problema da vaca louca, que ainda afeta as exportações. Precisamos, afirmou, trabalhar de perto com o Ministério das Relações Exteriores, que deve receber informações da Agricultura.

Walter Lazzarini, presidente do Cosema, afirmou que é momento de unir esforços, deixando de lado os radicais de ambos os lados, reduzindo os atritos, para ter uma agricultura sustentável.

(Com informações da Fiesp)

Últimos Vídeos

Loading...

Charge do Dia

Publicidade

Arquivos