Selecione a página

Merendeiras fazem protesto durante a sessão da Câmara

Proibição de canudos plásticos em estabelecimentos comerciais também foi discutida e votada pelos vereadores

Merendeiras fazem protesto durante a sessão da Câmara

Ariane Padovani

Aconteceu na noite dessa terça-feira (7) a Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Araraquara e a Tribuna Popular contou com a participação de Celso Delle Piage Neto, estudante da Unesp da cidade, que abordou o tema “Plástico e seu papel na sociedade”. Celso discursou sobre a problemática dos plásticos nos oceanos e sobre a Lei Complementar nº 18, de 22 de dezembro de 1997 (Código de Posturas), que visa proibir a utilização de canudos de plástico, exceto os biodegradáveis, em estabelecimentos que especifica.

“Sabe-se que anualmente a gente descarta cerca de 12,7 milhões de toneladas de plástico nos oceanos. Isso é uma quantidade absurda. O Brasil é o 4º maior produtor de lixo plástico no mundo. Estamos no Top 4 da poluição de plástico e sem contar que, apesar de ser um país que tem reciclagem, a gente só recicla 1% do nosso lixo. Então todos os outros 99% são descartados de forma irregular”, relatou.

Celso contou também que os canudos plásticos já representam o montante de 8,3 milhões nos oceanos. “Essa quantidade é muito alarmante”, destaca.

A maioria dos vereadores presentes concordou com a visão de Celso e votaram a favor da proibição dos canudos plásticos.

Faltam merendeiras nas escolas

Renata Pereira Barbosa, merendeira da rede municipal de ensino, também ocupou a Tribuna Popular e falou sobre as comemorações do Dia do Trabalhador, com ênfase no servidor municipal. Renata destacou que o dia 1º de maio não é um dia de festa, mas de luto e de luta.

“Falando um pouco da minha categoria, temos vivido um ano de total desmonte e negligência. Não temos número suficiente de pessoal para desempenhar o serviço, uma vez que tivemos várias merendeiras readaptadas pelo SESMT (Serviço Especializado em Engenharia de Segurança em Medicina do Trabalho), que adoeceram por conta do trabalho e outras tantas que aderiram ao PDV (Programa de Desligamento Voluntário). Esse quadro de funcionário não foi reposto, sobrecarregando e adoecendo as que ainda estão na cozinha”, expôs.

Renata ainda fez uma denúncia de assédio moral sofrido diariamente pela sua categoria. Quando se recusam a fazer o trabalho nessas condições são ameaçadas e coagidas. “Um verdadeiro assédio moral, ora pela administração da pasta, ora pelas diretoras das unidades”, relatou.

A servidora cobrou a administração municipal por se negar a discutir a data-base e englobar toda a discussão sobre reajuste salarial no PCCV, acarretando ainda mais as perdas dos já defasados salários. “Quem conhece o mínimo de funcionalismo público, sabe que são coisas totalmente distintas”, discursou.

Renata equiparou o Partido dos Trabalhadores a Partidos de extrema direita e conservadores. “A diferença é que esses partidos são sinceros, uma vez que deixam claro que militam em favor do empresariado”. A merendeira finalizou avisando que “estamos de luto, mas, também estamos prontos para a luta. Não aceitaremos um aumento vinculado a certas condições, não aceitaremos que retirem nosso direito a folgas conquistado em acordo coletivo e não discutiremos data base em PCCV”.

Algumas merendeiras que estavam presentes permaneceram em pé durante todo o discurso e aplaudiram a companheira ao final de sua fala.

PT é protagonista

Em resposta, a vereadora Thainara Faria (PT) se comprometeu a fiscalizar a questão do assédio moral citado pela merendeira e foi aplaudida. Na sequência, Thainara defendeu seu partido e foi vaiada pelos presentes no plenário. “O Partidos dos Trabalhadores foi protagonista em muitas conquistas dos trabalhadores, não só nessa cidade, como no Brasil todo. Se o Partido dos Trabalhadores estivesse no poder não estaria acontecendo o que está acontecendo no Brasil agora”, afirmou.

Últimos Vídeos

Carregando...

Charge

Publicidade

Publicidade

Arquivos

Publicidade