Select Page

Controle de sinantrópicos faz nova vistoria em EMEF, onde estudante foi picada por escorpião



Equipe retornou nessa quarta-feira (14) à escola no Jardim Dom Pedro I e atestou medidas preventivas contra escorpiões

Controle de sinantrópicos faz nova vistoria em EMEF, onde estudante foi picada por escorpião

Uma equipe do Centro de Controle de Vetores e Fauna Sinantrópica retornou na manhã dessa quarta-feira (14) à EMEF José Roberto Pádua de Camargo, no Jardim Dom Pedro I, para mais uma vistoria minuciosa nas dependências da escola.

Na tarde de terça-feira (13), um escorpião amarelo foi capturado no interior de uma sala utilizada para atividades complementares, depois de picar uma menina de 10 anos, estudante do 4º ano do ensino fundamental.

Diante do ocorrido, o Samu foi acionado, mas antes da chegada da viatura a família levou a menina para a UPA Central, onde ela chegou em bom estado de saúde e ficou em observação. A equipe do Centrap (Centro de Tratamento Regional de Acidente por Animais Peçonhentos de Araraquara), que fica na Vila Xavier, foi enviada para a UPA Central para acompanhar o caso de perto.

Felizmente, a equipe médica que a atendeu afirmou à família que o veneno não havia sido inoculado, ou seja, não havia sido transmitido para a menina e, por isso, não foi necessária a aplicação do soro antiescorpiônico.

De acordo com a diretora da EMEF José Roberto Pádua de Camargo, Luciana Marchezini Rosário Alves, a aluna já está bem.

“Nossa preocupação é manter sempre nossa escola limpa, livre de qualquer tipo de risco. A unidade segue todas as orientações para prevenção ao animal, como a instalação de ralos que abrem e fecham e o cuidado para evitar acúmulo de folhas, mas sabemos que estamos numa região cercada de mata e, por isso, precisamos de atenção e cuidado redobrados. O que importa é a segurança dos nossos alunos, da comunidade escolar”, enfatizou a diretora.

Segundo ela, outras medidas preventivas ainda serão adotadas nos próximos dias, por orientação da equipe de controle de sinantrópicos. “Eles nos apontaram algumas pequenas fendas na calçada da escola, que podem servir de esconderijo para escorpião. Nós já vamos calafetar. E também vamos resolver uma pequena queda no terreno, nos fundos da escola, que pode vir a acumular terra. São reparos que vamos providenciar rapidamente”, afirmou Luciana.

Ações preventivas

A equipe de controle de sinantrópicos já vem realizando uma série de ações nas proximidades, em especial orientações a estabelecimentos e residências sobre formas de se evitar aparecimento de escorpiões.

Enquanto na zona rural é comum ser encontrado o escorpião marrom, nas cidades é mais comum o amarelo, responsável por grandes números de acidentes em todo o Brasil.

Mas medidas simples podem evitar a infestação desses animais, como manter vedados os ralos e sifões em forma de S, conservar a borrachinha inferior das portas e não deixar lixo mal acondicionado.

Em entrevista recente, o gerente de Controle de Vetores da Secretaria Municipal da Saúde, Luís Eduardo Tagliacozzo, explicou que o escorpião tem se adaptado nas galerias de águas pluviais e na rede de esgoto das cidades, locais em que encontra seu alimento principal, a barata.

Conforme explicou Eduardo, é comum nesta época de calor o peçonhento sair das galerias em busca de alimentos.

O risco de complicações é maior para crianças e idoso em relação à picada de escorpião e a orientação básica é procurar a UPA Central, onde existe um centro de tratamento contra ataques de animais peçonhentos em geral.

Últimos Vídeos

Loading...

Charge do Dia

Publicidade

Arquivos